segunda-feira, 31 de maio de 2010

HUMOR?


Visite SUL21.

El asalto israelí a la 'Flota de la Libertad' amenaza con convertirse en una grave crisis internacional

Zdzislaw Beksinski:

El Consejo de Seguridad de la ONU se reunirá de urgencia para tratar el asalto | La UE y la Liga Árabe se movilizan mientras aumenta el número de países que llaman a consultas a los embajadores de Israel

La Vanguardia

La conmoción mundial ante el asalto hoy del Ejército de Israel a una flotilla de barcos con ayuda humanitaria para Gaza , que ha causado más de una decena de muertos, amenaza con convertirse en una crisis diplomática internacional. El Consejo de Seguridad de la ONU se reunirá hoy con carácter de urgencia para tratar la cuestión. La Unión Europea y la Liga Árabe, que han condenado duramente el ataque, se movilizan para mantener reuniones de urgencia tras el asalto a la "Flotilla de la Libertad" en la que viajaban tres activistas españoles que según el Gobierno español se encuantran "bien". La reacción más comedida, sin embargo, se ha producido en EE.UU. La Casa Blanca ha mostrado su preocupación pero ha evitado condenar el ataque.

Por su parte, el primer ministro israelí, Benjamin Netanyahu, ha cancelado la visita que tenía que hacer mañana a la Casa Blanca para entrevistarse con el presidente Barack Obama.

El Consejo de Seguridad de la ONU, máximo órgano de decisiones de Naciones Unidas, se reunirá a partir de las 17.00 GMT, a petición de Turquía y Libano, país que hasta hoy ejerce la presidencia temporal de ese órgano.

Mientras crece la lista de países que han convocado a los embajadores de Israel, aún no se conocen las cifras exactas de la "masacre", como la ha definido el presidente palestino, Mahmud Abás, mientras que para Hamas se trata de un "crimen contra la Humanidad".

El Ejército israelí ha reconocido la muerte de diez activistas, pero medios locales cifran las víctimas entre 14 y 20 muertos, así como entre 30 y 60 heridos, en el asalto, llevado a cabo por miembros de una unidad de elite en aguas internacionales, a unas veinte millas de la franja palestina.

Testimonios desde los barcos hablan de que los soldados israelíes descendieron sobre las cubiertas desde helicópteros abriendo fuego, mientras las imágenes de televisión mostraban la evacuación de algún cadáver, una camilla ensangrentada y restos de sangre en el suelo de la embarcación, así como los soldados israelíes que la abordaron.

La portavoz del Ejército israelí, la comandante Avital Leibowitz, aseguró que los tripulantes abrieron fuego, trataron de apuñalar y lanzaron piedras a los soldados. El asalto a la flotilla, cuya principal responsable es la ONG turca IHH, ha causado una oleada de ira en Turquía, donde unas 10.000 personas protestaron en el centro de Estambul.

El Gobierno del primer ministro Recep Tayyip Erdogan, que ha cancelado una gira en Latinoamérica por el incidente, ha avisado de que el ataque tendrá "consecuencias" y ha pedido una reunión urgente del Consejo de Seguridad de la ONU, como lo ha hecho el Líbano.

Han confirmado reuniones extraordinarias los ministros de Exteriores de la UE, esta tarde, y los países miembros de la Liga Árabe, mañana.

El Vaticano expresó "gran preocupación" y "dolor" por "la inútil pérdida de vidas humanas", según su portavoz, Federico Lombardi. Francia y Alemania han mostrado su "conmoción" y han "exigido", como España e Italia, una investigación exhaustiva de lo sucedido, que también ha solicitado la jefa de la diplomacia europea, Catherine Asthon, además de pedir que se depuren responsabilidades.

Algunos miembros del Parlamento Europeo han ido más allá en su condena y han unido sus voces a las de varios mandatarios árabes y asiáticos para el desbloqueo inmediato de los accesos a Gaza. Así lo han hecho el presidente de Irán, Mahmud Ahmadineyad, y el emir de Qatar, jeque Hamad bin Jalifa al Zani, para quien "todos los que hablan de libertad, justicia y democracia están llamados ahora a hacer algo para romper este bloqueo para que no se pierda la sangre de estos mártires".

La Liga Árabe ha convocado para mañana una reunión de urgencia de su comisión permanente en El Cairo, tras calificar lo sucedido de "crimen" y de "acción terrorista". Para su secretario general, Amro Musa, el asalto es una "clara señal de que Israel no está preparado para la paz". En ese sentido, ha sorprendido que Abás, que ha decretado tres días de luto en los territorios palestinos, no suspendiera, sin embargo, las negociaciones indirectas que mantiene con Israel.

Por su parte, el jefe de Gobierno en Gaza del movimiento islamista Hamas, Ismail Haniye, convocó de urgencia a sus ministros y calificó el ataque de "brutal", mientras que la secretaría del grupo en Damasco instó a la reacción a la comunidad internacional y consideró cómplices a quienes no se pronuncian sobre esta "agresión atroz".

Tanto el ministro israelí de Defensa, Ehud Barak, como el de Exteriores, Avigdor Lieberman, han convocado esta mañana reuniones de urgencia, mientras el número dos de la diplomacia israelí, Dani Ayalón, responsabilizó de las muertes a los miembros de la flotilla. Ayalón dijo que los activistas respondieron a los soldados con armas y llegó a relacionar a los organizadores de la flotilla humanitaria con Al Qaeda.

Merkel insta a evitar una ola de violencia

Tras la intensa jornada de tensión y protestas, la canciller alemana, Angela Merkel, instó a evitar una escalada de violencia en Oriente Medio. En una comparecencia ante la prensa, Merkel dijo que había hablado por teléfono con el primer ministro israelí, Benjamin Netnuahu, y el primer ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, y había expresado ante ambos su preocupación por la situación. "He reiterado mi convicción de que hay que buscar el camino del diálogo y evitar una escalada de violencia", dijo Merkel. "Urge que Hamas reconozca el derecho a la existencia del estado de Israel pero también que Israel admita que el bloqueo a la franja de Gaza no es beneficioso", dijo Merkel. La canciller alemana, además, instó a que se haga una investigación imparcial que aclaré lo que ocurrió. "Naturalmente, se plantea la pregunta de la proporcionalidad de la reacción israelí", dijo Merkel.

Más tarde, la jefa de la diplomacia de la UE, Catherine Ashton, exigió al ministro de Exteriores de Israel, Avigdor Lieberman, que realice "de inmediato" una investigación para aclarar el trasfondo del ataque.

"Es una provocación"

El Ejército israelí informó en un comunicado que ellos no "atacaron" la flotilla humanitaria que se dirigía a la Franja de Gaza con ayuda humanitaria, sino que se limitaron a hacer cumplir la orden del Ejecutivo de Tel Aviv de impedir cualquier entrada no autorizada al enclave palestino. "No atacamos ningún barco, nos limitamos a hacer cumplir la orden del Gobierno israelí de impedir una entrada no autorizada en la Franja de Gaza que no se había coordinado con las autoridades israelíes", afirma el comunicado.

"Esta flotilla es una provocación que busca deslegitimar a Israel. Querían entregar en Gaza una carga que podrían haber enviado a través de Israel, como se hace diariamente", añadía el comunicado, recogido por CNN.

Desde mediados de 2007, cuando el Movimiento de Resistencia Islámico Hamas, al que Tel Aviv considera terrorista, se hizo con el poder en la Franja de Gaza, Israel somete a este enclave a un duro bloqueo naval y terrestre. A finales de 2008, en la operación 'Plomo Fundido, el Ejército israelí asesinó en torno a 1.300 palestinos de este territorio y provocó cuantiosos daños en sus infraestructuras básicas.

Israel ataca frota de ajuda a Gaza e mata ao menos dez

Visite Latuff no DeviantArt:

A Marinha de Israel atacou nesta segunda-feira uma frota de embarcações com ativistas pró-palestinos que tentavam furar o bloqueio à Faixa de Gaza e entregar suprimentos à região.

Segundo a TV israelense, pelo menos 10 pessoas teriam morrido. Em um comunicado, a Marinha de Israel disse ter respondido a disparos que partiram das embarcações durante a abordagem.

Em entrevista à rádio do Exército, o ministro da Indústria e Comércio de Israel, Binyamin Ben-Eliezer, disse lamentar as mortes.

A exata localização das embarcações é incerta. Israel teria advertido as embarcações para que não invadissem suas águas territoriais.

Mas, segundo os ativistas, os barcos estavam em águas internacionais, a mais de 60 quilômetros da costa.

Suprimentos

Os barcos, organizados pela ONG Free Gaza, levavam 750 ativistas e cerca de 10 mil toneladas de suprimentos para a Faixa de Gaza.

Imagens da TV turca feitas a bordo do barco turco que liderava a frota mostram soldados israelenses lutando para controlar os passageiros.

As imagens mostram algumas pessoas, aparentemente feridas, deitadas no chão. O som de tiros pode ser ouvido.

A TV árabe Al-Jazeera relatou, da mesma embarcação, que as forças da Marinha israelense haviam disparado e abordado o barco, ferindo o capitão.

A transmissão das imagens pela Al-Jazeera foi encerrada com uma voz gritando em hebraico: “Todo mundo cale a boca!”.

Leia a íntegra na BBC.

domingo, 30 de maio de 2010

Si algo no existe es el olvido


A través de la jerarquía católica Videla, Bignone, Riveros y un centenar de sus camaradas pidieron una amnistía el 25 de mayo. Mientras la Iglesia no asuma la responsabilidad de su gestión, el gobierno dejará el pedido sin respuesta. La masividad de los festejos del Bicentenario frustró esa Operación Amnistía y mostró una sociedad unida y alegre, sin espacio para estas vueltas al pasado. Hasta los jefes de Estado Mayor bailaron con la murga que cantaba “Militares Nunca Más”.

Por Horacio Verbitsky

La masividad de los festejos por el Bicentenario de la Nación Argentina desbarató la Operación Amnistía, impulsada desde un cuidadoso segundo plano por el Episcopado Católico. La solicitud del perdón fue transmitida al gobierno nacional por un obispo de esa iglesia y lleva las firmas de los ex dictadores Jorge Rafael Videla y Benito Bignone, el general Santiago Omar Riveros y el vicealmirante Hugo Siffredi, el comisario Miguel Etchecolatz y el sacerdote Christian von Wernich, el Turco Julián y El Nabo Barreiro, el ex jefe del Batallón 601 de Inteligencia del Ejército Carlos Tepedino y su especialista civil en organizaciones religiosas Julio Cirino, los miembros del grupo de tareas de la ESMA Raúl Scheller y Pablo García Velazco, los procesados por la masacre de Margarita Belén y un centenar de ex militares, marinos, policías, penitenciarios y agentes civiles de Inteligencia detenidos por su participación en crímenes de lesa humanidad. Como la jerarquía eclesiástica obvió el protocolo para entregar la solicitud al Ministerio de Relaciones Exteriores, Comercio Internacional y Culto, en forma extraoficial, sin una nota introductoria, el gobierno no le dará respuesta. Sólo contestará si el Episcopado se hace responsable de la solapada gestión que emprendió.

Leia a íntegra na Página/12.

sábado, 29 de maio de 2010

Allman Brothers "Ain't Wastin' Time No More" (Live-2003)

Para ver melhor, clique duas vezes e veja direto no Youtube:

Bolas de golfe e pneus para tentar conter vazamento


A petroleira britânica British Petroleum (BP) começou neste sábado a jogar uma mistura de bolas de golfe velhas, pedaços de pneus e cordas no poço de petróleo rompido no Golfo do México para tentar conter o vazamento que vem despejando milhares de barris de petróleo no mar desde o dia 20 de abril.

A empresa espera que a utilização desse material ajude a acelerar o processo de contenção do vazamento, já considerado o pior desastre ambiental da história dos Estados Unidos.

Leia mais na BBC.

Palestine: sexual assault and threats

Zdzislaw Beksinski (para acessar, desbloqueie os popups da página):

[Ramallah, 18 May 2010] – On 18 May 2010, DCI-Palestine submitted 14 cases to the UN Special Rapporteur on Torture for investigation. The submission relates to the sexual assault, or threat of sexual assault, of Palestinian children at the hands of Israeli soldiers, interogators and police between January 2009 and April 2010. The ages of the children range from 13 to 16 years.

DCI-Palestine is becoming increasingly alarmed at reports contained in sworn affidavits received from children that they are being subjected to sexual assault, or threat of sexual assault, in order to obtain confessions.

DCI-Palestine has reviewed 100 sworn affidavits collected from children in 2009, and in four percent of cases, children report being sexually assaulted, whilst in 12 percent of cases, the children report being threatened with sexual assault. The sexual assault and threats of sexual assault documented by DCI-Palestine include grabbing boys by the testicles until they confess and threatening boys as young as 13 years with rape unless they confess to throwing stones at Israeli settler vehicles in the occupied West Bank. DCI-Palestine suspects that these figures may understate the extent of the problem.

In one of the cases documented by DCI-Palestine, a 15 year-old boy recalls his experience after being arrested by Israeli soldiers from his family home at 2am, in September 2009: ‘While sitting on the ground near the truck, a person speaking Arabic approached me and grabbed my hands and ordered me to stand up and accompany him. He grabbed me so violently and pulled me. He forced me to walk with him for about 20 metres and I could see from under the blindfold that we stopped behind a military jeep. He slapped me hard twice and grabbed my testicles so hard and started pressing them. Then, he asked me whether I threw stones and Molotov cocktails and I said I did not. He started shouting and saying ‘liar, your mother’s a c**t.’ He started beating me all over my body and once again he grabbed my testicles and started pressing hard. “I won’t let go of your testicles unless you confess,” he said to me. I felt so much pain and kept shouting. I had no other choice but to confess to throwing stones.’

Each year around 700 Palestinian children are arrested, interrogated and prosecuted in the Israeli military courts. The most common charge is for throwing stones. The children are interrogated in the absence of a lawyer and family members and in 2009, over 80 percent of these children provided confessions after a coercive interrogation, of which 32 percent were written in Hebrew, a language few Palestinian children understand. Following their conviction in the military courts, the majority of these children are incarcerated inside Israel in contravention of Article 76 of the Fourth Geneva Convention.

DCI-Palestine is requesting that the Special Rapporteur investigates these and other reports relating to the apparent widespread and systematic ill-treatment of Palestinian children by Israeli authorities in the Occupied Palestinian Territory and to publish the findings.

For further information please see DCI-Palestine's latest report on Palestinian child prisoners.

MECA

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Prohibido y ya


Por Juan Gelman, para Página/12

Dentro de Israel y fuera de Israel. Dentro: los artículos de un proyecto de ley presentado a fines de abril en la Knesset, o Parlamento israelí, establecen la clausura o la imposibilidad de registro de las ONG locales “sospechosas de proporcionar información o estar involucradas en procesos contra oficiales o comandantes por violaciones del derecho humanitario internacional o por crímenes de guerra” (www.jnews.org.uk, 29410). Es la segunda ley que, con esos fines, se discute en la Knesset. El grupo ultranacionalista Im Tirtzu –Segunda Revolución Sionista–, por su parte, ha desatado una campaña contra estas ONG porque pretenden que esos crímenes sean juzgados fuera de Israel, ya que sus tribunales no procesan a los culpables. Otra muestra de la democracia israelí.

Fuera de Israel: The New York Times informa que el primer ministro Benjamín Netanyahu calificó “la ilegitimación de Israel en el exterior” de “amenaza estratégica fundamental” (www.nytimes.com, 5-4-10). El artículo cita las expresiones de un asesor directo del premier sobre las organizaciones de derechos humanos internacionales que, como Human Rights Watch, critican las políticas de Tel Aviv: el gobierno israelí –dijo– “dedicará tiempo y personal a combatir a esos grupos”.

Un atisbo de cómo se puede percibir en el documento titulado Building a Political Firewall Against Israeli Deslegitimization que el think tank israelí del Instituo Reit elaboró luego de un año de investigaciones con la participación de 100 expertos de Israel, EE.UU. y Gran Bretaña (www.reitinstitute.org, 27-4-10). En la web del organismo se definen sus propósitos: “Reut es un grupo político innovador que brinda apoyo estratégico a los líderes y decisores israelíes. No tiene fines de lucro, se radica en Tel Aviv, y son gratuitos los servicios que presta a personas con liderazgo, autoridad e influencia en los asuntos públicos de Israel”. Una síntesis del documento citado se presentó en una reunión del gabinete israelí con el título de “El desafío que la ilegitimación entraña para la seguridad nacional de Israel”.

Reut muestra preocupación por “la dura crítica global que ha padecido Israel” el año pasado en razón del informe Goldstone, preparado para las Naciones Unidas, que investigó la llamada “operación plomo fundido”, es decir, la acción armada israelí en buena parte realizada contra la población civil de Gaza y su infraestructura. No es que la critique, sólo comprueba, y señala que la crisis ilegitimadora “perjudica” la libertad de Israel para lanzar “duros” ataques militares de esa índole. Subraya la importancia crucial de que el gobierno israelí supere dicha crisis para recuperar su ilimitada facultad de actuar militarmente.

El documento divide en dos “las redes” que hostigan a Israel: la primera es la de la resistencia, que comprende a Irán, Hezbolá, Hamas, fracciones palestinas e islamitas, los terroristas, en suma. La segunda opera en la arena internacional “para negar a Israel el derecho a existir e incluye a individuos y organizaciones occidentales que la izquierda radical cataliza”.

Véase quiénes son estos ilegitimadores, según el Reut: los que censuran al gobierno israelí porque no cumple con el derecho internacional y evita que sus líderes políticos y militares sean sometidos a la justicia universal; los que califican de agresión, crímenes de guerra o crímenes contra la humanidad los ataques militares que Israel llevó a cabo contra los palestinos y países vecinos como el Líbano; los que tildan de “ilegales e inmorales” las asentamientos israelíes en los territorios palestinos ocupados; los que encuentran similitudes entre el sistema israelí y el régimen de apartheid; los que exigen que se ponga fin a la discriminación de los árabes israelíes; los que declaran que el bloqueo de Gaza es un castigo colectivo ilegal, y aun otros.

En el párrafo 108 del documento se afirma que toda retirada israelí de alguno de los territorios palestinos ocupados (desde hace 43 años) entregará una plataforma para actividades militares hostiles a Tel Aviv. Lo que llama la atención es que esta arremetida contra la presunta ilegitimidad de los otros no menciona las incontables resoluciones de la Asamblea General y del Consejo de Seguridad de las Naciones que establecen la ilegalidad y la ilegitimidad de la ocupación israelí de territorios palestinos y de Siria, resoluciones que Israel incumple sistemáticamente. Para no hablar de la cuarta Convención de Ginebra y de los tratados internacionales que prohíben la tortura y los tratos crueles y degradantes a la población civil.

En el párrafo 124 se recomienda “atacar”, “sabotear”, “hacer pagar un precio a los que atacan a Israel” en el exterior y montar “una contraofensiva” destinada a los ilegitimadores. Como defensa de la libertad de expresión es impecable. Y mejor abstenerse de criticar cualquier guerra, cualquier delito de lesa humanidad del gobierno de Tel Aviv. Quien lo haga busca “convertir a Israel en un estado paria socavando su legitimidad moral y aspira, en última instancia, a eliminar la ‘entidad sionista’”. Sic.

SERRA VAI FECHAR EMBAIXADAS BRASILEIRAS

Jacek Yerka:

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Um dia após o pré-candidato à Presidência da República José Serra (PSDB) ter dito que a Bolívia é cúmplice na entrada de cocaína no Brasil, o assessor de assuntos internacionais da Presidência, Marco Aurélio Garcia, acusou o tucano de ser o "exterminador do futuro" da política externa brasileira.

Garcia disse que ficou muito preocupado com a declaração de Serra.

"Fiquei preocupado sobretudo quando se aspira ser um primeiro funcionário de governo que tem que ter muita seriedade. Isso envolve o relacionamento com países vizinhos que temos relações. O presidente Serra está tentando ser o exterminador da política externa", disse Garcia a jornalistas em evento no Rio.

Segundo declaração do ex-governador de São Paulo, de 80 a 90 por cento da cocaína consumida internamente tem como origem a Bolívia.

O assessor da Presidência acusou Serra de tentar destruir as relações diplomáticas entre Brasil e Bolívia, dois fortes aliados no continente. "Ele já destruiu o Mercosul e quer destruir nossas relações com a Bolívia. Já chamou (o presidente do Irã) Mahmoud Ahmadinejad de Hitler", acrescentou.

Garcia acredita que a crítica generalizada de Serra indica que o tucano, se eleito, vai fechar embaixadas brasileiras no exterior.

"Acho que talvez ele esteja pensando que em uma política de cortes de despesas ele venha a fechar umas 20 ou 30 embaixadas de países aos quais ele está insultando no momento", afirmou Garcia.

"Isso não me parece prudente. Ele está brigando com tanta gente que não há outro caminho a não ser fechar as embaixadas".

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier; Edição de Carmen Munari)

Impunidade de crimes da ditadura é 'mancha moral do Brasil'


Eric Brücher Camara
Da BBC Brasil em Londres

O arquivamento da ação que questionava a abrangência da Lei da Anistia, no fim de abril, "é uma mancha na moral do Brasil", na avaliação de um porta-voz da Anistia Internacional entrevistado pela BBC Brasil nesta terça-feira.

Após o lançamento do relatório anual da organização não-governamental em Londres, o porta-voz Tim Cahill disse que o assunto "é fundamental" e só não foi detalhado no relatório anual porque ele foi fechado em dezembro de 2009 (o informe cobre o período de janeiro a dezembro).

"A impunidade não é coisa do passado. É preciso acabar com essa separação de que a vítima da classe média sendo torturado porque lutava por ideais políticos é diferente do jovem negro sendo torturado em uma instituição sócio-educacional. É preciso quebrar esse mito", disse Cahill.

Para o representante da Anistia Internacional, o arquivamento da reinterpretação da lei transmite a mensagem de que a violência oficial "é aceitável em certos casos".

"A mensagem que está sendo claramente enviada a policiais e delegacias é que quando o Estado tortura e mata não existe punição."

Violência policial

A violência policial, por sinal, é uma das críticas mais veementes no capítulo dedicado ao Brasil no novo relatório da ONG.

"A questão da segurança pública é o principal problema e a Lei da Anistia reflete uma realidade de que certos atos são aceitáveis", disse Cahill.

O documento da ONG afirma que em todo o país "houve relatos persistentes de uso excessivo da força, de execuções extrajudiciais e de torturas cometidas por policiais".

"Moradores de favelas ou de comunidades pobres, frequentemente sob o controle de grupos criminosos armados, foram submetidos a incursões policiais no estilo militar", afirma o relatório.

Os observadores da Anistia destacam que muitos policiais "na linha de frente" também foram mortos "no cumprimento do dever".

O estudo da ONG cita os casos específicos de projetos como as Unidades de Polícia Pacificadora, no Rio de Janeiro; o Pacto pela Vida, de Pernambuco; e as operações Saturação, em São Paulo.

'Autos de resistência'

O relatório destaca que estes projetos foram "bem recebidos por alguns setores da sociedade" e que ofereceram "alternativa aos métodos de policiamento repressivos e abusivos de antes", mas afirma que "moradores de algumas áreas reclamaram de discriminação".

Mas as críticas da organização se concentram nas ações cometidas fora destes projetos. O relatório criticou a descrição oficial de centenas de mortes cometidas por policiais como "autos de resistência", o que, segundo Tim Cahill, garante "impunidade automática" aos autores das mortes.

"Em contrariedade às recomendações do relator especial da ONU sobre execuções sumárias, arbitrárias ou extrajudiciais, e em contrariedade ao III Plano Nacional de Direitos Humanos."

"Centenas de homicídios não foram devidamente investigados e houve poucas ações judiciais, se é que houve alguma."

Outro caso específico citado no relatório foi o de incursões nas favelas de Acari e da Maré, no Rio de Janeiro, em que, moradores "relataram que as operações policiais violentas coincidiam regularmente com a saída das crianças da escola".

As milícias também mereceram destaque no relatório, já que teriam se aproveitado "de seu poder sobre as comunidades para obter vantagens econômicas e políticas ilícitas", além de "ameaçar a vida de moradores" e instituições do Estado.

"Juízes, promotores, policiais e um deputado estadual receberam repetidas ameaças de morte das milícias."

Política internacional

Os observadores da Anistia ressaltaram a política de "construção de uma aliança 'Sul'" do governo de Luiz Inácio Lula da Silva, embora critiquem que esse esforço tenha se dado "à custa do apoio a uma plataforma mais abrangente de direitos humanos".

De acordo com Tim Cahill, a política internacional de Lula preferiu não adotar uma posição contrária a países como Zimbábue, Irã e outros no Oriente Médio em organismos internacionais como o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.

"Com isso, o Brasil fragilizou o sistema de direitos humanos internacional. O país tem muito mais para contribuir internacionalmente e ao mesmo tempo assegurar o respeito aos direitos humanos no próprio país", disse Cahill.

Para a Anistia Internacional – que afirma ter enviado uma carta aos pré-candidatos à Presidência exigindo um posicionamento sobre a questão de direitos humanos – o saldo dos oito anos de governo Lula, no entanto, foi positivo.

"Houve avanços importantes como o reconhecimento de vários temas, a implantação de mecanismos de defesa dos direitos humanos, reformas na legislação e investimentos sociais, como o Bolsa Família, que melhoraram reduziram a desigualdade no país", afirmou.

O porta-voz da Anistia Internacional ressaltou entretanto que ao esbarrar em "interesses econômicos", o governo recua.

"Megaprojetos econômicos são feitos à custa de direitos humanos de povos indígenas, populações ribeirinhas", disse Cahill, citando os exemplos do projeto hidrelétrico de Belo Monte e de planos de construção no Rio de Janeiro e no Amazonas.

Direitos indígenas

O relatório da Anistia voltou a detalhar a situação dos indígenas brasileiros, destacada no relatório do ano passado, após os episódios de violência na reserva Raposa Serra do Sol.

Dessa vez, a decisão de março de 2009 do Supremo Tribunal Federal rejeitando a legalidade da reserva foi elogiada pela Anistia.

No entanto, o relatório denuncia problemas graves no Mato Grosso do Sul.

"O Estado continuou a ser foco de abusos graves contra os direitos humanos dos povos indígenas do Brasil. O governo estadual e o poderoso lobby dos produtores rurais fizeram uso dos tribunais para impedir a identificação de terras indígenas."

No entanto, a Anistia reconheceu avanços no reconhecimento de terras indígenas através da homologação de nove áreas em Roraima, Pará, Amazonas e Mato Grosso do Sul.

O relatório se baseou em observações realizadas durante os meses de janeiro a dezembro de 2009, com visitas de representantes da Anistia Internacional em maio e dezembro.

Sistema carcerário

No trecho dedicado ao sistema carcerário brasileiro, a Anistia volta a criticar o Brasil.

"Os detentos continuaram sendo mantidos em condições crueis, desumanas ou degradantes. A tortura era utilizada regularmente como método de controle, de humilhação e de extorsão", diz o documento.

Além disso, o relatório cita ainda a superlotação carcerária como "problema grave" e um aumento da violência nas prisões por causa do "controle dos centros de detenção por gangues".

Segundo a ONG, os relatos mais graves saíram do Espírito Santo.

"Houve denúncias de tortura, assim como de superlotação extrema e de utilização de navios (chamados 'microondas') como celas", afirma o documento.

terça-feira, 25 de maio de 2010

LULA INAUGURA A DIPLOMACIA DA NOVA ERA

JACEK YERKA:

Lula em sua fina percepção pelo novo, agiu coerentemente: não se pode isolar e castigar o Irã. Importa traze-lo à mesa de negociação, com confiança e sem preconceitos. Essa atitude de respeito trará bons frutos. E é a única sensata nesta nova fase da história humana.

O acordo alcançado por Lula e pelo primeiro ministro turco com o Irã a respeito da produção de urânio enriquecido para fins pacíficos possui uma singularidade que convem enfatizar. Foi alcançado mediante o diálogo, a mútua confiança que nasce do olho no olho e a negociação na lógica do ganha-ganha. Nada de intimidações, de imposições, de ameaças, de pressões de toda ordem e de satanização do outro.

Essa era e continua a sendo a estratégia das potências militaristas e imperiais que não se dão conta de que o mundo mudou. Elas estão encalacrados no velho paradigma do big stick, da negociação com o porrete na mão ou da pura e simples intervenção para a qual tudo vale, a mentira deslavada como no caso da guerra injusta contra o Iraque, a violência militar mais sofisticada contra um dos países mais pobres do mundo como o Afeganistão ou os conhecidos golpes armados pela CIA em vários paises, nomeadamente na América Latina.

Curiosamente, esta estratégia nunca deu fruto nenhum em nenhum lugar. Os USA estão perdendo todas as guerras, porque ninguém vence um povo disposto a dar a sua vida e até suscitar "homens-bomba" para enfrentar um inimigo armando até os dentes mas cheio de medo e exposto à vergonha e à irrisão mundial. O que conseguiram foi alimentar raiva, rancor e espírito de vingança, fermento de todo o terrorismo.

A maior ameaça para estabilidade mundial hoje são os EUA pois a ilusão de serem "o novo povo eleito" - pois assim reza o "destino manifesto" que os neocons, muito fortes, como Bush, acreditam piamente - faz com que se sintam no direito de intervir em todo o mundo. Pretendem levar os direitos humanos quando os violam vergonhosamente, querem impôr a democracia quando, na verdade, criam uma farsa, visam abrir o livre mercado para suas multinacionais para que livremente possam explorar a riqueza do pais, seu petróleo e seu gás.

A diplomacia de Lula se contrapõe diretamente àquela do Conselho de Segurança e a de Barack Obama. A de Lula olha para frente e se adequa ao novo. A de Barack Obama olha para traz e quer reproduzir o velho.

O paradigma velho supõe que haja uma nação hegemônica e imperial, no caso o USA. Esta se rege pelo paradigma do inimigo, bem na linha do teórico da filosofia política que fundamentou os regimes de força como fez com o nazismo, Carl Schmitt(+1985). Em seu livro “O Conceito do Político” claramente diz:"a existência política de um povo depende de sua capacidadede definir quem é amigo e quem é inimigo..o inimigo deve ser combatido e psicologicamente deve ser desqualificado como mau e feio". Não fez exatamente isso Bush chamando os paises donde vinham os terroristas de "paises canalhas" contra quem se deve fazer uma "guerra infinita"? Éssa argumentação é sistêmica e funciona ainda hoje na cabeça dos dirigentes norteamericanos. Políticas inspiradas nesse paradigma ultrapassado podem levar a cenários dramáticos com o sério risco de destruir o projeto planetário humano. Esse paradigma é belicista, reducionista e míope pois não percebe as mudanças históricas que estão ocorrendo na linha da fase planetária da história que exige estratégias de cooperação visando proteger a Terra e cuidar da vida.

O paradigma novo, representado por Lula, assume a singularidade do atual momento histórico. Mudou nossa percepção de fundo: somos todos interdependentes, habitando juntos na mesma Casa Comum, a Terra. Ninguém tem um futuro particular e próprio. Surge um destino comum globalizado: ou cuidamos da humanidade para que não se bifurque entre os que comem e os que não comem e protegemos o planeta Terra para que não seja dizimado pelo aquecimento global ou então não teremos futuro algum. Estamos vinculados definitavamente uns aos outros.

Lula em sua fina percepção pelo novo, agiu coerentemente: não se pode isolar e castigar o Irã. Importa traze-lo à mesa de negociação, com confiança e sem preconceitos. Essa atitude de respeito trará bons frutos. E é a única sensata nesta nova fase da história humana. Lula aponta e inaugura o futuro da nova diplomacia, a única que nos garantirá a paz.

Leonardo Boff, teólogo brasileiro

SAPO

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Novo currículo para os alunos do Texas

Cena do Filme The Wall (Pink Floyd):

Alessandra Correa, para BBC

Uma decisão anunciada nesta sexta-feira reforçou a imagem que muitos americanos têm do Texas como um dos Estados mais conservadores do país.

Depois de meses de polêmica e protestos, o Conselho de Educação do Estado aprovou uma revisão dos currículos de Estudos Sociais e História nas escolas públicas.

Muita gente não gostou da mudança e diz que é resultado da influência de uma ala republicana religiosa no conselho e que vai politizar o ensino e impor visões conservadoras.

Uma das modificações prevê que os professores do Texas deem maior ênfase ao ensino dos benefícios do sistema de livre mercado americano.

Outra proposta é a de que as aulas ressaltem como os ideais americanos beneficiam o mundo, enquanto organizações como a ONU podem representar uma ameaça às liberdades individuais.

A revisão no currículo das escolas texanas ocorre a cada dez anos. Isso significa que as mudanças aprovadas nesta semana só poderão ser modificadas daqui a uma década.

A preocupação dos críticos dessa reforma é também de que as mudanças possam respingar em outros Estados, já que, com quase 5 milhões de alunos, o Texas tem grande influência na indústria de livros didáticos do país.

Única cervejaria da Cisjordânia enfrenta barreiras de Israel


Uma família dos EUA abriu a única cervejaria da Cisjordânia, mas as barreiras impostas por Israel dificultam o negócio da cerveja Taybeh. Por exemplo, uma viagem até Jerusalém leva 20 minutos, mas a série de barreiras obriga os entregadores a fazerem o trajeto em até um dia inteiro.

Veja mais AQUI.

"CERVEJEIROS DO MUNDO, UNI-VOS!"

domingo, 23 de maio de 2010

Africa, Africa


Por Juan Gelman, para Página/12

Maniobras conjuntas de las fuerzas armadas de EE.UU. y de 22 países africanos y europeos, entrenamiento impartido por marines a tropas de Liberia, Ghana y Senegal, libre acceso del Pentágono a puertos y aeropuertos de Kenia, Etiopía, Marruecos, Namibia, Santo Tomé y Príncipe, Senegal, Túnez, Uganda y Zambia, operaciones encubiertas en Somalia y otras naciones. El Comando Africa de EE.UU. (Africom, por sus siglas en inglés) está a cargo de estas actividades, y aun otras, con el propósito declarado de combatir al terrorismo mediante sus relaciones militares con los 53 países del continente negro (www.africom.mil). En realidad, este interés comenzó en Washington antes del 11/9.

El entonces vicepresidente Dick Cheney mantuvo en mayo de 2001 una reunión secreta con asesores y representantes de los megapolios petroleros que hizo pública días después. Se emitió un comunicado en el que se recomendaba al presidente que asignara a las secretarías de Estado, de Energía y de Comercio la tarea “de profundizar los compromisos bilaterales y multilaterales (con los países africanos) a fin de promover la creación de un ambiente receptivo para las inversiones y operaciones comerciales estadounidenses de petróleo y gas natural”. (www.whitehouse.gov/energy, 21-5-01). Y aún antes, el republicano Ed Royce se ocupaba del tema en su calidad de presidente del Subcomité para Africa de la Cámara de Representantes: “El Subcomité examinó el tema en una audiencia realizada en 2000. Es de interés nacional diversificar nuestras fuentes de abastecimiento de petróleo. La expansión de la producción energética africana atiende ese interés” (www.accra-mail.com, 30-3-10). La “guerra antiterrorista” de W. Bush vino después.

El Instituto de Estudios avanzados políticos y estratégicos (Iasps, por sus siglas en inglés) –un think tank israelí con asiento en Jerusalén y una filial en Washington– desempeñó un papel protagónico en la instauración del Africom: en enero de 2001 convocó un simposio en Washington que recomendó la creación de un subcomando estadounidense para garantizar la seguridad regional (www.iasps.org, 16-5-01), es decir, la seguridad de las inversiones petroleras. En Angola –un ejemplo– la Chevron controla el 75 por ciento de la producción de oro negro. Y el Iasps estima que hacia el 2015, un 25 por ciento del consumo de EE.UU. de energía fósil provendrá de Africa. Esto explica algunas cosas.

El presupuesto del Africom aumentó de 50 millones de dólares en el año fiscal 2007 a 310 millones en 2010 sólo en el rubro de gastos corrientes. La ayuda militar a los países africanos es otro apartado: “El Africom está invirtiendo miles de millones de dólares en entrenamiento y armas. Se calcula que esa inversión no será inferior a los 20.000 millones en 2010 y beneficiará a los ejércitos de muchos regímenes represivos” de Africa (www.accra-mail.com, 30-3-10). En esto consiste la “invasión tranquila” de EE.UU., al decir de un periódico nigeriano (www.vanguardngr.com, 30-9-02). Es una tranquilidad que intranquiliza: a pesar de haber condenado a Sudán por el genocidio de Darfur, Washington trasladó clandestinamente a EE.UU. al jefe del espionaje sudanés, el mayor general Abdallah Gost, para que asesorara a la CIA sobre los intereses militares norteamericanos en el Cuerno de Africa (//articles.latimes.com, 29-4-05). Ocurrió mientras el mayor general era un “wanted” de la Corte Penal Internacional por delitos de lesa humanidad. La lucha del Pentágono y la Casa Blanca para que la libertad y la democracia imperen en el mundo entero tiene, en verdad, ribetes muy peculiares.

El continente negro produce hoy más de 4 millones de barriles de petróleo diarios, tanto como Irán, Venezuela y México juntos. En diez años, el incremento de su producción fue del 36 por ciento, contra el 16 por ciento en el resto del mundo. Sudán, Nigeria, Angola, Congo, Gabón, Guinea Ecuatorial, Chad y otros poseen alrededor del 10 por ciento de las reservas mundiales de crudo y, para EE.UU., ofrecen dos ventajas: salvo Nigeria, ninguno de esos países forma parte de la OPEP; y luego, las crisis que padecen están exentas de las complicaciones de un Medio Oriente inconquistable.

Etiopía invadió Somalia en el 2006 so capa de una influencia creciente del extremismo musulmán allí. El Africom proporcionó apoyo logístico, dinero, supervisión y entrenamiento a las tropas etíopes para una operación más bien destinada a garantizar la futura explotación de las reservas de petróleo somalíes, que se consideran ingentes. No hubo soldados estadounidenses en el campo de batalla, pero no hacía falta: fue y es una guerra a cuenta del Pentágono.

Fuerzas de Uganda, la República Democrática del Congo y el sur de Sudán

atacaron en el 2008 un reducto de los rebeldes del Ejército de Resistencia del Señor en un parque nacional congolés: 17 asesores del Africom participaron en el planeamiento del operativo y abastecieron a las tropas ugandesas de celulares y un millón de dólares en gasolina (www.nytimes.com, 7-2-09). Quedó claro que esta presunta acción antisubversiva se limitó a despejar el terreno de los yacimientos petrolíferos.

Hay más que petróleo y gas natural en los países africanos: el Congo acumula el 80 por ciento de las reservas mundiales de cobalto, elemento clave para la industria electrónica. El Africom se encarga de que nunca falte a las empresas occidentales del ramo.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

EUA ANUNCIAM FECHAMENTO DE EMBAIXADA NO BRASIL

JACEK YERKA:

A Casa Branca comunicou nesta quinta-feira, 20, que irá fechar sua representação diplomática no Brasil. A medida foi adotada durante reunião de mais de três horas entre a chefe do Departamento de Estado, Hillary Clinton, e o embaixador no Brasil, Thomas Shannon.

O encontro, segundo a reportagem apurou, ocorreu sob forte tensão e com acusações de Hillary a Shannon. Hillary teria chegado a dizer que Shannon se comportou feito “uma mocinha comunista” durante a negociação do acordo na área nuclear entre Brasil, Irã e Turquia. “Você não é um patriota. A América (sic) paga seu salário para ficar aí, no meio dessa horda de subdesenvolvidos, sem fazer nada”, teria afirmado a dama-de-ferro durante o encontro em Washington.

Shannon, na saída da reunião, confirmou o fechamento da embaixada e dos consulados dos Estados Unidos em território brasileiro e ressaltou que o acordo Brasil-Irã teve papel fundamental na decisão, mas negou que tenha sido ríspido o tom da conversa com Hillary.

A conclusão, segundo disse o embaixador, é de que já não faz sentido ter representações diplomáticas em um país no qual os Estados Unidos estão amplamente representados. “Você viu como a Globo, a Folha e o Estadão se comportaram durante essa história do acordo? Afirmando que a proposta do Brasil nem era tudo isso e que o Irã é um baita mentiroso? Nem um comunicado do Departamento de Estado seria tão favorável aos interesses da Casa Branca. Logo, perdeu sentido que eu continue por aqui. Vou ter de procurar outro emprego. Pior que de editorialista não dá: o Brasil está cheio”, afirmou, claramente abatido, aos jornalistas presentes à saída do encontro.

Serviço

A partir de 1º de junho, os brasileiros que desejarem tirar passaporte ou gozar de qualquer outro serviço diplomático devem se dirigir aos seguintes lugares:

- Folha de S. Paulo
- O Estado de S. Paulo
- O Globo
- Qualquer emissora da Rede Globo em território nacional.

João Peres é jornalista e colunista do Nota de Rodapé. Este texto é uma crônica, portanto, aos que acham que é verdadeira a notícia, a piada irônica teve o efeito desejado.

Visite NOTA DE RODAPÉ
Visite HUPPER, O SÁTIRO

Medicamentos Genéricos impulsionam indústria brasileira


Segmento completa 11 anos no Brasil e promete mais desenvolvimento econômico e tecnológico para este ano

As indústrias farmacêuticas e a economia brasileira comemoraram nessa quarta-feira (20) os 11 anos de Medicamentos Genéricos. Este ano as patentes dos medicamentos mais vendidos (blockbusters) começam a cair. Entre eles a do Viagra que deve expirar em junho. Segundo informações da Pró-Genéricos, a patente de outros 23 medicamentos deve cair até 2011. Para o Laboratório Teuto, pioneiro na produção de Medicamento Genéricos - registrou em 2001 o Sulfato de Salbutamol, isso significa maior competitividade no mercado e mais investimento em tecnologia e pesquisa.

"Em geral a queda de uma patente traz ao mercado produtos mais baratos e facilita o acesso a uma maior parte da população. Desta forma, o governo também tem condições de adquirir mais medicamentos e levar a mais pessoas. É uma reação em cadeia que se resume em um grande aumento de mercado", comenta Rodrigo Macedo, do departamento de Negócios e Mercado do Laboratório Teuto. Em 11 anos o brasileiro já economizou R$ 13.7 bilhões.

Dados da Pró-Genéricos apontam que os medicamentos genéricos são, oficialmente, no mínimo 35% mais baratos que os medicamentos de referência. Na prática, na venda ao consumidor são em média 50% mais baratos. Além disso, o segmento gerou investimentos próximos de US$170 milhões na construção e modernização de plantas industriais no Brasil.

Rodrigo destaca ainda que esta nova fase dos Genéricos no país pode dobrar ou triplicar o crescimento do mercado. "Como foi o caso da Sibutramina em 2006 em que o mercado da droga dobrou de tamanho quatro vezes até 2010", disse.

No Laboratório Teuto o crescimento do Genérico Teuto apenas no último ano, comparando os meses de janeiro-abril de 2009 e 2010 foi de 35%. Para 2010 a meta é de crescer 100% em relação a 2009. A previsão da Pró-Genéricos é que neste ano sejam gerados em torno de 354 milhões de dólares em investimentos no país.

O programa serviu também para o fortalecimento da indústria brasileira. Hoje, entre as seis maiores empresas farmacêuticas quatro são brasileiras.

Autor: Race Comunicação
Fonte: SISSAÚDE

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Mortes na ditadura levam Estado brasileiro pela primeira vez a júri internacional

Foto de 1968 mostra detenção de suspeito durante a ditadura brasileira:

Familiares tentam desde 1982 obter informações sobre o desaparecimento de militantes da Guerrilha do Araguaia. Briga chega agora à Corte Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos.

O Estado brasileiro vai ao banco dos réus pela primeira vez na Corte Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA). A queixa se refere a uma fase antiga da história, mas com capítulos ainda secretos: o desaparecimento de guerrilheiros durante a ditadura militar, em vigor entre 1964 e 1985. Os julgamentos acontecem nesta quinta e sexta-feira (20 e 21/05), em São José da Costa Rica.

O governo brasileiro é acusado pelo desaparecimento forçado de pelo menos 70 pessoas, pela impunidade dos crimes e pelo não-esclarecimento da verdade sobre o que aconteceu com a Guerrilha do Araguaia. A decisão da Corte deve ser apresentada em até sete meses.

Entre as testemunhas a favor do governo estão o ex-ministro da Justiça José Gregori e o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Paulo Sepúlveda Pertence e, como perito, o ministro Gilson Dipp, corregedor do Conselho Nacional de Justiça.

A Corte foi acionada em 1995 e aceitou o processo um ano depois. Os familiares dos guerrilheiros são representados pelo Centro pela Justiça e o Direito Internacional, pelo Grupo Tortura Nunca Mais, do Rio de Janeiro, e pela Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos de São Paulo.

As representantes das vítimas pedem que a corte determine que o Estado brasileiro investigue e processe os perpetradores das violações, determinando as responsabilidades. E que, para tanto, deixe de usar a lei de anistia que impede a investigação dos fatos e a confirmação dos responsáveis pelas graves violações aos direitos humanos

Histórico da luta judicial

Segundo o relatório da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, o governo brasileiro, desde a manifestação no processo recebido em 26 de junho de 1996, reconhece a responsabilidade pelos fatos denunciados. No entanto, o Estado alega que há recursos internos ainda não esgotados.

Em 1982, diante da omissão do Estado e à falta de informação sobre os desaparecidos, 22 familiares representando 25 vítimas iniciaram uma ação na Justiça Federal brasileira. Eles cobravam a localização e o traslado dos restos mortais das vítimas, além do esclarecimento das circunstâncias de seus desaparecimentos.

Diante da demora do processo, os familiares então resolveram acionar a Comissão Interamericana de Direitos Humanos. O governo brasileiro, por outro lado, alegou para a Comissão que o procedimento judicial iniciado em 1982, embora leve muitos anos, está tendo seu trâmite regular – segundo as normas brasileiras.

Ainda em 1995, a aprovação da lei 9.140 reconheceu os desaparecidos políticos como mortos e concedeu indenização de 100 a 150 mil reais para familiares das vítimas. Mas a punição dos culpados, segundo explicação oficial dada à Comissão, é impossibilitada segundo a Lei de Anistia, adotada em 1979 e ainda em vigor.

Guerrilha do Araguaia

As operações do governo militar para erradicar a chamada Guerrilha do Araguaia aconteceram entre 1972 e 1975. A região, próxima ao rio Araguaia, na divisa entre os estados do Pará, Maranhão e Tocantins, abrigava homens e mulheres ligados ao Partido Comunista do Brasil (PC do B), e camponeses locais que optaram pela luta armada.

Naquele período, os agentes da ditadura foram responsáveis por detenções ilegais e arbitrárias, torturas (muitos tiveram mãos e cabeças cortadas), execuções sumárias e desaparecimentos forçados, constituindo em graves violações aos direitos humanos.

Há 18 anos, os familiares dos desaparecidos brigam na Justiça para esclarecer as mortes, bem como a localização dos restos mortais e os respectivos atestados de óbito daqueles militantes.

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Roselaine Wandscheer

Deutsche Welle

quarta-feira, 19 de maio de 2010

FRASES


''Vou ficar uma jaguatirica''

Marina Silva


''Indicação de Temer não vale dois mil réis''

Pedro Simon


Comentário do Blog: Caso o Senador fosse o indicado, certamente essa indicação valeria bem mais. Talvez até 30 moedas de prata. Não sei como está a cotação de jaguatiricas porém, se fosse o caso, poderia até comprar uma com esse dinheiro. Não que seja necessário fazer isso.

terça-feira, 18 de maio de 2010

Brasil quer integrar grupo que negocia com Irã

Foto de Nagasaki após bomba atômica norte-americana:

Anelise Infante
De Madri para a BBC Brasil

O assessor da Presidência para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia, reivindicou nesta terça-feira a participação do Brasil e da Turquia no grupo de países que tem liderado as negociações com o Irã, o chamado P5 + 1 (Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, China, Rússia e Alemanha).

Segundo Garcia, Brasil e Turquia fizeram mais do que os seis países do bloco nas recentes negociações com Teerã sobre o programa nuclear iraniano. "Brasil e a Turquia fizeram o esforço que eles (5+1) não fizeram", afirmou.

O assessor do presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ainda que o país e a Turquia participaram do acordo de Teerã "em todas as negociações" e usou uma metáfora de futebol para se referir ao pedido.

"Em linguagem de futebol, é um 5+1+2. Só que nesse time não tem atacante", disse.

Sanções

Nos Estados Unidos, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, anunciou nesta terça-feira que seu país chegou a um consenso com Rússia e China para uma resolução na ONU prevendo mais sanções contra o Irã.

Ao comentando a possibilidade de as sanções serem aprovadas, Garcia afirmou que o Irã não se deixará intimidar.

"É ilusão pensar que um país como o Irã vai se deixar abater cinco minutos por uma sanção", disse.

Marco Aurélio Garcia reforçou a afirmação do ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, que disse na segunda-feira que o pacote de sanções já estava preparado antes da reunião de Teerã.

"A posição dos americanos era, sim, a negociação, mas depois das sanções", afirmou.

Risos

Garcia também comentou a atuação do presidente Lula na cúpula União Europeia, América Latina e Caribe, que terminou na tarde desta terça-feira em Madri.

Segundo o assessor, o presidente provocou risos durante a reunião quando comparou a crise econômica mundial com o vulcão que provocou caos nos aeroportos europeus nas últimas semanas.

"Ele (Lula) disse que a crise ainda não acabou. É como o vulcão: quando todo mundo pensa que terminou, ele irrompe de novo", disse o ministro.

Fora das sessões plenárias, o presidente teve encontros bilaterais com os chefes de Estado da França e da Grécia.

Com o primeiro-ministro grego, George Papandreou, que visitará o Brasil no fim de maio, Lula teve também dois momentos de descontração.

Ao ouvir os detalhes da crise econômica da Grécia, o presidente comentou, segundo Marco Aurélio Garcia, que "a direita apronta uma grande confusão e, depois, a esquerda é que tem que limpar a sala".

Papandreou teria pedido um conselho a Lula para sair da crise, em tom de brincadeira, segundo relato do assessor do presidente. Lula teria achado graça na pergunta e respondido: "Quem sou eu para dar conselho?"

Grife japonesa apresenta sutiã que vira vaso de planta


Para fabricante Triumph, modelo cria familiaridade com a agricultura

por Redação Made in Japan

A fabricante japonesa de sutiãs Triumph International é conhecida por seus modelos “conceituais”. Eles já lançaram sutiãs-urna-de-votação, sutiãs-sacola e até sutiã-que-vira-pista-de-golfe. A novidade da vez é um sutiã que se transforma em vaso para cultivar arroz.

O modelo foi apresentado quarta-feira 12, em um evento da grife, em Tóquio. Segundo a fabricante, o sutiã permite à usuária “cultivar arroz a qualquer momento e em qualquer lugar”.

Ainda de acordo com a fabricante, a intenção é fazer com que as pessoas se tornem mais familiares com o plantio, além de aumentar a consciência sobre a importância da agricultura.

Candidata do PV à Presidência defende privatizações de FHC


A presidenciável do PV, Marina Silva, disse ontem, durante almoço com empresários em São Paulo, que as privatizações feitas no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) foram tão "acertadas" que o presidente Lula, depois que assumiu o governo, não revogou nenhuma. A pré-candidata fez ressalvas quanto à transparência no processo de privatização, mas afirmou que o "princípio" das privatizações do governo anterior está correto. "A sociedade brasileira já chegou a um nível de maturidade, que ela foi capaz de receber e aceitar as privatizações como um dado de realidade muito positivo." Durante o evento, Marina estava ao lado do empresário Guilherme Leal, sócio da Natura, seu vice.

Correio do Povo

Nota do Blog: Para quem tinha dúvidas a respeito do lado escolhido pela ex-ministra.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Inglaterra suspeita de compra de árbitros pela Espanha na Copa


Londres, 16 mai (EFE).- Espanha e Rússia buscam um acordo para subornar árbitros durante a Copa da África do Sul, segundo teria afirmado o presidente da federação inglesa (FA), David Triesman, em uma gravação obtida pelo jornal "The Mail on Sunday".

O jornal publica o conteúdo de uma fita de uma hora de duração, gravada ocultamente por uma ex-amante e ajudante de Triesman. A veracidade do áudio ainda não foi confirmada pela FA.

Na gravação, é possível ouvir Triesman sugerir que a Espanha teria oferecido abrir mão da candidatura para receber a Copa de 2018 em troca de que a Rússia, que também tenta ser sede do Mundial, lhe ajude a comprar árbitros na África do Sul.

"Há algumas evidências de que as autoridades do futebol espanhol estão tentando identificar os árbitros (...) e pagar a eles", afirma o chefe da FA, que explica o suposto acordo com a Rússia ao falar das chances da Inglaterra de ser sede em 2018.

Segundo ele, se a Espanha abrir mão da disputa por 2018, "por estar buscando ajuda dos russos para subornar árbitros do Mundial", seus votos iriam para a própria Rússia.

Nesse ponto, Melissa Jacobs, que estava com Triesman, pergunta se a Rússia ajudaria a Espanha com isso. "Acho que a Rússia chegaria a um acordo", afirma o presidente da FA.

O "Mail on Sunday" diz que a federação inglesa tentou, poucas horas antes da divulgação, que a Justiça apreendesse a gravação.

A "BBC" informa que, no entanto, a FA já enviou cartas de desculpas às federações espanhola e russa, assim como ao presidente da Fifa, Joseph Blatter.

sábado, 15 de maio de 2010

La inseguridad es un discurso


El psicoanalista Guillermo Greco examina las reacciones sociales en torno del fenómeno (discursivo) de la (in)seguridad. La conformación del “nosotros” y “ellos”. La visión clasista. Los derechos humanos.

Por Guillermo Greco*, para Página/12

Decir que la inseguridad es un discurso implica sostener que no es un sentimiento natural, respuesta subjetiva espontánea e inmediata al hecho delictivo objetivo. A diferencia de los animales, que identifican instintivamente a su alimento, a su pareja sexual y a las amenazas a la supervivencia, los seres humanos nos relacionamos con esas realidades, con los placeres y sufrimientos que nos ocasionan, por la mediación del lenguaje. Es por eso que hay comida china o francesa, perversiones o inhibiciones sexuales, valentía ante el peligro o miedo a la oscuridad o a insectos insignificantes. Quienes investigan o simplemente hablan sobre el sentimiento de inseguridad confirman lo que estoy planteando, ya que lo identifican, es decir, lo confunden, a veces, con discursos ideológicos, otras con posiciones políticas de derecha, también con manifestaciones psicopatológicas (fobias, obsesiones, delirios), con estadísticas criminológicas y de victimización o con un discurso de sentido común en relación con el riesgo. Lo único que le da unidad a esta diversidad fenomenológica es la demanda de seguridad dirigida al Estado.

Inseguridad y delito. Ellos y nosotros

En nuestro país la inseguridad siempre está referida al delito, especialmente al robo-asesinato y a la violación-asesinato. Esos delitos le permiten construir, al Discurso de la Inseguridad, un conjunto, un nosotros, a partir de un rasgo que nos identifica: “Todos podemos ser víctimas”, todos padecemos una amenaza que nos es ajena, exterior y referida al futuro probable y no al delito ya ocurrido, al riesgo de ser víctima y a la impotencia de acotar ese riesgo o, lo que es lo mismo, a la impotencia de acotar el poder del delincuente. Las personas que se sienten en riesgo tienen la certeza de que tarde o temprano, sin necesidad de hacer cálculos de probabilidad, serán víctimas. Y éste es el principal logro del discurso de la inseguridad; nos convenció de que estamos en riesgo sin ninguna valoración de las probabilidades.

Ellos, los otros, los victimarios, son los que transgreden la ley y pisotean el bien común, el orden, la paz, el progreso y hasta la vida misma. El problema es que ellos, los delincuentes, no son sólo los declarados culpables por la Justicia, sino también los sospechosos de haber cometido algún delito y los que por cualquier motivo nos intimidan. A decir verdad, no les tenemos miedo porque son delincuentes, sino que, porque les tenemos miedo, creemos que son delincuentes. De allí la importancia de las contravenciones. Ellas nos permiten identificar y perseguir preventivamente a la amenaza: a ellos, los que tienen costumbres, hábitos o estilos que no se corresponden con los standards estéticos y morales que impone el sentido común.

Delitos como la violencia doméstica, el gatillo fácil, la trata de personas, la venta de medicamentos truchos y tantos otros no son considerados porque no contribuyen a la construcción de la oposición nosotros/ellos. Lo mismo vale para los accidentes de tránsito, la pérdida del trabajo o la falta de cobertura médica.

En otros contextos políticos, la amenaza a la seguridad fue identificada con el comunismo, lo que hoy nos permite establecer comparaciones entre el Discurso de la Inseguridad y la Doctrina de la Seguridad Nacional. En otras latitudes, la inseguridad está referida a la inmigración, al terrorismo o a los carteles de la droga. En nuestro país, a pesar de los atentados a la AMIA y a la Embajada de Israel, no está instalada en la opinión pública la inseguridad en relación con el terrorismo, ya que quienes corren el riesgo de nuevos atentados, se supone, no somos “todos”, sino solo los que están ligados a instituciones de la comunidad judía.

La ley y los objetos

“¡Ya no se puede salir a la calle!”, se dramatiza. El discurso de la inseguridad destaca lo que falta y denuncia la impotencia de la ley, de la ley escrita y de la fuerza de la ley, la materializada en jueces, policía y sistema penitenciario, la que debiera proveernos de lo que tanta falta nos hace. Blumberg, un padre que por siempre llorará a su hijo asesinado, se sintió llamado a restaurar el imperio de la ley pero... hubo un problema. Se identificó con un título falso y la sociedad lo abandonó. No podía ser de otro modo. ¿Cómo iba a restaurar la ley un padre que la violaba? Ahora bien: ¿fue esto una contingencia propia de este país que no es normal o un aviso de que todos los padres están fallados y de que la ley nunca será lo suficientemente eficaz? ¿Qué pensará el rabino Bergman? El, que tiene un lazo particular con Dios, nos advierte: “Se puede obtener la seguridad que nos falta, pero hay que pagar un precio, debemos perder la libertad”. El discurso de la inseguridad en relación con el delito, la inmigración o el terrorismo, entonces, no es más que el síntoma de la imposibilidad que afecta al Estado, gobierne quien gobierne, de garantizar plenamente el orden y la seguridad. Ejemplo: el atentado a las Torres Gemelas. De todos modos, hay que reconocer que la derecha sabe qué hacer con las fallas de la ley.

Mientras tanto, la prolífica triple alianza integrada por el capital, la ciencia y la técnica suple las insuficiencias de la ley con la producción de infinitos objetos que se ofrecen en el mercado con la promesa de que su consumo permitirá el disfrute de la tan ansiada seguridad: alarmas, blindajes, circuitos cerrados de televisión, rejas, armas, etcétera.

Inseguridad y derechos humanos

Desde ese vasto movimiento social, político y cultural que se merece un nombre más digno que el de centroizquierda o progresismo, se han ensayado distintas respuestas, hasta ahora, infructuosas. Bajo el supuesto de que la inseguridad es un fenómeno subjetivo, reacción al delito en tanto hecho objetivo, algunos funcionarios del Gobierno intentan combatirla con la difusión de verdades estadísticas que indican que la tasa de los delitos ocurridos en nuestro país ha disminuido o que es igual o menor a las de otros países. Pues bien. Es inútil, totalmente inútil. Alcanza con que un par de ricos y famosos exhiban impúdicamente su miedo en las pantallas de televisión para que las estadísticas se disuelvan como una lágrima en el mar. Es que la eficacia política del sentimiento de inseguridad es inmune a la incongruencia o la irracionalidad.

Son legión quienes dicen que la causa de la delincuencia y por consiguiente de la inseguridad es la exclusión social, la pobreza, el desempleo. Para confirmar esta tesis nos recuerdan que los pobres son los habitantes preferenciales de las cárceles. Esto es verdad, pero ¿acaso no se debe a que ellos cuentan con menos recursos simbólicos y económicos para defenderse, no sólo de la policía y la Justicia, sino también de una sociedad que está dispuesta a sacrificar una parte de sí misma para apaciguar a dioses oscuros? Los delincuentes no son necesariamente pobres ni los pobres están condenados a ser delincuentes. El delito es una creación de la ley. El aborto o la eutanasia pueden ser un delito o un derecho, según lo que establezca la voluntad del legislador. Calumnias e injurias eran un delito y dejaron de serlo porque los legisladores así lo decidieron.

Esta teoría clasista del delito nos impide reconocer que las víctimas no son sólo los burgueses. Los trabajadores y los desempleados también son poseedores de riquezas y victimas de robos, violaciones y asesinatos. Son poseedores de un cuerpo, de fuerza de trabajo, de hijos amenazados, de bicicletas, de motos, de esperanzas de una vida mejor. Esa es la riqueza que ellos quieren asegurar. Con sólo abrir las orejas se podrá verificar que el discurso de la inseguridad está diseminado en todas las clases sociales y no, como a algunos les gusta creer, exclusivamente en la clase media.

El discurso de la inseguridad es un problema político del cual el Gobierno debe hacerse cargo sin confundirlo con las estadísticas sobre criminalidad. Es cierto que todos los gobiernos tienen la obligación de definir y ejecutar una política en relación con el delito, pero a un discurso se lo combate con otro discurso y este gobierno no cuenta con ninguno mejor que el de los derechos humanos. El artículo 3ª de la Declaración Universal de los Derechos Humanos sostiene que “todo individuo tiene derecho a la vida, a la libertad y la seguridad de su persona”. Este es el principio de una política posible. El gobierno nacional supo darse una política, en relación con las Fuerzas Armadas, que tuvo como uno de sus ejes a los derechos humanos. ¿Por qué no hizo algo equivalente con las fuerzas de seguridad? Para peor, al gobernador Scioli se le ocurrió “la genial idea” de combatir la inseguridad relacionada con el delito dándole más poder a “la mejor policía del mundo”. Allí está el núcleo del problema y de la solución: se impone una profunda reforma policial, del sistema penitenciario y de la Justicia.

* Psicoanalista.

DEPOIS DA PORTA ARROMBADA, TRANCA DE FERRO


O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, prometeu nesta sexta-feira encerrar a relação "confortável" entre companhias de exploração de petróleo e órgãos reguladores do setor no governo americano.

"Por muito tempo, uma década ou mais, havia um relacionamento confortável entre as companhias de petróleo e a agência federal que permite suas perfurações. Parece até que as permissões foram dadas com muita frequência, baseadas em pouco mais do que a garantia de segurança das companhias petroleiras. Isto não pode e não vai mais acontecer", disse Obama.

Obama fez as declarações nos jardins da Casa Branca, depois de uma reunião de gabinete para discutir o vazamento de petróleo no Golfo do México.

Em seu pronunciamento, o presidente americano afirmou que a falta de supervisão contribuiu para a explosão da plataforma Deepwater Horizon, no dia 20 de abril, que originou o vazamento.

"É absolutamente essencial que coloquemos em prática todas (as medidas de) segurança e proteção para que uma tragédia como esta mancha de petróleo não se repita. Esta é uma responsabilidade que todos nós dividimos."

Reforma

O presidente americano afirmou que pediu ao secretário do Interior, Ken Salazar, uma reforma completa do serviço de gerenciamento mineral americano, incluindo a separação de parte da agência que permite as perfurações de petróleo e gás e coleta os royalties da parte que inspeciona a segurança de plataformas e aplica leis de segurança.

"Também ordenamos inspeções imediatas de todas as operações submarinas profundas do Golfo do México. E anunciamos que não serão fornecidas permissões para perfuração de novos poços até que a revisão que pedi, de segurança e ambiental, de 30 dias, seja encerrada."

"Estamos corrigindo a brecha que permitia que algumas companhias de petróleo contornar algumas revisões de segurança importantes. E hoje estamos anunciando um novo exame dos procedimentos ambientais para exploração de petróleo, gás e desenvolvimento", acrescentou.

Obama afirmou ainda que divide com os moradores da área da costa do Golfo do México, a mais atingida pelo vazamento, a raiva causada pela mancha de petróleo.

"A devastação potencial à costa do golfo, sua economia e seus habitantes pede que continuemos nossos esforços, sem descanso, para conter o vazamento e os danos", disse.

O vazamento de petróleo no Golfo do México pode se transformar no pior desastre ambiental da história dos Estados Unidos.

Alguns cientistas começaram a questionar as estimativas oficiais de cinco mil barris de petróleo vazando na região por dia, sugerindo que o número pode ser muito maior.

Segundo o jornal The New York Times, o oceanógrafo Ian MacDonald, da Universidade Estadual da Flórida, acredita que o volume de vazamento é cinco ou quatro vezes superior.

BBC

BANCO DO BRASIL INVADE OS EUA


O Banco do Brasil recebeu autorização do Financial Industry Regulatory Authority (Finra) para atuar no mercado de capitais americano, podendo participar de ofertas de ações, operar com títulos de dívida e fazer corretagem nos Estados Unidos, segundo comunicado divulgado hoje.

O banco já havia recebido no dia 13 de abril o status de "Financial Holding Company" pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que permite o BB atuar nos EUA como se fosse um banco americano, exercendo todas as atividades do setor, podendo fazer aquisições e atuar no varejo.

Ontem, durante entrevista coletiva para anunciar os resultados trimestrais, o vice-presidente de Finanças, Mercado de Capitais e Relações com Investidores do BB, Ivan Monteiro, afirmou que o banco está analisando a possibilidade de fazer uma aquisição de um banco nos Estados Unidos para atender pessoa física.

"Existem cerca de 500 bancos à venda no mercado americano", disse o executivo. O BB também quer atuar no mercado de capitais de olho em empresas brasileiras que estão se internacionalizando e querem fazer operações nos Estados Unidos, afirmou o executivo.

Nota do Blog: Dependendo do resultado das próximas eleições essa tendência brasileira se aprofundará ou será revertida. Você decide.

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Documentário italiano satiriza Berlusconi em Cannes


Por James Mackenzie

CANNES (Reuters) - A comediante Sabina Guzzanti lança um ataque à moda de Michael Moore contra o sistema político italiano em documentário exibido no Festival de Cinema de Cannes, traçando um retrato alarmante de erosão democrática e mentiras oficiais.

"Draquila: Italy Trembles" (Draquila - A Itália treme) examina o que aconteceu após o terremoto que devastou a cidade medieval de L'Aquila no ano passado, motivando uma grande operação governamental de limpeza e reassentamento da população comandada pelo primeiro-ministro Silvio Berlusconi.

Ex-satirista da televisão e adversária vitalícia de Berlusconi, Guzzanti emprega algumas das técnicas cômicas usadas por Moore, embora seu estilo seja mais comedido que o do cineasta norte-americano independente.

Misturando clipes de TV, entrevistas e uma ou outra charge, a diretora critica a versão dos acontecimentos que apresenta Berlusconi como salvador de L'Aquila, sugerindo que, em lugar disso, o premiê teria aproveitado o desastre para reforçar seu poder e solapar a democracia.

"Eu estava trabalhando sobre outra coisa, mas alguém me contou umas histórias bizarras sobre coisas que estavam acontecendo em L'Aquila", contou Guzzanti à Reuters Television em entrevista. "Fiquei realmente chocada. Era algo muito grande, e ninguém estava sabendo de nada."

Antes mesmo de ser exibido, "Draquila" - um trocadilho, juntando o nome do vampiro ao da cidade - provocou controvérsia na Itália. O ministro da Cultura, Sandro Bondi, tachou o filme de "propaganda política que ofende a verdade e todo o povo italiano."

Ele declarou que deixaria de comparecer ao festival de Cannes, em protesto, mas o filme recebeu uma grande divulgação graças à investigação aberta na sexta-feira sobre casos suspeitos de corrupção em contratos públicos fechados na esteira do desastre.

SIGILO

"Todo o mundo disse 'por que fazer esse filme, já que o terremoto terá sido esquecido no ano que vem?'", disse Guzzanti. "Mas ele é o assunto do momento agora, porque neste terremoto é possível enxergar todos os elementos de nossa crise.

Berlusconi - que no ano passado promoveu uma cúpula do G8 na cidade, a título de gesto de solidariedade com as vítimas - apontou para a resposta imediata à crise como um dos maiores êxitos de seu governo.

Mas Guzzanti o acusa de tentar criar uma estrutura de poder alternativa, enorme e sigilosa, através do abuso e ampliação dos dispositivos constitucionais que permitem que a Autoridade de Proteção Civil italiana a passar por cima das normas democráticas usuais, em casos de emergência.

"A gente não espera fazer uma descoberta tão enorme: que existe algo como um exército totalmente livre para criar leis e gastar tanto quanto quiser sem qualquer tipo de controle, dependente diretamente do primeiro-ministro", disse ela.

Depois do terremoto, a população da cidade devastada foi transferida para hotéis de beira-mar e acampamentos de barracas, onde sua gratidão inicial deu lugar a fúria com as restrições impostas, à medida que os meses se passaram e suas casas continuaram fechadas.

(Reportagem adicional de Tessa Unsworth)

quinta-feira, 13 de maio de 2010

A choradeira do PIG contra Brasil Econ, O Dia, iG e Terra


Na Folha, sob o título "Mídia defende limite a capital estrangeiro":

Jornais e TVs recorreram à Procuradoria para pedir medidas contra possível controle de órgãos de comunicação por empresas de fora do país. ANJ e Abert acusam iG, Terra e grupo Ongoing de violar regra que limita capital externo a 30%; iG nega e demais não se manifestam.

Na capa do "Globo", "Grupos de mídia na mira de associações":

As associações Brasileira das Emissoras de Rádio e TV (Abert) e Nacional dos Jornais (ANJ) entraram com duas representações junto à Procuradoria Geral da República pedindo que o Ministério Público investigue se a Empresa Jornalística Econômico S.A. -que, de origem portuguesa, edita o jornal "Brasil Econômico" e comprou os impressos do grupo "O Dia"- e a Terra Networks S.A. -que, de origem espanhola, controla o site Terra- estão infringindo o artigo 222 da Constituição. Este impõe restrições ao capital estrangeiro no controle de meios de comunicação.

Olhe também o que saiu no Jornal Nacional e no Jornal da Globo AQUI.

Visite, ainda, o Blue Bus.

Nota do Blog: A "grande" mídia brasileira, também conhecida como Partido da Imprensa Golpista - PIG, defensora da globalização, quando esta lhe é favorável, parece apavorada com a concorrência. Por que será?

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Japonesa inventa saia que vira disfarce de máquina de refrigerante


Roupa, segundo inventora, pode evitar ataques de criminosos

por Redação Made in Japan

A japonesa Aya Tsukioka inventou uma saia que, quando desdobrada, vira um disfarce de máquina de vender refrigerantes. Segundo ela, a roupa foi idealizada para amenizar a preocupação de mulheres em relação a ataques e roubos.

A roupa, de acordo com Aya, foi baseada nos disfarces dos guerreiros ninjas japoneses, que utilizavam panos pretos para não serem reconhecidos à noite.

Em entrevista ao New York Times, a japonesa assumiu que a ideia pode parecer estranha para os ocidentais, mas pode funcionar no Japão. Para as japonesas, segundo ela, é mais fácil utilizar o disfarce do que provocar um “escândalo”.

Universidades convocam mulheres feias para tratamento psicológico

"Nú de Costas", Modigliani:

Anelise Infante
De Madri para a BBC Brasil

As Universidades de Granada e Jaén (ambas no sul da Espanha) estão convocando mulheres feias para um projeto experimental científico. O objetivo é testar um tratamento psicológico que cure os transtornos provocados pela obsessão com o ideal de beleza inalcançável.

As faculdades de psicologia das duas universidades oferecem o tratamento gratuito a mulheres entre 19 e 30 anos que admitam estar insatisfeitas com seu aspecto físico e queiram participar de forma voluntária do projeto.

A coordenadora do estudo científico e catedrática em psicologia da Universidade de Granada, Maria del Carmen Santaella justifica a importância do tratamento de pessoas consideradas feias "porque a preocupação com o aspecto físico afeta de forma alarmante a uma parte importante da população".

"O ideal de beleza transmitido pela família, amigos e mídia é tão rígido na nossa sociedade que chega a alterar a percepção que uma pessoa pode ter sobre o que é uma aparência normal", afirmou.

"São padrões inalcançáveis que acabam provocando transtornos graves, o que em psicologia chamamos de descontentamento normativo", disse à BBC Brasil.

Sem critérios

Para participar do projeto não há um critério estético. Cada candidata que se ache feia e considere que o aspecto físico lhe cria problemas emocionais e de adaptação social, pode se inscrever.

Mas as universidades valorizarão históricos como obesidade (índice de massa corporal igual ou superior a 30 pontos), transtornos de alimentação e tentativas excessivas de dietas e exercícios físicos.

A equipe de investigadores selecionará as mais feias considerando também fatores psicológicos provocados pela falta de autoestima como ansiedade e depressão.

"Não se trata apenas de fazer com que as pessoas se sintam mais bonitas, mas que reduzam seus níveis de estresse", explicou Santaella.

"Uma vez que deixem de atentar contra si mesmas, lhes ajudamos a controlar a ansiedade, aumentar seus sentimentos pessoais, reconhecer sua beleza e reduzir o mal estar que lhes provoca o próprio aspecto."

O projeto será dirigido pela clínica de psicologia da Universidade de Granada que já colabora com outros grupos de investigação na Holanda e na Alemanha em tratamentos de pessoas com transtornos de obesidade, bulimia e anorexia.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Hatoyama diz que recolocação da base de Okinawa é impossível

Crianças locais seguram placas com os dizeres “mantenha sua promessa” e “não precisamos de uma base”, durante visita de Hatoyama a Okinawa:

Primeiro-ministro é criticado por moradores locais, em visita à província de Okinawa

O premiê japonês Yukio Hatoyama complicou ainda mais sua situação política ao afirmar, terça-feira 4, em visita à ilha de Okinawa, que será impossível retirar a base militar norte-americana da ilha. É a primeira vez que ele visita a província japonesa desde que foi empossado primeiro-ministro.

“Falando de forma realística, é impossível (recolocar a base fora da ilha)”, disse o premiê, depois de encontrar o governador de Okinawa, Hirokazu Nakaima.

Um plano para a recolocação da base de Futenma estava nas promessas de campanha de Hatoyama. No entanto, pressões do governo dos Estados Unidos o fizeram congelar a decisão.

A visita de Hatoyama foi marcada por protestos. Depois de uma reunião em Ginowan, onde está localizada a base de Futenma, o primeiro-ministro recebeu críticas de moradores locais, que gritaram frases como “Não volte mais”.

Segundo pesquisa do jornal Nikkei, divulgada no fim de abril, 57% dos japoneses querem que o premiê renuncie caso não resolva a questão de Okinawa até o fim de maio.

Made in Japan

segunda-feira, 10 de maio de 2010

A DUPLA DERROTA DE MERKEL

Angela Merkel, a inspiradora de Ana Amélia Lemos:

Início de semana difícil para Angela Merkel. A chanceler alemã paga caro a crise do Euro.

O governo alemão perdeu a maioria no Bundesrat e viu-se obrigado a ceder na gestão da crise na zona euro.

Depois de ser ter oposto durante semanas, Angela Merkel defendeu hoje a criação do fundo de 750 mil mil milhões de euros: “Este plano é para fortalecer e proteger a moeda única. É um plano sem precedentes na história do Euro e da União Europeia e que visa proteger a nossa moeda durante uma situação extraordinária. Para os nossos cidadãos, deixem-me colocar as coisas nestes termos: estamos a proteger a moeda do povo da Alemanha”.

Ontem, dois dias após o desbloqueio da ajuda à Grécia, o Land mais populoso da Alemanha, a Renânia do Norte Vestefália, impôs à CDU e aos liberais do FDP a maior derrota de sempre. De nada valeu adiar a aplicação das promessas eleitorais.

A oposição social-democrata, o SPD, venceu, aproveitando o descontentamento com a actuação de Merkel a nível europeu.

Após semanas de reticências, a Alemanha acaba por ser o maior contribuinte do plano de ajuda à Grécia e cede sobre a criação de um fundo. Um volte-face que Merkel terá dificuldade em justificar quando procurar alianças.

Copyright © 2010 euronews