sábado, 31 de outubro de 2009

Violenta protesta sandinista contra EE UU


La tensión volvió a las calles de Managua, esta vez por unas declaraciones del embajador estadounidense en Nicaragua, que levantaron ampollas en el Gobierno que encabeza Daniel Ortega. El embajador Robert Callahan criticó un fallo emitido la semana pasada por la Corte Suprema de Justicia de Nicaragua, que dio vía libre a la posibilidad de reelección de Ortega en las elecciones previstas para 2011. Para Callahan, ese fallo fue "indebido". Para el Gobierno de Ortega, las declaraciones del diplomático estadounidense son "inaceptables" y responden a una política desestabilizadora.

El gobernante Frente Sandinista hizo el jueves ostentación de su fuerza en Managua. El partido movilizó de forma sorpresiva a sus filas en una marcha masiva en repudio del embajador estadounidense. En la marcha participaron estudiantes universitarios, simpatizantes sandinistas y empleados del Estado, que según denuncias de organizaciones civiles fueron movilizados con recursos públicos hasta la embajada de Estados Unidos.

Horas antes, miembros del Frente Sandinista arengaban a sus seguidores a través del oficialista Canal 4 contra el embajador Callahan, con la frase "remember Sandino" (recuerden a Sandino), en referencia a Augusto C. Sandino, el héroe nacional que a finales de los años veinte del siglo pasado luchó contra la intervención estadounidense en el país.

Los manifestantes, encabezados por el diputado Gustavo Porras, lanzaron morteros y piedras contra el edificio, destruyeron emblemas estadounidenses y escribieron consignas a favor del partido en las paredes. Exigían la expulsión del embajador Callahan. Este país no había visto en los últimos 20 años un ataque semejante a una sede diplomática.

La reacción del Gobierno responde a unas declaraciones hechas el miércoles por el embajador Callahan durante un almuerzo con empresarios de la Cámara Americana Nicaragüense. Callahan dijo que a Estados Unidos le preocupa la decisión de la Sala Constitucional de la Corte Suprema, que la semana pasada declaró inaplicable el artículo 147 de la Constitución de este país, que prohíbe la reelección continua, lo que da vía libre para que Ortega pueda participar en las elecciones generales previstas para 2011.

Callahan dijo que la Corte actuó de una forma indebida y "atípicamente precipitada, en secreto, sin debate público ni discusión" al emitir el fallo. El diplomático propuso que la posibilidad de reelección debía hacerse a través de una consulta popular o por reforma constitucional discutida en la Asamblea Nacional. "Lo que nos preocupa es la manera en que esta decisión fue tomada en Nicaragua", reiteró Callahan.

Las declaraciones del diplomático fueron rechazadas inmediatamente por el Gobierno de Ortega. Por la vía diplomática y por la fuerza. El Ministerio de Exteriores emitió un comunicado en el que declara inaceptable lo que califica como la "política injerencista y desestabilizadora" del Gobierno estadounidense. "El Gobierno de Nicaragua considera inadmisible la intervención de Estados Unidos en asuntos de orden interno, y en decisiones soberanas de las instituciones del Estado nicaragüense", afirma el texto.

Mientras el texto llegaba a las redacciones de los medios, en las calles las banderas rojinegras del Frente Sandinista ondeaban en la marcha dirigida hacia la sede diplomática. "Que se vaya Callahan", gritaba el diputado Porras.

Las acciones contra la sede diplomática ocurrieron ante la mirada de oficiales de la Policía Nacional, que no intervinieron para controlar a los manifestantes. La policía, hasta ahora una de las instituciones con mayor credibilidad en Nicaragua, se ha convertido en objeto de críticas por parte de las organizaciones civiles, que acusan a sus dirigentes de responder a los intereses del Gobierno y no intervenir en las agresiones contra miembros de la oposición.

Leia mais em EL PAÍS.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

INSTRUMENTO MUSICAL

Feriadão de sol e calor no RS


Nos próximos dias o tempo segue com muito sol e aquecimento no RS. Uma massa de ar seco e quente segue no RS, pois a chuva ficará concentrada no Uruguai. No feriado do dia 2, aos poucos algumas áreas de instabilidade provocam pancadas de chuva no centro-sul, pode chover forte nestas regiões.
Por enquanto não há ambiente favorável à tempestades severas, mas estamos monitorando a possibilidade de temporais localizados no dia 02/11.
calor!!
Máximas entre 30 e 35 graus.

Visite MESOTEMPO (Previsão de Tempestades).

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

No tomarás el dinero de tus fieles


Un tribunal en París condenó a la Cienciología a pagar más de medio millón de euros. También condenó a varios de sus responsables. Los acusaron de ganar fieles con la vista puesta en sus fondos.

Por John Lichfield *

Desde París

La iglesia de la Cienciología fue llamada “un fraude organizado” por una Corte francesa ayer y multada con 600.000 euros, por aprovecharse de los feligreses. Los jueces en la Corte penal de París estuvieron a punto de proscribir a los grupos organizadores del culto. Pero, en un paso insólito, ordenaron que la iglesia pagara avisos con las conclusiones del jurado en los diarios de todo el mundo. La sentencia fue dictada después de tres semanas de audiencias en mayo y junio. Se cree que es la primera vez que la Cienciología ha sido declarada fraudulenta por una Corte en un país democrático.

Los líderes individuales del movimiento cienciológico, incluyendo a su fundador, L. Ron Hubbard, ya habían sido condenados previamente por actividades fraudulentas en Francia y en otros países. Pero el tribunal correccional de París fue más lejos ayer y declaró que las afirmaciones centrales de la Cienciología eran “falaces” y destinadas a “obtener” miembros para que entreguen grandes sumas de dinero.

El movimiento con base en California, con miembros célebres como Tom Cruise y John Travolta, había montado un sofisticado lobby para que las acusaciones no llegaran a juicio, pero un magistrado persistente, Jean-Christophe Hullin, ejerció su prerrogativa de invalidar la decisión del estado de anular los casos planteados. Dos querellantes francesas sostuvieron que, entre 1997 y 1998, el movimiento cienciológico las persuadió de que pagaran el equivalente de 21.000 y 49.000 euros para tratamientos para mejorar su salud mental y física. Esto incluía un “electrómetro” para medir el estado de sus “condiciones espirituales”.

Los dos principales cuerpos cienciológicos en Francia –el Centro de la Celebridad y la Biblioteca Cienciológica– fueron a juicio por “el uso sistemático de tests de personalidad sin valor científico, con el único objetivo de vender servicios y productos”. Ayer, el Centro fue multado en 400.000 euros y la Biblioteca en 200.000. Cuatro líderes franceses de la Iglesia de la Cienciología recibieron multas de hasta 20.000 euros y sentencias de prisión en suspenso. El líder supremo del culto en Francia, Alain Rosenberg, recibió dos años de sentencia en suspenso y una multa de 30.000 euros.

Cuando comenzó el juicio, el 25 de mayo, parecía probable una prohibición. Más tarde surgió que un cambio en la ley francesa había accidentalmente imposibilitado las prohibiciones a organizaciones fraudulentas. La legislación ya fue enmendada, pero no resultaba claro si esto podía aplicarse retrospectivamente al juicio a la Cienciología.

George Fenech, presidente de la organización francesa de control sobre los cultos religiosos, dijo que estaba satisfecho con las sentencias. “Por primera vez, los cuerpos legalmente responsables de Cienciología han sido condenados, no por excesos individuales, sino por el núcleo de las operaciones de la organización”, dijo. La vocera francesa de Cienciología, Agnes Bron, dijo que el veredicto era resultado de una “inquisición de los tiempos modernos” y anunció que apelarían.

Por otro lado, Paul Haggis, el cineasta ganador del Oscar, renunció a la iglesia de la Cienciología en una carta explosiva que condena lo que denominó como “el odio y el racismo” de la organización opuesta al matrimonio gay. Haggis, guionista de Crash, Million Dollar Baby y las dos últimas películas de James Bond denunció como política de “desconexión” de la iglesia, que había alentado a su mujer a vivir separada de sus padres.

Haggis, que ha sido miembro de la iglesia durante 35 años, anunció que no puede permanecer “con la conciencia limpia” en una organización que “tolera golpear a los gay y que ha permitido que su nombre esté relacionado con los peores elementos del derecho cristiano”. Aunque los voceros han negado públicamente que la Cienciología mantenga la política de “desconectar” a los miembros que no cumplen las reglas, Haggis afirmó que los padres de su mujer, la actriz Deborah Rennard, fueron víctimas de esta misma práctica. “A mi mujer se le ordenó desconectarse de sus padres por algo absolutamente trivial que supuestamente hicieron hace 25 años, cuando renunciaron a la iglesia”, escribió. “Le causó a Deborah un dolor terrible. Durante un año y medio no se habló con sus padres y ellos tenían un acceso limitado a sus nietos.”

La pérdida de Haggis será muy sentida por una organización que se apasiona por sus miembros si son celebridades dentro de la comunidad fílmica como Tom Cruise y John Travolta. El alejamiento de Haggis llega en un momento incómodo para la imagen pública de la Cienciología. John Travolta y su mujer, la actriz Kelly Preston, se vieron obligados recientemente a negar informes que los señalaban abandonando la iglesia. El hijo adolescente de la pareja, Jett, murió a comienzos de este año. Su muerte estuvo ligada a un severo autismo que había padecido toda su vida. Sin embargo, los cienciólogos tienen una opinión escéptica de la existencia del autismo.

* De The Independent de Gran Bretaña. Especial para Página/12.

Traducción: Celita Doyhambéhère.

Público deve ser convencido de ameaça climática


Por Nina Chestney

LONDRES (Reuters) - O público precisa ser convencido da ameaça da mudança climática de forma que os governos sejam pressionados a adotar políticas públicas mais rigorosas e a ampliar o pacto da Organização das Nações Unidas (ONU) em Copenhague em dezembro, afirmam especialistas.

Convencer o público de que os efeitos no longo prazo da mudança climática podem ser evitados por ação imediata deveria ser uma prioridade, disseram especialistas em psicologia numa conferência sobre a mudança climática em Londres nesta semana.

Estão agendadas apenas mais duas reuniões de ministros de mais de 190 países antes da cúpula climática de Copenhague, que ocorrerá entre 7 e 18 de dezembro, e eles ainda estão barganhando sobre o novo acordo.

"O progresso por vezes pode acontecer sem muito envolvimento público, mas a mudança climática não é um desses casos", afirmou Paul Stern, do Conselho de Pesquisa Nacional dos Estados Unidos, que assessora o governo norte-americano em questões como saúde e ciência.

Os cientistas afirmam que o aumento nos níveis de dióxido de carbono na atmosfera, por conta do incremento do uso de combustíveis fósseis, do desmatamento e dos transportes, levará não apenas a inundações, mas à disseminação de secas, da fome e de doenças, especialmente nos países pobres.

As estatísticas mostram que o interesse e a compreensão da população sobre a mudança climática diminuíram em alguns países recentemente, em parte porque a crise econômica fez o meio ambiente deixar de ser prioridade.

Menos da metade dos britânicos acredita que a mudança climática irá afetá-los durante a vida deles e menos de um quinto acha que ela terá impacto sobre seus filhos, descobriu uma pesquisa do governo da Grã-Bretanha este mês.

Uma sondagem do Pew Research Centre indicou que 57 por cento dos norte-americanos acreditam que exista evidência sólida de aquecimento global, abaixo dos 71 por cento do ano passado. Eleitores australianos não consideram mais a mudança climática a principal questão, classificando-a em sétimo lugar entre 10 possíveis metas da política externa, mostrou uma pesquisa de opinião este mês.

"A crise econômica provavelmente afastou a preocupação das pessoas com o ambiente e levou a uma maior preocupação com o interesse próprio na economia no curto prazo", afirmou Tim Kasser, professor de psicologia no Knox College, em Illinois, à Reuters num email.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Israel abre una investigación para no investigar


Israel anunció la creación de una comisión de expertos para investigar los crímenes de guerra en Gaza, por los que es acusada a través del denominado informe Goldstone de la ONU. En realidad, el grupo de expertos no examinará las acciones de oficiales o soldados, sino que hará recomendaciones al gobierno sobre la respuesta legal y diplomática al informe y sobre la estrategia de relaciones públicas que debe seguir para evitar daños mayores tras las acusaciones del crítico texto.

Según informó el primer ministro de Israel, Benjamín Netanyahu, el equipo recopilará todo el material recabado por las fuerzas militares israelíes durante sus anteriores investigaciones, pero en ningún caso examinará las acciones de oficiales o soldados que participaron en la ofensiva militar del pasado invierno boreal.

El juez de la ONU, Richard Goldstone, acusa a Israel y a Hamas de cometer crímenes de guerra, habla de posible crímenes contra la humanidad por parte de Israel y pide a ambos que lleven a cabo investigaciones independientes en el plazo de seis meses.

Además, deja la puerta abierta a presentar las acusaciones contra Israel ante el Tribunal Penal Internacional, con sede en La Haya, si se niega a colaborar en las investigaciones.

Netanyahu siguió las recomendaciones de su ministro de Defensa, Ehud Barak, quien se negó rotundamente a la creación de un comité de investigación como solicita Goldstone, en su informe de 575 páginas sobre los crímenes cometidos en Gaza.

"Abrir un comité de investigación no es una opción", dijo Netanyahu en una reunión con altos funcionarios de Defensa del país, según informa el diario israelí Haaretz.

El grupo de expertos, que será coordinado por el ministro de Justicia Yaakov Neeman, hará recomendaciones al gobierno sobre la respuesta legal y diplomática al informe, así como la estrategia de relaciones públicas que debe seguir para evitar daños mayores tras las acusaciones del crítico texto.

La prensa israelí apuntaba hoy a que el gobierno de Netanyahu presentará ante la ONU material ya existente en los archivos de investigación de Israel como si de una investigación interna se tratase.

Mientras Hamas accedió el pasado 15 de octubre a abrir una investigación independiente, Israel se negó a colaborar en las indagaciones de la ONU desde los inicios de la elaboración del informe.

Por eso, la creación de este grupo de expertos es el primer paso de Netanyahu para probar la actuación de su ejército durante los 22 días de ofensiva. "Israel está preparado para rebatir la legitimidad del informe Goldstone", dijo Barak en la reunión de gabinete realizada ayer.

En la ofensiva militar lanzada por Israel el 27 de diciembre para responder al lanzamiento de cohetes por parte de Hamas murieron cerca de 1400 palestinos, la mayoría de ellos civiles, y 13 israelíes, según distintas organizaciones de derechos humanos.

Página/12

domingo, 25 de outubro de 2009

Subsídios europeus destroem mercado do leite africano


Produtores de leite europeus deverão receber ajuda de 280 milhões de euros para superar a crise. Para produtores rurais europeus, tais subvenções são uma ajuda, para os africanos, no entanto, elas são uma catástrofe.

Deutsche Welle

Derramando leite sobre as ruas ou espalhando-o sobre os campos, há semanas que produtores rurais europeus protestam, com meios drásticos, contra os baixos preços pagos por seus produtos. Também nesta segunda-feira (19/10), milhares de produtores de leite protestaram contra a política agrícola da União Europeia (UE).

Os protestos, no entanto, deram resultado. Reunidos em Luxemburgo, os ministros da Agricultura da UE discutiram novamente sobre a ajuda aos produtores de leite do bloco. A Comissão Europeia propôs a criação de um fundo especial de 280 milhões de euros. Somente os produtores rurais alemães deverão receber 50 milhões de euros.

No contexto do encontro, a comissária europeia da Agricultura, Mariann Fischer Boel, explicou que o subsídio ainda tem de ser aprovado pelos ministros europeus das Finanças e pelo Parlamento Europeu.

Leite é pó dissolvido em água

Atualmente, o preço pago ao produtor rural por um litro de leite é de 28 centavos de euro. A longo prazo, a UE pretende submeter o comércio do leite às leis de mercado. Isso provocou, nas últimas semanas, maciços protestos de produtores, principalmente em países com intensa concentração de pequenas fazendas familiares. Eles temem não poder mais concorrer, futuramente, com as assim chamadas fábricas de leite, que trabalham de forma industrial.

Se para os produtores europeus, os subsídios da UE são uma ajuda, para os africanos, tais subvenções são uma catástrofe. Pois o excedente da produção de leite da UE é transformado em leite em pó, que é vendido então na África a preços de dumping. Contra essa concorrência, a indústria do leite do Senegal, por exemplo, não tem a menor chance.

Para a maioria dos senegaleses, leite é pó dissolvido em água. É algo branco que remonta de alguma forma a leite, é barato e, por isso, popular. Em um pequeno supermercado da capital Dacar, as prateleiras estão abarrotadas do produto. Dez diferentes marcas, a maioria da Holanda e da França.

Mercado sem chances

A maioria dos senegaleses não tem outra escolha a não ser comprar leite em pó. O que muito irrita produtores como Awa Dialò. Ela própria possui algumas vacas e dirige uma pequena empresa de leite em um subúrbio de Dacar. Ela processa o produto para obter iogurte e manteiga. Quando as vacas dão pouco leite, ela também usa leite em pó.

Awa tem inveja de seus colegas europeus, porque, diferentemente deles, ela não recebe um centavo de ajuda estatal. E não pode entender por que a Europa, por um lado, presta ajuda ao desenvolvimento a pequenos agricultores africanos, mas, por outro, priva o mercado local de qualquer chance.

Segundo Awa, "no Senegal, como na África, os produtores de leite não recebem nenhum subsídio. Por esse motivo, seus custos são muito altos. Os produtores têm de manter o gado em bom estado, de outra forma não vão obter a quantidade de leite que precisam. Têm de comprar razão, vacinar os animais... Tudo isso encarece o leite, por isso, o leite em pó é uma grande concorrência para nós."

Leite fresco

Bagurie Battilie é outro produtor que aposta em laticínios, especialmente coalhada e iogurte. Há três anos, ele abriu a Laiterie du Bergé, a única leiteria do Senegal que trabalha exclusivamente com leite fresco. Cerca de 800 produtores de leite do norte do país fornecem diariamente por volta de 5 mil litros à sua leiteria. Os negócios de Battilie correm relativamente bem.

Para ele e seus empregados, é difícil concorrer com as empresas locais capazes de produzir iogurte bem mais barato, porque trabalham com leite em pó europeu. O Senegal importa, anualmente, cerca de 40 mil toneladas do produto.

"O litro de leite feito a base de leite em pó custa em torno de 180 a 190 francos. Mas nós pagamos a nossos produtores 200 francos pelo litro de leite fresco. Acrescentem-se os custos do transporte e dos empregados. Quando o litro do leite chega à nossa firma, ele já custa 270 francos", calcula Battilie.

Sabor desconhecido

Leite da Europa é mais barato do que o produzido na África à porta de casa – mesmo que venha de uma vaca alimentada a alto custo em uma empresa de tecnologia de ponta, localizada a milhares de quilômetros do Senegal.

A razão do alto preço do leite local, no entanto, está no fato de os produtores africanos poderem fornecer somente uma pequena quantidade do produto. Uma vaca senegalesa produz bem menos leite do que sua colega bem alimentada na Europa. Essa situação se agrava nos períodos de seca, quando elas fornecem apenas a metade do leite produzido nos períodos de chuva.

Os produtores do leite do Senegal ainda estão bem distantes de uma produção em escala industrial. Também não se pode ter certeza se um dia eles vão chegar lá. Pois, enquanto o mercado local continuar inundado com leite em pó barato da Europa, os produtores locais não disporão dos recursos necessários para se tornarem competitivos. E o gosto do leite fresco continuará desconhecido para a maioria dos africanos.

Autor: Marc Dugge / Eleonore Uhlich (ca)
Revisão: Augusto Valente

Alemães ricos pedem ao governo para pagar mais impostos


Um grupo de alemães ricos lançou uma petição sugerindo ao governo que cobre mais impostos dos cidadãos do país com mais dinheiro.

Eles dizem ter uma fortuna maior do que necessitam e que os recursos adicionais arrecadados poderiam financiar programas econômicos e sociais que ajudariam a Alemanha a se recuperar da crise financeira global.

O grupo calcula que o governo poderia arrecadar 100 bilhões de euros se os alemães mais ricos fossem taxados em 5% por dois anos.

A petição conta com 44 assinaturas e será apresentada à chanceler Angela Merkel.

Cédulas pelos ares

O grupo afirma que a crise mundial vem aumentando o desemprego e a desigualdade social e que simplesmente doar dinheiro não seria o bastante.

"O caminho para sair da crise deve ser pavimentado com enormes investimentos na ecologia, educação e justiça social", dizem eles na petição.

O líder da iniciativa, Dieter Lehmkuhl, disse ao jornal Tagesspiegel de Berlim que cerca de 2,2 milhões de pessoas na Alemanha possuem patrimônio de mais de 500 mil euros.

O grupo realizou uma manifestação em Berlim na quarta-feira para atrair publicidade para a proposta. Na ocasião, eles jogaram no ar cédulas falsas.

BBC

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

QUANTOS BRASILEIROS GOSTARIAM DE ESTAR PRESOS NA HOLANDA?

ARTE EM PRISÃO HOLANDESA:

ONG holandesa faz site de encontros para presos

Os presos holandeses, que já tinham direito garantido a duas refeições quentes e uma hora de ginástica por dia, cela equipada com televisão, rádio, aparelho de som e roupa de cama limpa, agora contam também com um serviço para ajudá-los a encontrar parceiros amorosos.

A iniciativa é de uma organização não governamental local chamada Bonjo, que se dedica a defender os direitos da população carcerária do país e que agora está também fazendo o papel de cupido.

“Muitos se queixam de que não nos preocupamos com eles, mas em algum momento terão que sair da prisão. Estamos convencidos de que, se conseguirem uma relação de casal, poderão ficar longe da Justiça”, disse à BBC Nico Epskamp, da Bonjo.

“Alguns perderam o contato com o mundo exterior e não têm nenhuma motivação para não cometer novos crimes. É necessário dar a eles uma nova oportunidade”, afirmou Epskamp.

A ONG criou um site para cadastrar tanto homens quanto mulheres interessados em manter um encontro atrás das grades.

Mas ao contrário de outros serviços de encontros, os cadastrados não têm contato direto, mas passam pelo filtro da ONG antes.

Ladrões e traficantes

Segundo o último balanço da Bonjo, os 500 criminosos que se cadastraram no site receberam cerca de 1.500 respostas.

As respostas vêm em sua maioria de mulheres com idades entre 23 e 50 anos e que manifestaram um interesse principalmente em ladrões, traficantes de drogas ou sujeitos em prisão preventiva.

Mas o site também oferece encontros com fraudadores, assassinos e traficantes de mulheres.

Segundo Epskamp, porém, são as mulheres criminosas de origem estrangeira as que têm maior popularidade no serviço.

Entre elas está a equatoriana Estelita, de 38 anos, condenada por tráfico de drogas.

“Sou morena, educada e simpática, e procuro rapazes de 40 anos ou mais. Estou na prisão por drogas e porque me obrigaram. Queridos amigos, espero receber rapidamente mensagens de vocês”, diz ela em seu perfil.

Mas organizações dedicadas à proteção das vítimas de exploração sexual temem que o serviço se transforme em uma plataforma para os traficantes de mulheres.

CONVITE

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

“Rejeito heróis com as mãos banhadas em sangue”


Por Antonio de Oliveira (*)

Ouvi, assisti e li tudo. Demorei alguns dias tentando deglutir. Não consegui. A frieza do oficial da Brigada Militar dizendo que naquele dia tinha acontecido uma vitória da sociedade, de dois a zero, me deixou desajeitado. A primeira coisa que me veio à cabeça foi uma constatação: sou contribuinte e pago o salário dele.

Daí para a frente, logo me vieram inúmeras dúvidas, se a minha contribuição ao Estado estava sendo bem empregada naquele caso em que um oficial comemorava a morte de dois seres humanos. E o turbilhão de dúvidas aumentou. Ele falava em vitória da sociedade. Mas que vitória ? Mas que sociedade ?

O saltitante “repórter”, na imagem da TV, parecia comandar um show, gritava que o agente penitenciário que tinha assassinado os dois homens era o herói do dia, que merecia medalhas. Meteu, com sua pouca prática, o microfone no rosto do agente, quase aos gritos, reafirmando que ele era um herói. Mas o que aparecia na tela era um homem grande, forte, mas apequenado, imensamente constrangido. Perturbado por ter tirado a vida de duas pessoas.

- …sim, foi a primeira vez”, disse o herói num fio de voz.

Ele nem sabia o que responder diante da provocação do “repórter” que andava em volta, sem saber o que fazer para melhorar seu espetáculo, seu show. Só faltou reclamar dos atores por não estarem correspondendo em suas interpretações. Ele queria mais ação. Mais sangue. Ao bom estilo bandido bom é bandido morto, a câmera corria a toda hora, bem de vagar, sobre os cadáveres dos dois homens abatidos no meio da rua.

Ainda bem que um policial civil, assustado, foi ao microfone e fez uma correção, dizendo que aquilo tudo ali era um péssimo exemplo, que as pessoas não deveriam agir daquela maneira em caso de assalto, que o agente fizera aquilo por que era um homem preparado, com curso para condução de prisioneiros de alta periculosidade.

E na minha cabeça vieram mais indagações: mas que herói ? Dois corpos estendidos no chão era uma vitória da sociedade ? Definitivamente, não. No meu entender era uma irreparável derrota. Era a mostra cabal de uma sociedade derrotada como tal. Sem solução para os seus problemas.

A não ser que eu entenda que aqueles dois não faziam parte da sociedade e que aquele oficial também não faz parte, está acima, como guardião e juiz de quem deve ser morto para que outros vivam em paz na tal sociedade, que ele tem dentro da sua cabeça, da sua cachola.

Como integrante da sociedade, se é que me permitem, eu rejeito vitórias deste tipo, porque eu não consigo ser feliz assim. Não quero que ninguém morra para que eu esteja seguro. E também não quero matar ninguém. Ou então esta sociedade, como está, não me serve mais. Mas ai, eu estaria desistindo da humanidade e isto eu também me nego a fazer.

Sendo assim, o que me resta é apelar às representações da sociedade, aos políticos e aos governantes para que abram o olho. Vejam o que está acontecendo na frente dos seus narizes e tomem atitudes e apliquem melhor, em favor da sociedade, o que recolhem de impostos. E não quero que comparem com Nova Iorque, etc, etc. Quero que comparem com o Brasil, com Porto Alegre, de meio século atrás. Só. Lembrem de como vivíamos há 50 anos, criem vergonha na cara e vão trabalhar.

Parem de empurrar com a barriga. Assumam imediatamente a construção de um sistema educacional decente, que ponha todas as crianças na escola e que forme cidadãos e não bandidos. Mandem às favas esta gente que vive defendendo o Estado mínimo, pois eles são os primeiros a assaltar o Estado quando seus negócios vão mal. Formem uma polícia de verdade para defender todos os cidadãos, sem necessidade de andar matando por ai para virar herói. Repudiamos heróis feitos assim.

Acima de tudo, parem de roubar, de serem corruptos, e empreguem o dinheiro público para o bem público. E façam as emissoras de rádio e de televisão cumprirem a Constituição, como concessões que são, com programação para uma sociedade decente, equilibrada.

É hora de o Estado entrar em campo para garantir uma vitória verdadeira. E um recado final ao meu oficial: pare de defender a morte como vitória, como solução para os problemas que o senhor está despreparado para resolver. E quero lembrá-lo de que, no Morro dos Macacos, no Rio, no momento em que encerro este texto, a sociedade está obtendo uma vitória por 25 a 8. O senhor está feliz com isto ? Com esta vitória ? Pois eu não quero heróis com as mãos banhadas em sangue.

(*) Jornalista

Copiado do RS URGENTE.

Desemprego brasileiro tem menor nível desde dezembro

Olho de tucano (bem aberto):

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A taxa de desemprego brasileira caiu para 7,7 por cento em setembro, ante 8,1 por cento em agosto, atingindo o menor patamar desde dezembro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Economistas consultados pela Reuters previam uma taxa de 8,1 por cento, segundo a mediana de 18 projeções que oscilaram de 7,8 a 8,4 por cento.

O IBGE informou ainda que o rendimento médio real subiu 0,6 por cento na comparação mensal e 1,9 por cento frente a setembro do ano passado, para 1.346,70 reais.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

OPORTUNIDADE DE EMPREGO


Jornal dos EUA abre vaga para 'crítico de maconha'

Um jornal de Denver, no Colorado, está procurando um jornalista para escrever resenhas sobre maconha para uso medicinal.

Ao ser oferecida em um blog, a vaga do Westword recebeu em poucos dias mais de 120 candidaturas.

Segundo o jornal, o "crítico de baseados" escreverá uma coluna onde dará sua avaliação sobre os diferentes locais onde pacientes com prescrição médica podem comprar maconha e as diferentes variedades da planta disponíveis, desde as produzidas localmente até algumas, importadas, que chegam a custar US$ 100 a onça (28 g).

O uso da droga é proibido por lei federal nos EUA, mas pode ter uso medicinal para aliviar a dor em alguns Estados, entre os quais o Colorado.

"Com o número de pessoas buscando autorização para o uso medicinal de maconha crescendo mais rápido que o número de farmácias autorizadas a distribuir maconha neste Estado, soubemos que não apenas havia uma necessidade de informação crítica, mas que não haveria falta de candidatos qualificados", explicou o jornal.

O post com a proposta de emprego recebeu a primeira candidatura em cinco minutos. A ideia contou com a ajuda de matérias sobre o assunto em grandes jornais americanos como o New York Times e o Wall Street Journal.

"Todos os furos de jornalismo (do Westword) são fumaça perto da atenção que atraímos com o post procurando um crítico de farmácias de maconha", comentou a jornalista Patrícia Calhoun em um artigo.

A ideia do cargo foi do jornalista Joel Warner, que escreve sobre a indústria da maconha no Colorado. Em seus posts, ele dá dicas de onde comprar e o que comprar, e sublinha a importância de garantir a procedência da erva para não acabar aumentando, inadvertidamente, o lucro dos cartéis de droga.

Importância

O prazo para submissão das candidaturas, que só são consideradas válidas se o candidato tiver permissão para comprar a droga e usá-la medicinalmente, já terminou. Em um artigo na seu site, o jornal compilou as razões que alguns aspirantes ao cargo apresentaram em seu favor.

"Por que a maconha médica é importante para mim? Ela não apenas salvou minha vida, mas me devolveu a pessoa que eu era antes de um acidente que mudou minha vida", disse um deles. "A maconha não é apenas importante para mim; é minha vida."

Outro candidato se descreveu como um "chapado altamente capaz". "Sou seu connoisseur na arte de fumar maconha com credenciais impecáveis para as características do Westword."

Já outro afirmou que, "quando as farmácias se tornarem tão comuns quanto as lavanderias, as pessoas verão que o céu não está caindo sobre elas ou que as coisas não estão dando errado. Elas começarão a se questionar e desafiar os pressupostos".

"Talvez você possa fumar maconha e ter um trabalho. Talvez ela não te deixe mole. Talvez um dia possamos até ter uma discussão pública e honesta sobre isso. Sinto que os ventos da mudança estão soprando, e que quando a poeira assentar vou gostar do que verei. PS: Se desperdicei seu tempo, ou se você se sentir mais idiota por ter lido meu texto, desculpas adiantadas. Estou medicado."

BBC

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Berlusconi provoca ira feminista incomum na Itália


Por Deepa Babington

ROMA (Reuters) - A declaração de Silvio Berlusconi sobre a falta de beleza de uma rival política provocou uma rara demonstração pública de milhares de mulheres italianas, que até agora se mantiveram em silêncio sobre os escândalos sexuais do primeiro-ministro.

Cerca de 97 mil mulheres assinaram o manifesto "Mulheres ofendidas pelo premiê", depois que Berlusconi disse à senadora da esquerda Rosy Bindi que ela era "mais bonita do que inteligente", em um ataque tanto à sua aparência quanto a seu cérebro.

Desde então, duplicaram páginas no Facebook oferecendo solidariedade, protestos foram feitos em cidades como Reggio Emilia, enquanto a resposta de Bindi --"não sou uma mulher à sua disposição"-- se tornou um slogan das manifestações, sendo inclusive estampada em camisetas e cartazes.

"Alguém diga a Berlusconi que ele não é nenhum George Clooney", disse a senadora de centro Patrizia Bugnano, chamando o premiê de "chauvinista".

"É ofensivo que ele sempre se refira a mulheres em termos estéticos".

A campanha está sendo publicada pelo jornal La Repubblica e atrai apoio da esquerda. É um raro exemplo de uma iniciativa feminista contra Berlusconi no país.

Bindi diz que é um sinal de que um "novo feminismo" está ganhando raízes na Itália, onde declarações de Berlusconi, como as mulheres serem "os presentes mais lindos de Deus para os homens" e a Itália ser a "pátria dos grandes amantes, de Casanovas e playboys", costumam ser recebidas com indiferença.

Mesmo assim os pesquisadores dizem que sem um rival político credível para desafiá-lo, o protesto feminista pouco fará para diminuir o apoio de Berlusconi entre as eleitoras conservadoras --mesmo que elas estejam menos entusiasmadas com ele do que antes.

"NÃO SOMOS SUAS CONCUBINAS"

Em um país onde poucos hesitaram quando a ex-showgirl Mara Carfagna foi nomeada para o cargo de ministra da Igualdade, as declarações do premiê provocaram poucos protestos.

Mas o insulto recente a Bindi, feito durante um programa noturno na TV, inesperadamente abriu a ira das mulheres.

Mais de 3.000 mulheres enviaram suas fotos sob frases como "nós não somos suas concubinas", disse La Repubblica, que dedica uma página inteira às últimas assinaturas e fotos.

Um site do Facebook oferecendo solidariedade a Bindi atraiu 2.000 membros, enquanto mulheres de várias profissões, de jornalistas e atrizes a modelos, saíram em sua defesa.

Por sua parte, Berlusconi ofereceu uma desculpa fingida e disse que o comentário foi "uma piada" em "um momento de desapontamento".

Essa não é a primeira vez que Berlusconi fala da aparência de Bindi. Criticado por sua mulher por indicar mulheres bonitas para as eleições europeias deste ano, Berlusconi reclamou: "O que há de errado elas serem bonitas? Não podemos ter só Rosy Bindis".

Indignação com as laranjeiras


Luiz Carlos Bresser-Pereira
Folha de S.Paulo, 19.10.2009

Há uma semana, duas queridas amigas disseram-me da sua indignação contra os invasores de uma fazenda e a destruição de pés de laranja. Uma delas perguntou-me antes de qualquer outra palavra: "E as laranjeiras?" -como se na pergunta tudo estivesse dito.

Essa reação foi provavelmente repetida por muitos brasileiros que viram na TV aquelas cenas. Não vou defender o MST pela ação, embora esteja claro para mim que o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra é uma das únicas organizações a, de fato, defender os pobres no Brasil. Mas não vou também condená-lo ao fogo do inferno. Não aceito a transformação das laranjeiras em novos cordeiros imolados pela "fúria de militantes irracionais".

Quando ouvi o relato indignado, perguntei à amiga por que o MST havia feito aquilo. Sua resposta foi o que ouvira na TV de uma das mulheres que participara da invasão: "Para plantar feijão". Não tinha outra resposta porque o noticiário televisivo omitiu as razões: primeiro, que a fazenda é fruto de grilagem contestada pelo Incra segundo, que, conforme a frase igualmente indignada de um dos dirigentes do MST publicada nesta Folha em 11 deste mês, "transformaram suco de laranja em seres humanos, como se nós tivéssemos destruído uma geração o que o MST quis demonstrar foi que somos contra a monocultura".

Talvez os dois argumentos não sejam suficientes para justificar a ação, mas não devemos esquecer que a lógica dos movimentos populares implica sempre algum desrespeito à lei. Não deixa de ser surpreendente indignação tão grande contra ofensa tão pequena se a comparamos, por exemplo, com o pagamento, pelo Estado brasileiro, de bilhões de reais em juros calculados segundo taxas injustificáveis ou com a formação de cartéis para ganhar concorrências públicas ou com remunerações a funcionários públicos que nada têm a ver com o valor de seu trabalho.

Por que não nos indignarmos com o fenômeno mais amplo da captura ou privatização do patrimônio público que ocorre todos os dias no país? Uma resposta a essa pergunta seria a de que os espíritos conservadores estão preocupados em resguardar seu valor maior -o princípio da ordem-, que estaria sendo ameaçado pelo desrespeito à propriedade.

Enquanto o leitor pensa nessa questão, que talvez favoreça o MST, tenho outra pergunta igualmente incômoda, mas, desta vez, incômoda para o outro lado: por que os economistas que criticam a suposta superioridade da grande exploração agrícola e defendem a agricultura familiar com os argumentos de que ela diminui a desigualdade social, aumenta o emprego e é compatível com a eficiência na produção de um número importante de alimentos não realizam estudos que demonstrem esse fato?

A resposta a essa pergunta pode estar no Censo Agropecuário de 2006: embora ocupe apenas um quarto da área cultivada, a agricultura familiar responde por 38% do valor da produção e emprega quase três quartos da mão de obra no campo.

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, nesta Folha listou esses fatos e afirmou que uma "longa jornada de lutas sociais" levou o Estado brasileiro a reconhecer a importância econômica e social da agricultura familiar. Pode ser, mas ainda não entendo por que bons economistas agrícolas não demonstram esse fato com mais clareza. Essa demonstração não seria tão difícil -e talvez ajudasse minhas queridas amigas a não se indignarem tanto com as laranjeiras.

Do Bresser-Pereira Website

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Paris abre maior exposição sobre Miles Davis

Tutu (aumente o volume):

Daniela Fernandes
De Paris para a BBC Brasil

A Cidade da Música do Parque de la Villette, em Paris, apresenta a partir desta sexta-feira uma exposição sobre o trompetista americano Miles Davis que reúne instrumentos musicais, partituras originais, fotos, áudios, filmes inéditos, vídeos de shows, documentos e até roupas de um dos maiores nomes do jazz mundial.

We Want Miles (“Queremos Miles”, em tradução literal), uma referência ao disco ao vivo de mesmo nome lançado em 1981, é a maior exposição já realizada sobre a vida e a carreira do músico, segundo a Cidade da Música de Paris.

"Nós não temos o hábito de celebrar os músicos, e os Estados Unidos não têm uma cultura em relação ao jazz que os leva a celebrar essa música com o justo valor que ela merece", diz Vicent Bessières, curador da exposição sobre Miles Davis.

A mostra coincide com o aniversário de 60 anos da primeira apresentação de Miles na França, na sala de concertos Pleyel.

‘Caça ao tesouro’

We Want Miles retraça a vida e a carreira do músico, desde sua infância, em East Sant Louis, nos Estados Unidos, ao seu show em La Villette, em Paris, pouco antes de sua morte, em 28 de setembro de 1991, aos 65 anos.

O curador diz ter realizado uma "caça ao tesouro" para reunir os inúmeros objetos apresentados na exposição.

Graças à família do artista, Bessières conseguiu ter acesso a inúmeros documentos e objetos do trompetista e entrar também em contato com músicos ligados a Davis, que emprestaram instrumentos e outros objetos.

"Os herdeiros permitiram que eu vasculhasse caixas contendo documentos que não haviam sido abertas. Eles permitiram até o acesso ao cofre de um banco em Nova York onde estavam guardados os trompetes", diz o curador.

A exposição apresenta a obra e a vida de Miles Davis de forma cronológica. A primeira parte, mais acústica, com cenografia em preto e branco, mostra o início de sua carreira, com a integração à vanguarda do jazz nos anos 40, o bebop, os novos arranjos de sua primeira orquestra, a invenção do cool jazz e seu retorno aos fundamentos do jazz.

A segunda parte, com visual mais colorido, mostra a grande virada, a partir de 1968, quando ele se torna uma estrela do jazz mundial. Miles incorpora os ritmos elétricos, inspirado no rock e em Jimi Hendrix, e lança o jazz-rock e discos com capas psicodélicas.

Música

Além de inúmeras fotos e vídeos, a música está amplamente presente durante todo o percurso da mostra.

A Cité de la Musique criou "salas acústicas" com músicas emblemáticas de cada um dos períodos de sua carreira.

O visitante também pode conectar um fone de ouvido em diferentes pontos da exposição para ouvir discos completos.

Alguns espaços também retratam o clima dos grandes shows, com sons ao vivo das apresentações.

Várias obras de arte, como quadros e esculturas que pertenceram a Miles Davis, também são expostas na mostra.

We Want Miles fica em cartaz até o dia 17 de janeiro do ano que vem.

VEJA AS FOTOS.

sábado, 17 de outubro de 2009

Escândalo no futebol do Maranhão


O Maranhão entrou no mapa do futebol mundial com o escândalo que foi a rodada final do campeonato da segundona local, disputada quinta-feira. O tradicional Moto Clube, de São Luís, e o Viana disputavam a segunda e última vaga para subir à Primeira Divisão contra, respectivamente, o já classificado Quitéria e o Chapadinha, num torneio só com quatro times.

As duas equipes estavam empatadas em pontos, mas o time da capital, que havia sido rebaixado este ano, tinha melhor saldo, com dois gols a mais. No pequeno Estádio Daniel Filho, com capacidade para 3.265 pessoas, o Viana, que jogava em casa, vencia por 2 a 0 até os 35 minutos do segundo tempo. Enquanto isso, na capital, o Moto Clube ganhava por 3 a 0 do Quitéria, que havia começado o jogo com o presidente clube e prefeito da cidade, Menin Leal, de 52 anos. na equipe.

Foi aí que tudo começou. No Daniel Filho, os jogadores do eliminado Chapadinha pararam de correr. Resultado: o Viana fez nove gols em nove minutos, obtendo a vitória por 11 a 0. No primeiro turno, haviam empatado em 0 a 0.

Em São Luís, o Moto Clube teve três pênaltis marcados ao seu favor. Fez dois e perdeu um nos últimos dez minutos, e ganhou por 5 a 1, mas não superou o rival, o Viana, no saldo de gols.

O presidente do Viana, José Carlos Costa, não viu nada de anormal na partida: ''Foi normal o resultado. Assim como o Viana ganhou, o Chapadinha poderia ter vencido''. O presidente da Federação, Alberto Ferreira, disse que o caso ''desmoraliza'' o futebol local. Foi aberta sindicância.

Correio do Povo

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Os substitutos da mídia impressa, afinal, quem seriam, onde estao?


Tudo está acontecendo muito rápido - enquanto a mídia impressa morre aos poucos, redaçoes inteiras evaporam e os sites discutem se devem ou nao cobrar por conteúdo. Nesse meio tempo, mais silenciosamente, um outro mercado vai surgindo - o dos e-readers. Enquanto ninguém dá muita bola pra eles ou pensa que servem apenas para a leitura de livros, as empresas, sem muito alarde, apostam nesse aparelhinho como o salvador da pátria. Vc sabia que, além do Kindle (Amazon), já existem alguns outros modelos de e-reader sendo desenvolvidos e testados? Pois entao - o destino dos jornais e das revistas pode estar neles, e nao nos sites, e pode ser q isso que isso aconteça. Quando a mídia online resolver decidir se cobra ou nao pelo seu conteúdo já pode ser tarde demais, e todo mundo vai estar lendo o jornal no seu e-reader.

Visite BLUE BUS.

Brasil é líder no combate à fome entre emergentes


O Brasil é líder no combate à fome entre os países em desenvolvimento, de acordo com um ranking elaborado pela ONG antipobreza Action Aid e publicado nesta sexta-feira para marcar o Dia Mundial da Alimentação.

Segundo o documento, o país demonstra “o que pode ser atingido quando o Estado tem recursos e boa vontade para combater a fome”.

A lista foi elaborada a partir de pesquisas sobre as políticas sociais contra a fome em governos de 50 países. A partir da análise, a ONG preparou dois rankings – um com os países em desenvolvimento, onde o Brasil aparece em 1º lugar, e o outro com os países desenvolvidos, liderado por Luxemburgo.

Em último lugar na lista dos desenvolvidos está a Nova Zelândia, abaixo dos Estados Unidos. Entre os países em desenvolvimento, a República Democrática do Congo e Burundi aparecem nas últimas colocações.

Segundo a diretora de políticas da Action Aid, Anne Jellema, “é o papel do Estado e não o nível de riqueza que determina o progresso em relação à fome”.

Brasil

O documento elogia os esforços do governo brasileiro em adotar programas sociais para lidar com o problema da fome no país e destaca os programas Bolsa Família e Fome Zero.

“O Fome Zero lançou um pacote impressionante de políticas para lidar com a fome – incluindo transferências de dinheiro, bancos de alimentação e cozinhas comunitárias. O projeto atingiu mais de 44 milhões de brasileiros famintos”, diz o texto.

Segundo o relatório, o programa ainda ajudou a reduzir a subnutrição infantil em 73%.

A ONG afirma ainda que o Brasil é “exemplar” no exercício do direito ao alimento e cita a Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional (Losan 2006) e o Ministério do Combate à Fome como medidas de que exemplificam que o direito à alimentação está sendo cada vez mais reconhecido como direito fundamental.

Apesar do aspecto positivo, a ONG afirma que o Brasil “ainda tem áreas em que pode melhorar” e cita o desafio de incluir os trabalhadores sem terra e pequenos agricultores nos programas sociais de alimentação.

“É imperativo que famílias em pequenas fazendas também estejam protegidas da expansão dos enormes programas industriais de biocombustíveis do Brasil”, afirma o relatório.

Índia

Em segundo lugar no ranking dos países em desenvolvimento aparece a China, seguida por Gana (3º) e Vietnã (4º).

A Action Aid destaca a redução no número de famintos na China – 58 milhões em dez anos – e elogia os esforços do governo em apoiar os pequenos agricultores.

Em contrapartida, o documento critica a Índia onde, segundo o relatório, 30 milhões de pessoas teriam entrado para a taxa dos famintos desde a metade dos anos 90.

Além disso, a ONG destaca que 46% das crianças estão abaixo do peso e subnutridas no país.

“A fome existe não porque não há alimento suficiente na Índia, mas porque as pessoas não conseguem chegar até ele. O governo indiano enfrenta um enorme desafio para proteger os direitos dos pobres”, diz o texto.

Ricos

Não só os esforços e as políticas dos governos de países em desenvolvimento e mais pobres são criticados no documento divulgado nesta sexta-feira.

No ranking dos países desenvolvidos, atrás de Luxemburgo está a Finlândia (2º) e a Irlanda (3º), com a Nova Zelândia(22º) e os Estados Unidos (21º) nas últimas colocações.

A ONG acusa o governo neozelandês de ordenar cortes acentuados no incentivo oficial à agricultura e classifica o incentivo do governo americano à agricultura como “mesquinho”.

“A contribuição (desses países) para expandir programas de segurança social permanece insignificante”, diz o documento, agregando Grécia, Portugal e Itália.

bbc

Coelhos são queimados para gerar biocombustível


Coelhos estão sendo usados como matéria-prima para a produção de biocombustível para o aquecimento de casas na Suécia.

Os corpos de milhares de coelhos são queimados em uma usina de geração de energia na região central da Suécia.

Os animais vem da capital sueca, Estocolmo. A Prefeitura mata milhares de coelhos anualmente para proteger parques e campos na cidade.

As espécies de coelhos não são nativas da Suécia. De acordo com as autoridades, os coelhos sujam muitos dos espaços verdes da capital.

Como não há animais predadores de coelhos em Estocolmo, a Prefeitura contrata caçadores para matá-los.

Leia mais AQUI.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

RESOLVIDO O PROBLEMA DA GRIPE "SUÍNA"

SALARYMEN:

Empresa no Japão inventa terno anti-H1N1

Uma companhia japonesa garante que desenvolveu um terno que protege a pessoa do vírus da gripe suína

por Redação Made in Japan

Uma companhia japonesa garante que desenvolveu um terno que protege o usuário do vírus da gripe suína.

A empresa Haruyama Trading produziu 50 mil peças e as colocará à venda no Japão a partir desta quinta-feira 8, pelo equivalente a 1.143 reais.

Conforme explicou o porta-voz da empresa, Junko Hirohata, ao site Telegraph, o terno é revestido de dióxido de titânio, que mata o vírus. O composto é um ingrediente comum em cremes dentais e cosméticos.

Aparentemente, os ternos não apresentam diferença em relação aos usados pelos trabalhadores de escritório no Japão, conhecidos como “salarymen”. A roupa ainda está disponível nas cores cinza, carvão, azul-marinho e cinza risca-de-giz.

SÍNTESE DA PUBLICIDADE



VISITE BLUE BUS.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Rio 2016: A política no centro da vitória brasileira


por Tarso Genro*

Engana-se quem pensa que a escolha do Rio de Janeiro para sediar as olimpíadas de 2016 tenha obedecido a critérios meramente “técnicos”; seja na área dos transportes, infra-estrutura, logística, setor hoteleiro etc. Pude constatar que a escolha de um país para sediar os Jogos Olímpicos é uma decisão principalmente política. Trata-se da definição de um grande evento econômico e esportivo internacional, permeada por relações políticas e diplomáticas, que expressam um pedaço do cenário geopolítico mundial. A vitória do Brasil, além do esforço de autoridades desportivas e personalidades do esporte nacional, foi fruto do prestígio internacional do Presidente Lula e do sucesso de seu governo.

A delegação brasileira que vivenciou a emoção da escolha do Rio em Copenhague era, de longe, a mais vibrante e articulada. O excelente trabalho de preparação, liderado pelo Ministro do Esporte, Orlando Silva, foi coroado pelo brilhante desempenho da comitiva brasileira, tendo à frente o Presidente Lula. Este desempenho foi decisivo para o convencimento dos “eleitores” indecisos nos momentos finais da escolha. A presença do Presidente do Banco Central do Brasil, Henrique Meirelles, reforçou a impressão já consolidada de que o Brasil foi um dos países mais bem sucedidos no enfrentamento à crise econômica. A expectativa de o país se tornar a quinta economia do mundo na próxima década serviu para soldar a confiança nas instituições do país.

O tema da segurança foi rapidamente superado, a partir da exposição consistente de uma estratégia, já testada, de segurança em grandes eventos e, também, em função do compromisso do governo federal com a consolidação das diretrizes do Pronasci. A firmeza do governador Sergio Cabral quanto ao aprofundamento das experiências de policiamento comunitário no Rio deslocou, rapidamente, o tema da segurança para um patamar secundário.

O equilíbrio institucional entre as três esferas de governo e a unidade político-administrativa dos entes federados foi um trunfo inestimável. Mais uma vez, atestamos o quanto fez bem ao Rio de Janeiro a superação da antiga visão paroquial, que afastou o Rio dos grandes temas nacionais por tantos anos. O Rio de Janeiro, mais do que nunca, demonstrou a força de seu reposicionamento na Federação e novas perspectivas se abrem agora para a retomada do Rio como ator decisivo para a consolidação da República e da democracia em nosso país.

Foram decisivas a altivez da política externa do Brasil, a solidez de nossa economia, o papel de liderança regional e a consistência de nossas instituições democráticas. A política presidiu a vitória brasileira. E não se trata aqui de pretender angariar algum dividendo eleitoral com esta afirmação. Certamente, não será este fato o que decidirá as eleições presidenciais de 2010. Até por que todas as correntes políticas e ideológicas apoiaram a candidatura do Rio. O que, no entanto, não pode deixar de ser dito neste momento, é que o país venceu por que sua estatura internacional foi profundamente alterada nos últimos anos.

A imagem do Brasil no exterior não é mais a de uma promessa bloqueada pela mediocridade de seus governantes. O país é hoje protagonista dos grandes temas mundiais. Já houve quem dissesse que, dentre os Brics, o Brasil é o país com maior potencial, pois é o único a reunir crescimento econômico, imensas reservas energéticas e minerais e democracia consolidada.

Que as Olimpíadas de 2016 simbolizem o ponto culminante desta grande virada do país rumo a uma sociedade justa, equilibrada e plenamente desenvolvida.

*O Ministro da Justiça, Tarso Genro, integrou a comitiva brasileira que acompanhou a vitória do Rio em Copenhague.

Visite Leitura Global

O Verdadeiro Grande Irmão


Site permitirá a internautas monitorar circuitos fechados de TV

Um novo site que será lançado em novembro na Grã-Bretanha permitirá aos internautas monitorar imagens de câmeras de circuito fechado de TV, usadas em sistemas de vigilância.

O site Internet Eyes (“Olhos da Internet”, em tradução livre), oferecerá prêmios em dinheiro de até mil libras (cerca de R$ 2,8 mil) para quem, por meio das câmeras, conseguir flagrar crimes sendo cometidos.

Cada usuário poderá se cadastrar gratuitamente no site e monitorar até quatro câmeras a partir de seu próprio computador, 24 horas por dia.

Se perceber algo suspeito, o internauta poderá enviar notificações, que serão então mandadas por mensagem de texto com a imagem aos celulares dos donos das câmeras.

Os usuários receberão então pontos pelas imagens suspeita e pelos crimes detectados, que poderão então ser trocados por dinheiro.

Segundo o site, o sistema poderá ajudar lojas a reduzir furtos, além de ajudar a detectar crimes de vandalismo, roubos e comportamentos antissociais.

Os donos das câmeras, como empresas, prefeituras e até mesmo a polícia, poderão contratar o serviço por uma taxa semanal equivalente a R$ 50.

4,2 milhões de câmeras

“Isso não é um jogo, é algo dissuasivo. Quando as pessoas virem o sinal de que o Internet Eyes patrulha uma câmera, saberão que alguém estará assistindo”, disse à BBC Brasil o criador do site, Tony Morgan. “Atualmente, as pessoas ignoram as câmeras.”

Segundo ele, os usuários receberão imagens de quatro câmeras de locais diferentes, e não saberão onde elas são localizadas.

A Grã-Bretanha é um dos países com o maior número de câmeras de circuito fechado do mundo. Entretanto, a enorme maioria delas não é monitorada constantemente.

“As câmeras já estão lá. O que estamos fazendo é assisti-las. E eu acho que as pessoas estão cansadas de furtos em lojas, crimes nas ruas, e vandalismo”, disse Morgan.

“Existem cerca de 4,2 milhões de câmeras de circuito fechado de TV na Grã-Bretanha”, diz o site.

“Pelo menos 90% delas não estão sendo monitoradas a qualquer momento. Nós somos filmados em média 300 vezes por dia, mas o crime está aumentando e os índices de condenação caindo.”

Críticas

A ideia gerou críticas de grupos de defesa dos direitos humanos, que temem que o site possa criar uma nação de bisbilhoteiros e dar margem a abusos das liberdades civis.

“As liberdades civis geralmente nos protegem dos excessos do Estado, mas como ficaremos protegidos quando são cidadãos espiando uns aos outros”, disse à BBC Charles Farrier, da organização No CCTV (“Não ao Circuito Fechado de TV”, em tradução livre).

“Essa é uma companhia privada usando o sistema, usando câmeras privadas e cidadãos privados assistindo essas imagens. Em outras palavras, o que estamos observando aqui é a privatização do Estado de vigilância”, disse.

Morgan rebateu as críticas.

“As pessoas não têm que assistir, só assistirão se quiserem. Se elas quiserem assistir o programa Big Brother depois que todos foram dormir, irão assistir”, disse.

“E se você está cansado dos índices de criminalidade aumentando, está cansado de pagar mais por suas compras do que precisa porque há cerca de 10% de perdas por atividades criminosas, por que não deveria delatar isso?”

bbc

Bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, protesta

Selva de Pedras:

Moradores do bairro Cidade Baixa, na Capital, promoveram ontem novo protesto contra a construção de um prédio na rua Lima e Silva. Eles condenam o tamanho da construção, que denominam de 'espigão', e denunciam o corte de árvores. Com faixas e cartazes, o grupo bloqueou parte da pista da rua Lima e Silva.

Segundo o coordenador do Movimento Cidade Baixa Vive, Philip de Lacy White, o prédio prejudicará a visibilidade de moradores, especialmente os da rua Alberto Torres. 'Vai tirar toda a luz dessas pessoas', disse.

Correio do Povo

Pepsi japonesa lança refrigerante de feijão

Feijão Azuki:

Depois de lançar sabor de shiso, em junho, a Pepsi japonesa lançou um novo sabor “exótico”: azuki, o tradicional feijão doce japonês.

De acordo com um release divulgado pela Suntory, a distribuidora da Pepsi no Japão, o novo sabor lança em 20 de outubro pelo preço de 140 ienes, ou cerca de 2,79 reais.

Made in Japan

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Brasil anuncia-se como credor do FMI


O ministro da Economia, Guido Mantega, anunciou formalmente que o Brasil é credor de 10 mil milhões de dólares em bónus do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Trata-se da primeira vez na história que o Brasil deixará a condição de devedor para assumir o papel de credor da instituição financeira internacional.

O anúncio foi feito pelo ministro brasileiro, durante encontro com o director-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, na Turquia, informou a estatal Agência Brasil.

Guido Mantega oficializou a decisão do Governo brasileiro de assinar um Acordo de Compra de Notas (ACN) com o FMI, no valor de 10 mil milhões de dólares (6,82 mil milhões de euros).

Em Abril deste ano, o FMI convidou o Brasil a fazer parte dos países credores da organização multilateral e o governo brasileiro aceitou a proposta.

A operação da aquisição de bónus do FMI é lastreada em Direito Especial de Saque (DES), uma espécie de moeda do fundo, com juros pagos trimestralmente, baseados na taxa estabelecida pela instituição.

Essa taxa de juro é a média ponderada das taxas de juros de curto prazo dos Estados Unidos, da Zona do Euro, do Japão e Reino Unido, e actualmente está em 0,25 por cento.

O Ministério da Economia salientou num comunicado que o Brasil, apesar da crise económica global, não precisa de apoio financeiro do FMI e está em condições de emprestar recursos à instituição.

O comunicado sublinhou que o ACN é parte da decisão de ampliar a capacidade de empréstimo do FMI, conforme acordo dos líderes do G20.

jn

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Brasil ganha forma de borboleta em 'mapa demográfico'



Geógrafos da Universidade de Sheffield, na Grã-Bretanha, desenvolveram um projeto pelo qual os mapas de vários países são redesenhados de acordo com sua concentração populacional.

Para Benjamin David Henning, um dos idealizadores do projeto Worldmapper, as imagens permitem a compreensão visual dos recursos e fluxos mundiais.

O projeto também gera mapas de acordo com centenas de outros fatores, como idade, origem populacional, idioma falado, renda etc.

"É uma maneira mais fácil de identificar como melhorar os problemas enfrentados pelos países ou diferentes regiões do mundo", explica.

bbc

Socialistas têm vitória folgada em eleição grega

ACROPOLIS:

Por Dina Kyriakidou

ATENAS (Reuters) - Os socialistas gregos obtiveram no domingo uma ampla vitória eleitoral, com promessas de mais impostos e gastos públicos para enfrentar uma crise econômica que o atual governo conservador foi incapaz de resolver.

Num confronto entre herdeiros de dinastias políticas importantes, o líder do Partido Socialista Pan-Helênico (Pasok), George Papandreou, conseguiu chegar ao poder em sua terceira tentativa, depois das derrotas de 2004 e 2007. Ele derrotou o atual primeiro-ministro Costas Karamanlis.

Militantes socialistas comemoraram enchendo o centro ateniense com bandeiras verdes, dançando, gritando e tocando tambores e buzinas.

"Hoje mudamos o rumo da Grécia e das nossas vidas. Hoje começamos um grande esforço nacional para colocar o nosso país num rumo de recuperação, desenvolvimento e criação", disse Papandreou a jornalistas, após declarar vitória diante de uma entusiasmada multidão.

Projeções do Ministério do Interior apontam uma ampla maioria parlamentar do Pasok, num país que é visto como o elo mais fraco da zona do euro.

Papandreou, 57 anos, prometeu um pacote de estímulo de 3 bilhões de euros (4,36 bilhões de dólares), com uma política de taxar mais os ricos e ajudar os pobres. Já Karamanlis, 53 anos, propunha mais dois anos de austeridade.

O atual premiê admitiu a derrota, cumprimentou o rival e renunciou à liderança do seu partido. "Nosso governo enfrentou a tempestade da mais séria crise do pós-guerra (...). Os cidadãos não aprovaram meu plano", disse ele a jornalistas.

Com 50 por cento dos votos apurados, o Pasok tinha 43,6 por cento dos votos, e a Nova Democracia, de Karamanlis, tinha 35. Pela projeção do ministério, os socialistas terão 160 das 300 cadeiras parlamentares.

"Sentimos que um peso pesado foi suspenso", disse a militante socialista Litsa Moraitou, 55 anos. "(Os conservadores) prometeram combater a corrupção, mas foi mentira. Agora podemos novamente ter esperança."

Nascido nos EUA, Papandreou, um político de discurso brando, lutou para escapar à sombra do seu legendário pai, o falecido Andreas Papandreou, fundador do Pasok. Karamanlis, orador inflamado, é sobrinho do veterano estadista Constantine Karamanlis.

O resultado eleitoral deve agradar os mercados, "não porque tenhamos preferência entre os dois partidos, mas porque um novo governo com maioria parlamentar terá um mandato revigorado para buscar seu programa ao longo de um mandato de quatro anos", segundo Alexander Moraitakis, presidente da SMEHA, entidade que reúne corretoras de valores locais.

(Reportagem adicional de Renee Maltezou)

domingo, 4 de outubro de 2009

FOSSA OLÍMPICA



VISITE O BLOG DO KAYSER.

A los 74 años, falleció en Buenos Aires la cantora Mercedes Sosa


La gran cantante argentina Mercedes Sosa -quizás, para muchos, la mejor de la historia del país- falleció en el Sanatorio Trinidad de la Ciudad de Buenos Aires. La tucumana tenía 74 años, sufría un problema hepático pulmonar y se encontraba en coma farmacológico, con asistencia respiratoria mecánica, desde el jueves.

Haydée Mercedes Sosa -ese era su nombre completo- había comenzado el 2009 con reiterados problemas de salud. El 30 de marzo debió suspender la presentación ante la prensa de su último disco, Cantora. Al principio se habló de una gripe, pero luego se confirmó una neumonía. "Mi madre tiene 73 años, es una persona mayor y necesita ciertos cuidados especiales", declaró entonces Fabián Mathus, su hijo.

En julio último, pocos días después de cumplir 74, "La Negra" volvió a ser internada en el Sanatorio Trinidad, y luego de que le dieran el alta, la recuperación no fue tan buena como se esperaba.

Fabián, otra vez y como lo hizo hasta el último día, intentó explicar lo que sucedía: "Cuando salió de la clínica los médicos dijeron que necesitaba mucho descanso, nada de actividad laboral y seguir tomando antibióticos. Pero la verdad es que esto se está haciendo muy largo y los resultados no son los que los médicos anunciaban en un primer momento". Este viernes el Padre Farinello le dio la extramaunción.

El último 18 de septiembre, Mercedes entró por última vez al Sanatorio Trinidad. Su estado fue reservado desde la primera noche y, con el correr de los días, la partida de "La Negra" ya parecía inevitable. El jueves, con algo de resignación y anticipando el final, Fabián Mathus solamente pudo decir: "Es momento de oración".

TRAJO A UN PUEBLO SU VOZ. Mercedes Sosa nació en San Miguel de Tucumán el 9 de julio de 1935 y, desde 1962 hasta 2009, editó 47 discos, siendo el primero de ellos La voz de la zafra. Su carrera comenzó bajo el nombre de Gladys Osorio, cuando junto a su marido, Manuel Oscar Matus, y a Armando Tejada, se convirtieron en símbolos del "Movimiento del nuevo cancionero".

Ya en 1965 su verdadero nombre era muy conocido. Fue ese año en el que por primera vez subió al escenario en el Festival de Cosquín, invitada por Jorge Cafrune. Apenas dos años más tarde realizó su primera gira por Estados Unidos y Europa. La cálida voz de "La Negra" comenzaba a seducir a todo el mundo y el camino a la fama era irreversible.

En 1970, además de editar dos discos con Ariel Ramírez y letras de Félix Luna, realizó el homenaje a Violeta Parra que inmortalizó en el inconsciente colectivo argentino Gracias a la vida. Pero durante esa década, que parecía rendida a sus pies, Mercedes sufrió dos grandes golpes: , la muerte de su marido y el exilio durante la dictadura militar; todo en un año, 1978.

"La Negra" regresó al país en 1984. Había hecho una breve escala en 1982 para cantar, pero según ella misma contó, "el general Lacoste dijo: '¿Quién dio permiso a Mercedes Sosa para estar en mi país?'" y ella se fue todo lo rápido que pudo.

Esos años de exilio la marcaron tanto que fueron el motivo por el cual lloró por única vez en un escenario. En una entrevista realizada por Víctor Amela, confesó: "¡Cometí el peor de los errores que pueda cometer un artista! Porque cuando subes al escenario debes ser poderoso, dominar, y no ser juguete de tus sentimientos. Cantaba Volver a los 17 y pensé en mi nieta, que la había dejado con 3 años al exiliarme. Ese día ella cumplía 17 años".

La fama, a Mercedes, nunca acabó de agradarle. Sí por el cariño de su público, pero nada por mantenerla tanto tiempo alejada de Tucumán. "Recuerdo a una amiga que me decía: 'Me muero por ir a Buenos Aires' y sigue en Tucumán. Y yo, ¡le juro que no me apetece nada ir a India, a Pekín! Son cosas que no he buscado. Yo no he buscado nada en la vida", declaró en la misma entrevista.

Tras una fuerte depresión de cinco meses en 2001, "La Negra" dejó una de sus mejores autodefiniciones: "Nací en Tucumán y vivo en Buenos Aires. Soy cantante. Soy viuda. Tengo un hijo, Fabián Ernesto y dos nietas, de 23 y 14 años. Soy cáncer. Conduzco un Audi chiquito. He estado muy enferma y me he reencontrado con Dios. Soy progresista. Soy embajadora de Unicef".

Así, sin grandilocuencias, porque eso de "la voz de América" para ella era "rimbombante": "Quien dice eso no conoce América Latina. Es un continente enorme, diverso, variado. Hay mil voces, no una".

Creyente fiel, Mercedes Sosa confiaba en que su madre la estaba esperando "allá". Ahora ya lo sabe. Si pueden estar otra vez juntas, seguro elijan estar en Tucumán.

Crítica Digital

É HOJE!

sábado, 3 de outubro de 2009

Fazendo um brinde à cerveja


Correio do Povo

Apreciadores de uma boa ''loira gelada'' podem comemorar e curtir o próximo verão na companhia dela com a consciência mais leve. Pesquisas recentes, realizadas em institutos de vários países, afirmam que a cerveja faz bem à saúde. Uma das bebidas mais consumidas do planeta, ela estaria associada a um risco 30% menor de contrair a doença de Parkinson, e também proporcionaria melhoria nos estados de ansiedade e depressão. Segundo a Enciclopédia Larousse da Cerveja, até a resistência contra infecções é aumentada com o consumo dela. Também é um alimento seguro do ponto de vista sanitário, pela ausência de micro-organismos patogênicos. Por ser uma bebida alcoólica, no entanto, exige parcimônia na ingestão; é importante conhecer bem suas propriedades para usufruir dos benefícios de forma responsável e segura.
De acordo com o Scientific Institute for Public Health Louis Pasteur, da Bélgica, cerveja e obesidade não se relacionam; em pesquisa com grupo controlado por um ano, o subgrupo dos bebedores de cerveja era menos obeso que o dos abstêmios. É necessário, porém, prestar muita atenção aos petiscos consumidos com a bebida, normalmente muito calóricos. Nutritiva, a cerveja tem lúpulo – sedativo suave e estimulante do apetite –, ácido fosfórico, benéfico para a pele; vitaminas do complexo B; ácido fólico; polifenóis; além de ter pronunciado efeito diurético.
Segundo o professor de Fisiologia do Exercício da Universidade de Barcelona, Juan Ramon Cairo, o consumo frequente não deve ultrapassar duas a três latas para homens e uma a duas latas para mulheres, ao dia.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

EUA negaram homenagem a criadora de Harry Potter por 'bruxaria'


Um ex-autor de discursos do ex-presidente americano George W. Bush revelou que o governo dos Estados Unidos vetou uma homenagem à autora da série de livros sobre o mago Harry Potter, JK Rowling, porque alguns políticos achavam que ela incentivava a bruxaria.

Matt Latimer afirmou em seu livro Speechless: Tales of a White House Survivor ("Sem Fala: Contos de um Sobrevivente da Casa Branca", em tradução livre) que alguns integrantes do próprio governo Bush acreditavam que a escritora britânica promovia a feitiçaria nos livros.

Como resultado, Rowling nunca foi condecorada com a Medalha Presidencial da Liberdade.

A condecoração reconhece a contribuição dos agraciados para os interesses nacionais dos Estados Unidos, paz mundial ou esforços culturais.

“Pensamento limitado”

Entre os escritores que já receberam o prêmio estão John Steinbeck e Harper Lee.

No seu livro, Latimer escreve que o "pensamento limitado" levou a esta medida das autoridades da Casa Branca.

O autor afirma ainda que o governo Bush também negou a comenda a outras pessoas como, por exemplo, o senador democrata Edward Kennedy, que morreu em agosto deste ano.

Latimer alegou que o político veterano de uma das famílias políticas mais tradicionais e famosas dos Estados Unidos foi excluído da homenagem por ser considerado liberal demais.

PARA COMEÇAR BEM O DIA


Correio do Povo, 1º de outrubro de 2009:

Yeda fará palestra nos Estados Unidos sobre ajuste fiscal

Convidada para falar na Universidade de Ilinois sobre Ajuste Fiscal, a governadora Yeda Crusius (PSDB) aproveitará a viagem aos EUA, em outubro, para conversar com diretores do Banco Mundial e integrantes da Agência Norte-Americana para o Comércio e Desenvolvimento (USTDA).


Pelé comete gafe em coletiva na Dinamarca

O Rei Pelé arrancou risos ontem em Copenhague ao ser questionado sobre a ausência do ex-astro do basquete Michael Jordan na campanha de Chicago à sede dos Jogos de 2016. Ele confundiu o ex-ídolo do Chicago Bulls com o cantor Michael Jackson, morto há três meses. O Atleta do Século teve que ser corrigido pelos organizadores do evento e tentou descontrair, mas não conseguiu disfarçar seu constrangimento com a gafe.

'Não sei se entendi a pergunta. Se tiver que morrer pelo esporte, vou morrer. Eu faço o melhor pelo Brasil. Mas não posso falar pelo Michael Jackson.'
Pelé, o Rei do Futebol,fazendo confusão com Michael Jordan

Promotor quer ladra de roupas da Daslu na delegacia, nao no psiquiatra

Proprietária da Daslu:

O promotor Mauricio Ribeiro Lopes, do 1º Tribunal do Júri de SP, encaminhou representaçao à promotora Valéria Maiolini, supervisora da Central de Inquéritos Policiais do Ministério Público, para que ela abra investigaçao sobre o furto de roupas na Daslu pela alta funcionária de uma joalheria - "Em Salvador, um pobre coitado foi assassinado dentro de um supermercado da rede Pao de Açúcar pela subtraçao de três míseros pedaços de queijo. Agora, uma ricaça furta valiosas peças de roupas da Daslu e vai para o psiquiatra ao invés de ir para a delegacia? O crime de furto ainda é digno de açao penal pública e tem que ser assim para todos", escreveu num despacho enviado à promotora.

Blue Bus