segunda-feira, 31 de agosto de 2009

AUTORIDADES GANHAM CERCADINHO EM ESTEIO


DENISE NUNES, para Correio do Povo, 31 de agosto de 2009

O rigor adotado na segurança da governadora Yeda Crusius pode ser constatado na Expointer. O público ficou afastado do palanque das autoridades, distanciado por um cercadinho. O policiamento também foi mais ostensivo, com cerca de 60 brigadianos. Além disso, a governadora não falou com a imprensa na abertura do evento.

Comentário do Blog: Se os demais animais devem permanecer nos cercados, nada mais adequado.

sábado, 29 de agosto de 2009

Mercan Dede - Istanbul

UNIDOS PARA LA FOTO

DANIEL PAZ & RUDY:

Por Daniel Miguez, para Página/12
Desde San Carlos de Bariloche

Las bases están. Y no hay vuelta atrás. Eso quedó en claro en las palabras del presidente de Colombia, Alvaro Uribe, por lo que los esfuerzos para mantener en pie la Unasur se concentraron, finalmente con éxito, en consensuar un documento que señaló que “la presencia de fuerzas militares extranjeras no pueden amenazar la soberanía de cualquier país sudamericano” y habilitó al Consejo de Defensa del organismo a inspeccionar la actividad de las tropas estadounidenses y sus radares, aviones y armamentos en las bases militares colombianas. Lo mínimo pero suficiente como para poder mostrar que Unasur, aún con dificultad, sigue respirando. Fue al cabo de una tensa reunión de más de siete horas sin recesos, y bastante desvirtuada por la televisión en directo, a la que se opuso sin éxito el brasileño Luiz Inácio Lula da Silva.

La tensión precedió al comienzo formal de la cumbre. Quedó en evidencia cuando la presidenta Cristina Kirchner recibió a los presidentes en la puerta del Hotel Llao Llao, bajo una lluvia que no cesó en todo el día. No estaban Uribe, Lula, ni el venezolano Hugo Chávez, tres de los actores principales. Lula y Chávez mantenían en ese momento una bilateral para acercar posiciones y Uribe, cuando ya Cristina hablaba en la apertura de la cumbre, fue a la sala de prensa a denunciar que habría censura porque el debate no sería televisado en directo. Fue una forma de presionar, porque ése fue el primer punto que tuvieron que decidir los presidentes: finalmente aceptaron la televisación en directo. Lula no dijo nada, pero cuando le tocó hablar se quejó porque la modalidad hacía que los presidentes hablaran para sus electorados y no lo hacían con franqueza.

Cristina comenzó pidiendo abordar “con mucha responsabilidad histórica” la reunión, cuyo final estaba previsto para las 13.30 y terminó cuatro horas después. “No puede haber peor fotografía que aquella de Quito (la cumbre del 10 de agosto) donde no había estado el presidente de Colombia y hubo algunas expresiones altisonantes”. Era un llamado a evitar el fracaso de la cumbre. Cuando a las 19 salió a hablar con la prensa, la Presidenta consideró que se logró el objetivo. Unasur seguía vivo.

Hubo dos etapas en la maratón de discursos. Las primeras cuatro horas fueron más o menos tranquilas. “Veo avances y frutos concretos en la integración de los países de la Unasur. Veo también signos de esperanza, como esta reunión, donde estamos procesando dudas e incertidumbres en forma diplomática y fraterna”, dijo Correa al hablar después de Cristina como presidente pro témpore del organismo.

Luego, Correa invitó a los presidentes a exponer sus posiciones. El silencio indicaba que nadie quería ser el primero. “Si nadie quiere hablar levantamos la sesión”, bromeó. Tomó el reto Uribe, para afirmar que la ayuda militar estadounidense es “práctica y eficaz” y que “esa eficacia es lo que estamos dispuestos a examinar con ustedes en esta reunión de hoy de Unasur”. “El acceso de los Estados Unidos para ayudar a Colombia en la lucha contra el narcoterrorismo es un acceso sin renuncia de Colombia a la soberanía sobre un milímetro del territorio”, aseguró Uribe, mientras un Lula molesto golpeaba los nudillos de su mano derecha contra la mesa.

Después pidió que Unasur considere a las FARC como un grupo terrorista. “Nos preocupa muchísimo que a estos grupos se les encuentren armas provenientes de otros países. Pedimos que se responsabilicen y se investiguen esos casos”, completó, con un dardo que apuntaba a Chávez.

Uribe terminó su exposición sin petardos y lo siguió en el uso de la palabra el uruguayo Tabaré Vázquez, quien dijo que “Uruguay aboga por la soberanía, por eso rechazamos la instalación de bases extranjeras” y recordó que recientemente su país rechazó que un avión británico cargara combustible en su viaje a las Islas Malvinas.

“Qué bien que estemos todos”, exclamó Chávez cuando arrancó. En tono moderado dijo que “sería necesario tener el texto del convenio” de Colombia con Estados Unidos para saber de qué se estaba hablando “ya que el tema central es la instalación de siete bases militares norteamericanas en Colombia”. Después leyó párrafos del “Libro Blanco” del Comando de Movilidad Aérea del Comando Sur de Estados Unidos donde, según interpretó, se detalla la estrategia estadounidense para la región, a la que consideró claramente amenazante.

Luego hablaron el peruano Alan García y el boliviano Evo Morales, que tuvo palabras duras hacia Uribe y Estados Unidos. Les siguió la chilena Michelle Bachelet para solicitar “moderación y vocación integracionista”, para poder lograr “acuerdos que se cumplan y no que si a alguien no le gusta lo que se decide se va”. “El futuro de Unasur depende de nuestra voluntad política, y espero que podamos avanzar y superar el ánimo de crispación que hemos visto en los últimos días”, señaló.

Lula se reservó para cerrar la ronda. “Muchas veces nos pedimos mucho a nosotros mismos y eso no permite que veamos la calidad de los avances políticos que ya conseguimos en Sudamérica”, comenzó y en la misma línea recordó que “hasta hace poco la doctrina establecida en Sudamérica era la que nosotros éramos enemigos los uno con los otros y que nuestros aliados estaban en Estados Unidos o en Europa”. “Yo no quería que se televise el debate porque estamos hablando para nuestro público y no aparecen las diferencias profundas. Yo no quería aparecer antidemocrático con la prensa, y ahora estoy aquí buscando las palabras más adecuadas”, se quejó.

Después subió un escalón en sus críticas a Estados Unidos y se dirigió a Uribe. “El compañero Uribe intenta mostrar que las bases estadounidenses ya existen en Colombia desde 1952, yo le quiero decir de manera muy cariñosa, que si todavía no solucionaron el problema (la lucha contra la guerrilla y el narcotráfico) debemos repensar qué otras cosas podemos hacer en Unasur para solucionar el problema”.

“Los grandes consumidores de droga no están en nuestro continente. Sería bueno que en vez de combatir el narcotráfico dentro de nuestras fronteras que lo hagan dentro de sus fronteras, pero los consumidores son electores”, siguió punzante Lula. Finalmente advirtió sobre el peligro del aumento de presencia estadounidense en Colombia: “Tendríamos que tener las garantías de que es algo específico del territorio colombiano”. También repitió su propuesta de pedirle a Obama una reunión para que aclare las intenciones de Estados Unidos hacia la región, algo que no pudo ser consensuado y no quedó asentado en el documento final.

Lula cerró llamando otra vez a la moderación al decir que “la única manera para evitar conflictos entre nosotros es que nos contengamos en nuestra palabras, en política la palabra tiene un poder impresionante”.

Pareció una advertencia sobre lo que iba a venir. Porque cuando parecía que todo había acabado, pidió la palabra Correa y, apoyado en un Power Point, hizo lo contrario de lo que había pedido Lula. Con tono muy duro negó las acusaciones de que Ecuador protege a las FARC y a los narcotraficantes. “Ecuador es víctima porque el Estado colombiano no hace nada para solucionar el problema dentro de su territorio”. Después lanzó frases como “Colombia es el principal productor de droga en la región”; “hay plantaciones de coca al lado de la frontera con Ecuador y alrededor de una base militar”; “estos grupos (FARC y narcos) extorsionan a quinteros ecuatorianos”.

El clima volvía a ponerse espeso y se caía de maduro una respuesta fuerte de Uribe. El colombiano empezó contestándole a Lula: “No nos parece que tengamos que llamar a pedirle cuentas al presidente Obama”. Después defendió las bases militares, al decir que sólo habrá 800 militares estadounidenses y que actuarán exclusivamente en territorio colombiano. También dijo que estaba dispuesto a que el convenio con Estados Unidos sea “analizado” por el Consejo de Defensa de Unasur, pero “sin prescindir de la OEA”, donde Estados Unidos lleva la voz cantante. En el medio mostraba fotos de cadáveres, víctimas de las FARC y los narcos. A esa altura, el almuerzo había sido suspendido y cada presidente comía en su asiento como podía. Llegaba el turno de Chávez que se salía de la vaina. Quizás también lo notó Cristina Kirchner, que le pidió una interrupción. Y lo usó para ponerles hielo a las palabras que se venían de la boca de Chávez.

Dijo que había que reencauzar la charla, habló de la necesidad de recomponer la confianza entre algunos presidentes y concluyó pidiendo que se firme un documento. Entonces Chávez, en un cambio evidente, sólo dijo que estaba dispuesto a firmar el documento si se respeta “un principio general en que las fuerzas extra regionales no afecten la soberanía de otros países”. La Unasur por ahora sigue a salvo.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Comissária da ONU quer investigação ampla sobre CIA


Por Stephanie Nebehay

GENEBRA (Reuters) - A alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay, defendeu nesta quinta-feira que as investigações sobre supostos abusos da CIA contra presos cheguem aos escalões políticos mais elevados.
...
Nesta semana, o Departamento de Justiça dos EUA nomeou um promotor especial para investigar as técnicas adotadas pela agência de inteligência dos EUA durante o governo de George W. Bush para interrogar suspeitos de terrorismo.

"Sempre que as pessoas estão sob jurisdição dos Estados Unidos, os Estados Unidos têm de ser vistos como mantenedores do altíssimo padrão que eles reivindicam para seus próprios cidadãos," disse Pillay à Reuters em seu escritório, com vista para o lago Genebra.

Ela afirmou que qualquer tortura ou morte infligida a suspeitos mantidos por autoridades dos EUA em qualquer lugar do mundo --inclusive na base militar de Bagram, no Afeganistão-- deveria ser incluída nessa investigação.

Questionada sobre se o inquérito deveria ir além de estabelecer a culpabilidade penal de interrogadores da CIA, Pillay respondeu: "Essa é a lei internacional a respeito da responsabilização --você não para na infantaria, vai direto até a autoridade máxima que for legalmente responsável."

"E isso inclui aqueles que conceberam a política, os que a ordenaram," prosseguiu Pillay, sul-africana de origem tâmil.

Membros do governo Bush, especialmente o ex-vice-presidente Dick Cheney, têm defendido as práticas adotadas pela CIA naquela época. Cheney diz que informações obtidas em interrogatórios agressivos foram úteis para evitar atentados e salvar vidas.

Leia a íntegra AQUI.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

“Ahora es cuando.”


Presidente da Argentina envia reforma da mídia para Congresso

Por Helen Popper

BUENOS AIRES (Reuters) - A presidente da Argentina, Cristina Fernandez, enviou na quinta-feira ao Congresso um projeto de lei para reformar a imprensa, dizendo que a legislação fortalecerá a democracia reduzindo o poder das poucas empresas que dominam a radiodifusão.

Muitas pessoas do meio concordam com a necessidade de reformular as regulamentações do setor, estabelecidas durante a ditadura militar (1976-1983), para refletir as grandes mudanças tecnológicas. Mas a proposta do governo provocou polêmica.

A presidente --que brigou com o Grupo Clarín, o maior conglomerado de mídia do país, e que com freqüência critica a imprensa-- disse que a nova lei de radiodifusão desafia o domínio das empresas privadas sobre as transmissões de rádio e TV.

"A liberdade de expressão não pode se tornar liberdade de extorsão e a liberdade de imprensa não pode ser confundida com liberdade para os proprietários da imprensa," afirmou ela num discurso no palácio presidencial.

"Esse projeto é para todos nós que queremos viver numa Argentina mais democrática e plural," acrescentou ela.

O projeto de lei da reforma, que já foi modificado depois que Fernandez o lançou em março numa série de fóruns nacionais, destina um terço das frequências de radiodifusão para empresas privadas, um terço para transmissoras estatais e o restante para organizações sem fins lucrativos, como igrejas e universidades.

Leia mais na Página/12.

Comentário do Blog: Um exemplo a ser seguido no Brasil.

Amorim alerta sobre acordo militar entre Colômbia e EUA


PARIS (Reuters) - O chanceler Celso Amorim manifestou nesta quinta-feira a preocupação do Brasil com relação ao acordo militar que permite aos EUA usar sete bases militares da Colômbia, e disse torcer para que o encontro regional de sexta-feira na Argentina resolva essa questão.

O acordo enfrenta forte resistência de alguns lideres latino-americanos, especialmente do venezuelano Hugo Chávez, que o aponta como uma agressão "imperialista".

Bogotá e Washington dizem que o acordo se destina a combater o narcotráfico e o terrorismo, e a Colômbia levou nesta semana à Organização dos Estados Americanos uma queixa contra a Venezuela por supostamente interferir nos seus assuntos internos.

Mas Amorim disse nesta quinta-feira, em Paris, que a Colômbia tem a obrigação de responder às preocupações de seus vizinhos.

"É claro que o Brasil respeita o direito soberano da Colômbia de assinar acordos internacionais que julgar relevantes para garantir a ordem em seu território", disse o ministro das Relações Exteriores numa conferência de embaixadores franceses em Paris.

"Mas, mesmo assim, a presença de bases estrangeiras na América do Sul desperta sensibilidades de uma natureza política e até psicológica, que devem ser levadas em conta", acrescentou.

Na opinião do chanceler, qualquer arranjo nesse sentido deveria conter garantias jurídicas quanto ao uso de pessoal e equipamentos estrangeiros.

Governantes sul-americanos se reúnem na sexta-feira na cidade argentina de Bariloche para discutir a questão. O Brasil convidou o presidente dos EUA, Barack Obama, para comparecer ao encontro e apresentar argumentos que tranquilizem os países da região.

Amorim disse que o encontro da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) será uma oportunidade para que a questão seja resolvida "de maneira cooperativa e pacífica."

(Reportagem de James Mackenzie)

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

COLÔMBIA


De músicos, animales y políticos

Desde Colombia, Omar Rincón se sirve de varias situaciones para explicar que los medios invitan a reír, a suspirar, nunca a pensar.

Por Omar Rincón *, para Página/12.
Desde Santafé de Bogotá

Escribo desde Colombia donde reina un señor que es una mezcla de señor feudal (tradición, familia y propiedad), con monseñor católico (él es dios y exige fe del pueblo), con el héroe telenovelero (dice tanto que nos ama que se lo terminamos creyendo)..., desde este reino más cerca de los Estados Unidos que de América del Sur...

En esta tierra es donde Juanes cree que “la música es paz” y no política...

En este país cuya campaña marca país es “Colombia es pasión”, donde las reinas tienen que ser vírgenes para participar en el reinado nacional de belleza, seleccionado por encuesta nacional como el evento cultural de Colombia... Y estas mismas mujeres, como la mayoría de las bellas colombianas (¡eso dicen los periodistas!), para sobrevivir deben adornar su cuerpo de silicona y coquetería... y esto no es realismo mágico sino cuento televisivo llamado Sin tetas no hay paraíso.

En esta patria famosa por el narco, el narco es parte de la vida cotidiana, vive a fondo y nos enseñó que “goza con todo mientras puedas porque morirás pronto...” y esto es la narcoestética que contamos con orgullo de seriado llamado El cartel de los sapos.

Pero no todo es reinas y narco, pasan más cosas alucinantes, casi de realismo mágico: Juanes el de “La camisa negra” y “A Dios le pido” de pronto y sin tener ideología se vuelve comunista... y las palomas y los hipopótamos sin saber cómo devienen terroristas...

Los músicos también son políticos

Juanes cree que “la música es paz” y no política... Juanes pensó que la música no tiene política, que “la música es paz”... y no es así: la música es política desde siempre. Pensar que la música es una no-ideología es una ingenuidad.

Y esa ingenuidad la pagará Juanes ante la sevicia del odio de los cubanos de Miami. Ellos, además de acusarlo de “rata soez”, lo boicotean como cantante y con un martillo (pero sin hoz) destruyen sus canciones. Y obvio, a los colombianos nos parece que eso está mal, muy mal... ¡qué chiquitos de cabeza esos cubanos de Miami!, pensamos. La ingenuidad de Juanes que lo llevó a pasar de “militarista de derecha” a “esbirro castrista”.

Pero llegando aquí, los seguidores de Juanes, que son los mismos que aman al señor Uribe, que se llaman a sí mismos “los buenos de este país”..., esos mismos usan las mismas tácticas de odio y agresión de los cubanos de Miami para con Chávez/Venezuela, Piedad/Colombia y Correa/Ecuador. Todo parece indicar que en el odio todos nos parecemos: somos primarios, queremos imponer nuestros prejuicios y buscamos desaparecer al otro.

Los animales también son políticos

Y nos contó la escritora colombiana Carolina Sanín que en la fábula los animales hablaban como hombres y servían para educar a los humanos, que las prácticas de caza servían de rituales para educar en el poder y en la guerra. O sea, que nos educamos vía los animales: para los pobres son representación de los humanos (¡brutos los pobres que creen que los animales hablan y parecen humanos!) mientras para los ricos los animales son entrenamiento en el ritual de la guerra (¡no hablan, mueren!). El asunto es que ya no estamos en épocas medievales ni nada que se le parezca, pero los animales siguen ins/cribiendo las historias de la identidad.

Colombia y su política es comedia animal. Las historias de la paloma y el hipopótamo son historias ejemplares de la guerra (ver: http://www.lasillavacia.com/elblogueo/rinconmagrini/la-paloma-y-el-hipopotamo-terrorista). Hace poco tuvimos una historia alu-ci-nan-te, una paloma mensaje fue presentada como terrorista. Su delito: llevaba celulares a una cárcel de máxima seguridad. Y salió fotografiada como criminal. Y las cámaras la grababan y ella no sabía bien qué pasaba. Faltó un periodista que la entrevistara. (¡No sabemos, pudo pasar!) Pero no bastaba con una paloma, se necesita algo más fuerte y espeluznante: un hipopótamo que fue propiedad del narcotraficante Pablo Escobar, que ante el abandono estatal del zoológico del capo, escapó y se fue de rumba por el río grande de Colombia, el Magdalena. La gente lo veía de vez en vez y lo soportaba y se había convertido en leyenda. Pero llegó la autoridad ambiental de Colombia y decidió que debería morir por “razones ambientales”. El ejército fue y lo masacró. Luego posaron con el hipopótamo muerto. Y se publicó la foto del hipopótamo asesinado por atentar contra la seguridad ambiental (ver: http://www.caracoltv.com/noticias/nacion/articulo145534-muerte-de-hipopotamo-escapo-de-napoles-fue-justificada). Lo curioso es que después el hipopótamo fue descuartizado y sus pedazos viajaron a diversos coleccionistas... del mundo. Lo paradójico es que Pablo Escobar, el capo muerto, y ahora su hipopótamo, fueron fotografiados de la misma manera, como trofeos del triunfo del bien militar.

Ya no presentamos niños, jóvenes, mujeres, paras, narcos, guerrillas como criminales..., ahora es el turno de los animales. Paloma terrorista. Hipopótamo que atenta contra la seguridad ambiental. Y los presentadores de televisión sonríen y los periodistas celebran y todos felices. ¡Hay noticia! ¿Qué estarán pensando la paloma terrorista y el hipopótamo antiecológico de nosotros los colombianos? ¡Que somos unos bárbaros! Todo en nombre de la seguridad... mediática.

Final feliz

Ya García Márquez nos alucinó por siempre. Tanto que cada vez más creo que el realismo mágico inventó el narco... Pareciera que los políticos, los gobiernos, los militares, los narcos, las reinas, Juanes actuaran un guión de realismo mágico. Tal vez por eso hay que aborrecer a las FARC, los paras y los corruptos porque ellos no se inspiran en García Márquez; su realismo no es mágico, es trágico, doloroso. Por eso gozamos tanto a las reinas, a Juanes y a los narcos, por su poder “mágico”.

Y es que es muy “mágico” que un cantante popular crea que no hace política con su música... y que una paloma sea terrorista... y que un hipopótamo sea antiecológico. Pero no nos alucina porque son muy nuestras. La verdad es que estas noticias, que parecen banales, sí retratan nuestra sociedad de la banalidad, los odios fáciles y los seriales de lo espantoso. Y de eso vivimos los medios. Ahí es donde los medios de comunicación gozamos: no hay qué pensar, sólo informar, la gente hablará y todos seremos felices por un ratico viendo cómo este mundo está tan loco. La banalidad grotesca encanta a los medios y a los periodistas y a nosotros los ciudadanos comunes. Así vivir y ser periodista en Colombia es una fiesta. Todo es para reír. Y esa es la clave de los medios en nuestros tiempo: hacer reír o en su defecto suspirar, para pensar no queda tiempo ni medios.

* Profesor asociado e investigador de la Universidad de los Andes, Colombia.

Aneel regulamenta internet pela rede elétrica


Por Alexandro Cruz, para iPNews
26 de agosto de 2009

Resolução do PLC propõe a aceleração da inclusão digital, além do beneficio à população com a redução das taxas de energia, proveniente do aluguel dos fios da rede elétrica aos provedores.

A Agência Nacional de Energia Elétrica aprovou nesta terça-feira (25/08) a resolução que define as regras para o uso da tecnologia Power Line Communications (PLC), internet pela rede elétrica. O regulamento determina as condições para a utilização da infraestrutura das empresas distribuidoras de energia elétrica para implantação do sistema que permite a transmissão de dados por meio da rede de distribuição ou TV por assinatura.

No entanto, a regulamentação indica que as concessionárias só deverão oferecer os serviços de redes elétricas e não como operadoras de Internet. Caso contrário, segundo a Agência Reguladora, as companhias deverão criar uma subsidiária.

O prestador do serviço de PLC deverá seguir os padrões técnicos da distribuidora, de acordo com a Resolução da Aneel e na regulamentação de serviços de telecomunicações e de uso de radiofrequências da Anatel. A agência alerta que a implantação e exploração da Internet elétrica não deve comprometer a qualidade do fornecimento de energia para os consumidores e, se houver necessidade de investimento na rede, o custo será de responsabilidade da empresa de telecomunicações.

A Aneel afirma que o uso da “tecnologia possibilita novos usos para as redes de distribuição de energia elétrica, sem que haja necessidade de expansão ou adequação da infraestrutura já existente. A economia representa a redução de custos aos consumidores que serão beneficiados com a apropriação de parte dos lucros adicionais obtidos por meio da cessão das instalações de distribuição, em benefício da modicidade das tarifas”.

Com o aluguel dos fios para as empresas de Internet, a população se beneficiará com possíveis reduções das tarifas de energia, provenientes nos termos de legislação específica estabelecida pela Aneel. “Esse critério já é utilizado no aluguel de postes para passagem dos cabos da telefonia”.

As concessionárias de energia elétrica também poderão utilizar a infraestrutura das empresas de Internet para oferecer os serviços de energia. “A concessionária poderá também utilizar a infraestrutura do prestador de serviço de PLC para atender às suas necessidades e interesses”.

Por enquanto, o serviço não estará disponível em curto prazo. A implantação dependerá de cada concessionária e o contrato ocorrerá por meio de licitação pública, tendo a concretização em 90 dias após divulgação do pedido.“Ao disponibilizar a sua rede de distribuição, a concessionária deverá dar ampla publicidade por um prazo mínimo de 60 dias para a manifestação dos interessados. O comunicado deverá ser divulgado por três dias com informações sobre a infra-estrutura e condições para uso das instalações de distribuição de energia elétrica em pelo menos três jornais, sendo dois de circulação nacional. A escolha do prestador do serviço deverá ser divulgada em até 90 dias após o pedido”.

Segundo a Aneel, antes da resolução houve uma audiência pública de 12 de março a 13 de maio de 2009 e neste período, o Órgão Regulador recebeu 163 contribuições de agentes do setor elétrico e de telecomunicações, associações de classe e consumidores.

PARA SEU FILHO ENTENDER

UMA HOMENAGEM AOS LEITORES DA ZERO HORA:

VISITE SÁTIRO.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Morte de refugiados no Mediterrâneo gera acusações mútuas entre Itália e UE

Berlusconi:

Drama dos 73 africanos mortos de sede e à deriva traz à tona um velho problema da UE e a nova política de imigração linha dura de Berlusconi.

...

Fruto do egoísmo

Sobre o caso dos 73 refugiados mortos, o jornal Corriere della Sera noticiou que, segundo os sobreviventes, seu barco, impossibilitado de manobrar, fora avistado por cerca de dez outras embarcações, inclusive da marinha maltesa, porém apenas marinheiros de duas delas atiraram mantimentos e água aos refugiados. Muitos deram apenas água e combustível para que pudessem prosseguir a viagem.

Apesar de sua situação traumática, os cinco sobreviventes, naturais da Eritreia, respondem a inquérito perante as autoridades italianas. Esse procedimento está previsto nas leis contra imigração clandestina recém-aprovadas pela coalizão de governo de Silvio Berlusconi.

No jornal dos bispos católicos Avvenire, o arcebispo Antonio Maria Vegliò, presidente do Conselho Papal de Migração, observa: "Nossas assim chamadas sociedades civilizadas desenvolveram, de fato, uma rejeição contra estrangeiros. Ela resulta não só da ignorância, mas também do egoísmo e da recusa em compartilhar".

Autor: Bernd Riegert/Tilman Kleinjung/Augusto Valente
Revisão: Rodrigo Rimon

Leia MAIS.

Globo X Record: uma guerra privada com armas públicas


Rodolfo Vianna * - Observatório do Direito à Comunicação
17.08.2009


Não há mocinhos em nenhum dos lados da recente briga entre a TV Globo e a Rede Record de Televisão. Também não há mentiras nos ataques de uma contra a outra: os Marinho sempre tiveram uma relação espúria com o poder e a Record, uma interação promíscua com a Igreja Universal do Reino de Deus. Mas o problema central nessa guerra é que estão guerreando com armas alheias. Estão guerreando com armas públicas.

É ingenuidade de pouco eco crer que não existem interesses econômicos e ideológicos guiando os grandes grupos de comunicação do país. A comunicação de massa tem papel estratégico na organização social e criação de valores e a informação também sofre diversos tipos de manipulações, das mais explícitas – edições de texto/imagens, escolha das fontes, qualificações – às mais sutis – o que é silenciado, o “tom” sobre o informado, as relações de uma notícias com outra, a ordem de apresentação.

É por isso que a luta pela democratização da comunicação não se restringe à criação de normas de conduta ao jornalismo hoje praticado, buscando a isenção e objetividade. Essa luta tem de visar a possibilidade de multiplicação de vozes, a multiplicação do que é informado e como é informado, permitindo ao cidadão obter mais dados sobre uma determinada realidade para que, com eles, forme seu juízo. Com o monopólio ou oligopólio da informação, restringem-se as versões da realidade, orientando visões de mundo.

Qual o problema, então, com a recente disputa entre a Rede Globo e a Rede Record? Esta última está expondo a milhões de telespectadores informações que antes só eram conhecidas de um grupo restrito sobre a tenebrosa história da maior emissora do país. A Globo, por sua vez, ataca o sistema nervoso da segunda maior emissora, os incontáveis problemas da Igreja Universal do Reino de Deus. O conflito quebra um tácito pacto de não agressão entre os poderosos, e mais informações são disponibilizadas ao público. Quando dois gigantes brigam, os pequenos podem tirar proveito, imagina-se.

Só que esta “guerra” escancara de uma forma sem precedentes uma prática ilegal e imoral: os interesses privados estão sendo defendidos com armas públicas, as concessões de TV entregues aos Marinho e a Edir Macedo. Ao lançarem mão destas “armas”, comprometem a função social dos meios de comunicação e, mais, infringem normas de utilização de uma concessão pública de radiodifusão.

Diferentemente de um jornal impresso, que é privado e responde atualmente somente às leis dos códigos Civil e Penal (já que não existe mais a Lei de Imprensa...), as emissoras de televisão operam por meio de concessões públicas e, como tais, estão obrigadas a cumprir determinações legais para o seu funcionamento. Não podem fazer o que bem entender com a sua programação, uma vez que só possuem o direito de chegar aos lares de praticamente todos os brasileiros porque o Estado brasileiro, em nome do povo, as tornou concessionárias públicas de radiodifusão.

Portanto, não importa quem tem razão nessa guerra privada entre Globo e Record. As duas cometem um gravíssimo erro ao utilizar a arena pública da radiodifusão de forma privilegiada para travarem as batalhas privadas que lhes interessam. A Rede Globo, caminhando por mais anos nessa estrada, tem mais expertise. Seus interesses são mais bem travestidos de “notícias” relevantes apresentadas à sociedade nos seus telejornais. A Record peca por um amadorismo tacanho, com a edição de “reportagens” em que nem sequer se preocupam em fazer a clássica divisão da objetividade aparente entre “opinião” e “informação”.

Mas não importa o nível de sofisticação de cada uma delas. A disputa Globo x Record é a mais recente e nítida apropriação do público pelo privado.

Em tempo: nestes mesmos dias de “guerra” entre as duas maiores emissoras de TV do país, os representantes dos empresários da área de comunicação se retiraram da comissão organizadora da I Conferência Nacional de Comunicação. A Conferência, prevista para ocorrer no final desse ano, visa a ser um amplo espaço de debate e deliberação sobre temas da área, incluindo as formas de concessão e renovação de espectros de radiodifusão, conteúdo e programação, publicidade etc.

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) foi uma das entidades que se retiraram do processo. Mais do que isso, foi a entidade que liderou o movimento de esvaziamento da Conferência pelo empresariado.

A Rede Globo e a Rede Record são associadas da Abert. Estão, portanto, do mesmo lado quando a tarefa é sufocar a justa reivindicação do direito de a sociedade brasileira discutir a comunicação.

Malandro é o gato que já nasce de bigode...

* Rodolfo Vianna é jornalista e membro do Intervozes - Coletivo Brasil de Comunicação Social.

VISITE BLUE BUS.

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Milho transgênico sem controle no Estado


por PATRICIA MEIRA | pmeira@correiodopovo.com.br

Terceiro maior produtor de milho do país, o Rio Grande do Sul não tem controle sobre o cumprimento das regras de plantio de milho transgênico, determinadas pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio). Na safra passada, o governo federal não fiscalizou a execução das normas, estabelecidas para evitar a contaminação de áreas convencionais. A comissão exige distância mínima de 100 metros entre a lavoura de milho geneticamente modificado e a comum, espaçamento que pode cair para 20 metros se houver um refúgio de 10 metros no entorno. De acordo com o responsável técnico pela fiscalização de sementes e transgênicos do Ministério da Agricultura no Rio Grande do Sul (Mapa/RS), Francisco Gama, a inspeção não foi realizada por falta de pessoal e de kits de teste rápido. Para a safra 2009/2010, o Mapa pretende contornar as falhas colocando quatro técnicos a campo no Estado a partir de setembro. Pela escassez de pessoal, serão priorizadas áreas com variedades crioulas e cultivo orgânico. 'Será uma referência, senão seria como procurar agulha no palheiro.' Contudo, o superintendente do Mapa/RS, Francisco Signor, afirma que a fiscalização não é atribuição do ministério. 'O produtor é que tem que tomar conta. Se misturar, será problema', diz.
A preocupação cresce com o início do plantio da segunda safra comercial de milho transgênico, que aponta expansão do uso da tecnologia. Segundo o presidente da Associação dos Produtores e Comerciantes de Sementes e Mudas do Rio Grande do Sul (Apassul), Narciso Barison Neto, a oferta de sementes transgênicas será suficiente para 35% da área contra 2% em 2008. Por isso, a Abrasem e indústrias, desenvolvem campanha nacional sobre as regras de coexistência das cultivares entre produtores e cooperativas. 'Evitar a contaminação é uma preocupação de todos, esse processo tem de ser levado a sério e eu não sei se estão levando.' Segundo o presidente da Fetag, Elton Weber, os produtores são informados sobre as regras de plantio na hora da compra da semente e os sindicatos rurais repassam dados sobre o regramento sempre que acionados.
Para o agrônomo Ventura Barbeiro, o descontrole da fiscalização derruba a tese que as regras, por si só, garantem a coexistência. Ele acrescenta que as distâncias determinadas pela CTNBio são insuficientes, uma vez que a planta do milho, por sua polinização aberta, pode ser fecundada pelo pólen de outra planta, transgênica ou não. Barbeiro indica o plantio fora de época como única forma 100% segura contra a contaminação. 'A não fiscalização demonstra o descontrole. O governo não sabe o que está acontecendo.'

Realidade no Sul

Paraná
Área: 2,783 milhões de hectares
Previsão de transgenia na
safra 2009/2010: 25%

Rio Grande do Sul
Área: 1,388 milhão de hectares
Previsão de transgenia na
safra 2009/2010: 35%

Fontes: Conab, Apassul e Secretaria
da Agricultura do Paraná

CORREIO DO POVO
PORTO ALEGRE, DOMINGO, 23 DE AGOSTO DE 2009

ATENÇÃO PARA O PROJETO DE LEI 154/2009!


Esse Projeto de Lei foi criado pela Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo da Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul e dispõe sobre o Código Estadual do Meio Ambiente e dá outras providências.

Segundo o vereador de Porto Alegre Beto Moesch 'Esse trabalho (Projeto de Lei) não é desinteressado. É preciso um olhar muito cuidadoso para descobrir o que foi feito no PL', apontou. Ele ainda questiona a revogação de diversos trechos do código, como o XV, que trata da proteção à Mata Atlântica, bem como a revogação do inciso que proíbe propaganda de produtos danosos ao meio ambiente e à saúde. Ele destaca que a legislação não tem apenas caráter repressivo mas, também, de fomento. 'O produtor que polui menos deveria ser recompensado por isso', concluiu.

Ainda segundo o vereador 'O Código Estadual do Meio Ambiente nasceu de um debate histórico e plural que durou dez anos, com participação de todos os segmentos da sociedade. Como a Assembleia vai rasgar isso? Seria um tapa na democracia. Além disso, não entendo por que a Comissão de Saúde e Meio Ambiente, que tem competência estatutária para lidar com o assunto, não foi chamada'.

Acesse esse Projeto de Lei AQUI.

domingo, 23 de agosto de 2009

AQUECIMENTO GLOBAL

NÃO!

EXEMPLO DE ISENÇÃO


" Eles foram extremamente profissionais"

Declaração da promotora Lisiane Villagrande a respeito da ação da Brigada Militar na Fazenda Southall a qual, segundo ela própria, no momento do assassinato, estava "a uma distância de pelo menos um quilômetro e não consegui visualizar o confronto ou ouvir qualquer tipo de disparo" (SIC).

sábado, 22 de agosto de 2009

ALIÁS, NEM SEI DIREITO O QUE ESTAVA FAZENDO LÁ...


'Me mantive a uma distância de pelo menos um quilômetro e não consegui visualizar o confronto ou ouvir qualquer tipo de disparo.'

Lisiane Villagrande
Promotora de São Gabriel

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Fútbol gratis por diez años en TV abierta


Por Daniel Miguez, para Página/12

Con un marco al que el Gobierno echa mano de tanto en tanto para los anuncios que le parecen trascendentales, por cadena nacional, frente a todos los ministros y otros importantes funcionarios y con la presencia de Diego Maradona, la presidenta Cristina Fernández de Kirchner anunció ayer el acuerdo de asociación por diez años con la AFA para la trasmisión de todos los partidos de fútbol por canales de aire, y, por lo tanto, en forma gratuita. La AFA recibirá 600 millones de pesos anuales y lo que se recaude por derechos de trasmisión y otros ingresos por encima de esa cifra será repartido mitad y mitad. Las ganancias que vayan al Estado será destinado a promover los deportes olímpicos, dijo la Presidenta.

Para la primera fecha del campeonato de Primera División, que se jugará entre hoy y el domingo, todos los partidos serán televisados por Canal 7 y otros canales de aire (ver aparte).

En una de los párrafos más fuertes de su discurso en el multitudinario acto en el campo de entrenamiento de la selección de fútbol en Ezeiza, la Presidenta dijo que “ya no nos secuestrarán los goles”, en alusión al contrato que rescindió la AFA con la empresa TSC, que tenía la exclusividad para la trasmisión de los partidos y de la emisión de los goles a través del programa Fútbol de Primera de Canal 13.

“Te secuestran los goles hasta el domingo, como te secuestran las imágenes y las palabras. Como secuestraron a 30 mil argentinos. No quiero más una sociedad de secuestros, quiero una sociedad cada día más libre”, dijo ante los aplausos del auditorio donde también estaban la mayoría de los presidentes de los clubes de fútbol.

También recordó que el 18 de febrero en La Plata, cuando se presentó el anteproyecto de Ley de Comunicación Audiovisual, había dicho que uno de los objetivos era “lograr el acceso del deporte más importante de los argentinos a todos los argentinos”.

Después negó que el fútbol vaya a ser subsidiado por el Estado. “He leído que el fútbol iba a ser subsidiado por el Estado. Los que escriben eso saben que el fútbol es un negocio extraordinario que no necesita ser subsidiado, sino participar de sus propias ganancias”, dijo en una los tramos más aplaudidos por Maradona, que un rato antes, junto al titular de la AFA, Julio Grondona, había recibido a la Presidenta al pie del helicóptero que la llevó a Ezeiza.

La Presidenta también dio algunos detalles del financiamiento de la televisación del fútbol. “El Estado reordenará su pauta publicitaria en los próximos meses, con el objetivo de poder solventar la actividad. Sin embargo, el Gobierno confía en que podrá obtener ganancias más altas a las previstas para la primera parte de la relación”, explicó. De inmediato agregó que “de ese excedente, el 50 por ciento irá a las arcas de la AFA y la otra mitad se utilizará para fomentar el deporte olímpico”.

La Presidenta bromeó más de una vez con el fanatismo de la mayoría de los argentinos con el fútbol y dio el ejemplo de su mamá, Ofelia Wilhelm, “que casi se muere” cuando su equipo, Gimnasia y Esgrima La Plata, estuvo a punto a descender a la B Nacional.

Para cerrar, la Presidenta le dio el encuadre político a su decisión. Por un lado consideró que se trata de una medida “democratizadora”, porque “cuando las corporaciones se vuelven monopólicas pretenden adueñarse de la vida de los argentinos, y entonces vivimos en una sociedad menos democrática, más extorsiva”. Por otra parte, aseguró que sentía “la obligación de garantizar a todos los argentinos el derecho a ver su deporte predilecto”.

A ambos lados de la Presidenta estaban Grondona y Maradona, en su carácter de director técnico del seleccionado, en una mesa a la que también se sentaron el presidente de la Cámara de Diputados, Eduardo Fellner; el jefe de Gabinete, Aníbal Fernández; y los dirigentes de San Lorenzo, Rafael Savino, y de Quilmes, José Luis Meiszner.

Entre las 800 personas que se apiñaban en la carpa montada en el predio de la AFA podían verse a los ministros Julio De Vido, Florencio Randazzo, Amado Boudou, Jorge Taiana, Alberto Sileoni, Alicia Kirchner, Débora Giorgi y Lino Barañao; al secretario Legal y Técnico, Carlos Zannini, arquitecto de la estructura jurídica del acuerdo con la AFA; al titular del Comfer, Gabriel Mariotto; y a los diputados Agustín Rossi, José María Díaz Bancalari, Carlos Kunkel y Juliana Marino, entre otros, además de varios sindicalistas. Muchos de ellos no resistieron la tentación de sacarse una foto junto a Diego cuando terminó el acto.

Antes que la Presidenta, habló Grondona, al principio con dificultad por el fondo de bombos de la hinchada de Tristán Suárez, aporte del intendente de Ezeiza, Alejandro Granados. “Hoy es un día histórico, acaba de nacer un nuevo desafío en nuestras vidas para perfilar un nuevo orden en el fútbol”, comenzó su discurso el jefe de la AFA.

Según Grondona, el acuerdo es una “posibilidad irrepetible que no se puede dejar pasar”. También afirmó que “en ninguna mesa de negociaciones había una calculadora haciendo números, sino sensibilidad para comprender de lo que estábamos hablando, es decir, para que la gente de cualquier rincón del país pudiera ver fútbol gratis”. La primera parte de la afirmación, la de la calculadora, despertó algunas sonrisas suspicaces.

Grondona recordó además que cuando asumió la presidencia de la AFA en 1979 sólo había un partido televisado que emitía Canal 7 y concluyó con un “volvemos a Canal 7, cerrando la parábola de la misma vida: volver al lugar de origen”.

Así, con toda la pompa, el acuerdo entre el Gobierno y la AFA puso fin a la televisación del fútbol paga, como ocurrió hasta el torneo pasado, a través de canales de cable. Para llegar a esta instancia hubo un disparador: el pedido de inhibición de varios clubes que hizo el gremio de los futbolistas, FAA, por deudas impagas a decenas de jugadores. Ante esa situación la AFA buscó que su socia TSC duplicara el monto del contrato que era de 268 millones de pesos anuales y que el Estado habilitara el juego de apuestas llamado Prode bancado, como dos vías de financiamiento a los clubes, muchos de ellos al borde de la quiebra y en gran parte por malas administraciones de sus dirigentes.

Al no obtener una respuesta positiva a ninguno de esos pedidos, buscó asociarse con el Estado y el Gobierno le dio una rápida acogida, ya que en sus planes estaba desde hace tiempo impulsar a través de la Ley de Comunicación Audiovisual, próxima a tratarse en el Congreso, la gratuidad del fútbol televisado.

Yeda, o Coronel Mendes e o colono sem-terra Elton


Durante seu recolhimento de avestruz na Casa do Governo gaúcho em Canela, dentre as raras visitas que a Governadora Yeda recebeu naqueles dias, uma muito intrigante foi a do Coronel Mendes. Vale recordar que o Coronel Mendes, de atuação truculenta, covarde e impiedosa com os movimentos sociais, quando esgotado o prazo legal no Comando da Brigada Militar, foi premiado por Yeda como Juiz [sic] do famigerado Tribunal Militar do RS.

O clima, naquela primeira semana de agosto, era de denúncias da corrupção e do descalabro do governo, acompanhado de manifestações sociais vigorosas, promovidas por organizações civis.

Quando se encontraram em Canela, Yeda e Coronel Mendes devem ter delineado os planos de atuação das polícias, as operações de guerra e as medidas repressivas que seriam adotadas em reação ao cenário desfavorável e de mobilização social intensa. Afinal, é assim que fazem governantes desmoralizados, enfraquecidos e intolerantes com o que lhe é adverso: praticam a violência drástica.

O colono sem-terra Elton Brum da Silva, que fazia parte da ocupação da Fazenda Southall, foi alvejado no peito com tiros de espingarda doze da Brigada Militar. Eltom se tornou, com o drama da sua morte, a primeira e visível vítima fatal do política repressiva inconseqüente delineada por Yeda e o Coronel Mendes.

É absolutamente inaceitável a execução de uma ordem de desocupação de homens, mulheres e crianças com contingentes exagerados e de Polícia de Choque e policiais portando armas e munições letais. Para quê? Se existem munições não-letais, para quê usar as letais, isso se comprovadamente fosse o caso de usá-las? Para quê? Mil vezes: para quê, Governadora Yeda e Coronel Mendes?

O governo Yeda, que matou a moral, a ética e a dignidade da política, acabou de assassinar o colono Elton. Lamento a naturalização que se faz da quebra dos valores democráticos, substituindo-os também naturalmente pela opressão e selvageria oficiais.

A mídia tem parcela importante de responsabilidade nisso. A mídia, que tanto glamourizou o Coronel Mendes como um Rambo heróico e sempre espetacularizou suas ações violentas, deveria ser um vetor de educação democrática, não de sacralização da violência estatal contra o povo como método de contenção numa sociedade civilizada.

Biruta do Sul

TROTSKY


Ianovka, 7 de novembro de 1879 — Coyoacán, 21 de agosto de 1940

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Parque britânico proíbe levantar braços em montanha-russa após queixas de mau cheiro

NESTA FOTO, QUEM PODERIA TER RECLAMADO?

Um parque de diversões da Grã-Bretanha proibiu os visitantes de levantar os braços nas montanhas-russas, depois que vários clientes se queixaram do mau cheiro nas atrações.

A administração do Thorpe Park, no condado de Surrey, colocou avisos nas filas para os brinquedos e distribuiu desodorantes para que os funcionários apliquem nos clientes.

Segundo Mike Vallis, diretor do parque, muitos visitantes reclamaram do mau cheiro durante uma onda de calor no mês de junho.

Ele disse que a combinação do calor com as "emoções" das montanhas-russas pode produzir um excesso de mau cheiro.

"O corpo humano reage ao medo e aos sustos produzindo mais suor", afirmou.

Um assessor de imprensa do parque disse que pessoas com "mau cheiro" não serão proibidas de entrar nas atrações, mas serão abordadas discretamente com um pedido para que apliquem desodorante.

O assessor negou que tudo não passe de uma jogada de marketing.

"Podem dizer que é apenas para fazermos propaganda, mas a verdade é que levamos a sério os comentários dos nossos clientes", disse.

BBC

Operação resgata 14 trabalhadores em situação análoga à escravo no estado

NAVIO NEGREIRO:

Eles foram encontrados em São José do Norte, Mostardas e na Vila de Bujuru

Rio Grande do Sul, 19/08/2009 - Uma operação envolvendo o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o Ministério Público do Trabalho (MPT), Ibama, Polícia Federal e que contou com a colaboração do Sindicato dos Trabalhadores Rurais do Município de São José do Norte, desarticulou um foco de 14 trabalhadores em situação análoga à escravo nos municípios de São José do Norte, Mostardas e na Vila de Bujuru (distrito do município de São José do Norte), no Rio Grande do Sul.

Entre as várias irregularidades, os auditores identificaram muitos trabalhadores em situação informal, habitações precárias, falta de água potável e segurança. Além disso, eles tinham que consumir alimentos em estabelecimentos indicados pelos aliciadores onde os preços eram superfaturados. Muitos chegavam a se endividar nas compras e passavam o mês sem salários por conta disso. Durante a operação foram lavrados 34 autos de infração. Adolescentes também foram encontrados trabalhando nas fazendas.

Os municípios de São José do Norte, Mostardas e o distrito de Buruju têm uma área de 60 mil hectares cultivados com pinus heliotis. Tal cultura, além de produzir madeira, se presta à produção de resina, matéria-prima que se presta para a produção de shampoo, chicletes, entre outros produtos.

Na oportunidade, os auditores também fizeram a rescisão contratual dos trabalhadores, onde foram garantidos todos os direitos trabalhistas, inclusive retroativos. Alguns chegaram a receber até R$ 12 mil. Todos também receberão parcelas do Seguro-Desemprego.

Assessoria de Imprensa SRTE/RS

Nota do Blog: Seria muito interessante conhecer a identidade desses senhores de escravos.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

1936: García Lorca é fuzilado na Espanha

No dia 19 de agosto de 1936, o poeta espanhol Federico García Lorca foi fuzilado à queima-roupa por fascistas espanhóis.

xxx

Paisagem com duas tumbas e um cão assírio

Amigo,
levanta para que ouças latir
o cão assírio.
As três ninfas do câncer estiveram dançando, filho meu.
Trouxeram umas montanhas de lacre rubro
e uns lençóis duros onde estava o câncer dormido.
O cavalo tinha um olho no pescoço
E a lua estava no céu tão frio
que teve de desgarrar-se seu monte de Vênus
e afogar em sangue e cinza os cemitérios antigos.


Amigo,
desperta, que os montes ainda não espiram
e as ervas de meu coração estão em outro lugar.
Não importa que estejas repleto de água do mar.
Eu amei muito tempo um menino
que tinha cem anos dentro de um punhal.


Desperta. Cala. Escuta. Incorpora-te um pouco.
O uivo
é uma longa língua arroxeada de deixa
formigas de espanto e licor de lírios.
Já vem até a rocha. Não alongues tuas raízes!
Aproxima-te. Geme. Não soluces em sonhos, amigo.


Amigo!
Levanta para que ouças uivar
o cão assírio.


xxx

Embora gostasse imensamente de viajar, o escritor espanhol Federico García Lorca nunca cortou os vínculos com sua terra natal, a "sua" Granada, de onde sempre sentia saudades quando estava longe. Lorca apreciava o passado glorioso da cidade.

Acima de tudo fascinava o poeta o período dos mouros, que deixaram na cidade a Alhambra, uma das edificações mais preciosas da história da arquitetura. "Ele se considerava um herdeiro de Boabdil, um dos últimos governantes mouros da cidade", diz Luís García Montero, o mais conhecido poeta e professor de Literatura de Granada hoje.

Apesar disso, a relação de Lorca com a cidade era ambígua. "Ele se sentia muito bem aqui, onde morava sua família. Naquela época Granada era um centro cultural muito importante, mas Lorca temia também os defeitos da cidade", diz García Montero. Lorca desprezava a classe alta reacionária de Granada.

Em julho de 1936, na última entrevista que concedeu, publicada pelo jornal El Sol, ele dizia que na cidade vivia "a pior burguesia de toda a Espanha". Essa declaração causou a ira dos fascistas locais, uma vez que Lorca já era então odiado por seu entusiasmo pela república e por seu homossexualismo.

Período crucial em Madri

A própria família do escritor era uma das mais ricas de Granada. Federico nasceu no dia 5 de junho de 1898 em Fuentevaqueros, um povoado na planície fértil aos pés da Serra Nevada, nas proximidades de Granada. Seu pai era um latifundiário.

No entanto, a família não era adepta dos costumes da classe abastada da época, que se comportava como verdadeiros senhores feudais. Os Lorca eram liberais e avessos à Igreja. A irmã de Federico, Concepción, se casou com o prefeito socialista Manuel Fernandéz Montesino, que foi mais tarde também executado pelos fascistas.

Lorca recebeu uma formação educacional exemplar. Ainda pequeno, já era notável sua aptidão para as artes. Ele era um orador eloqüente, além de demonstrar habilidades para a pintura e a música. Depois de iniciar seus estudos de Direito, Filosofia e Letras em Granada, ele se mudou para Madri.

No lendário alojamento de estudantes – a Residencia de Estudiantes – conheceu os artistas mais importantes de seu tempo. Fez amizade com Salvador Dalí, Manuel de Falla e Rafael Alberti, com o poeta Antonio Machado, com Pablo Picasso e muitos outros.

Drama e poesia

Lorca pertence à chamada "geração dos poetas de 1927" (Aleixandre, Cernuda, Guillén, Salinas, Unamuno), que popularizou a lírica espanhola em todo o mundo. Em Madri, escreveu suas primeiras grandes obras literárias.

Em 1928, publicou o Romanceiro Cigano, seu trabalho de maior sucesso. Nos anos seguintes, Lorca passaria a ser conhecido como renovador do drama no país com a publicação de Mariana Pineda (1928), Bodas de Sangue (1933), Yerma (1934) e A Casa de Bernarda Alba (1933-1936).

Em 1929, fez uma viagem aos Estados Unidos, onde escreveu O Poeta de Nova York, um livro muito apreciado. No entanto, não se sentindo à vontade na metrópole agitada e barulhenta, opta por uma vida mais retirada em Cuba no ano de 1930, retornando a seguir à sua terra natal. A Espanha, naquele momento, vivenciava uma ruptura política. No dia 14 de abril de 1931, era proclamada a Segunda República.

Em defesa das mulheres

Lorca defendia os ideais republicanos. Como diretor, viajou com o teatro ambulante La Barraca pelo interior do país, a fim de levar cultura e informação para o povo. Sem ser filiado a qualquer partido, tinha amigos entre as duas correntes políticas da Espanha em meados dos anos 1930. E se posicionava claramente contra as relações feudais comuns na Granada da primeira metade do século 20.

Lorca assumia, acima de tudo, a defesa das mulheres. Com suas peças em prol da autoafirmação feminina, tocava no zeitgeist. Suas obras são dominadas por personagens femininas, que se voltam contra a moral vigente e são capazes de morrer por seus ideais.

A morte está presente em toda a sua obra. As últimas frases em A Casa de Bernarda Alba parecem o prenúncio sinistro da tragédia que estava por vir: "Nenhum lamento. É preciso olhar a morte de frente. Lágrimas, só quando você estiver sozinho! Todos nós mergulhamos num mar de lágrimas. Silêncio. Silêncio".

Federico García Lorca foi fuzilado por fascistas no dia 19 de agosto de 1936, numa estrada nas proximidades de Viznar.


Steffen Leidel (sv), para Deutsche Welle

Dia 23 vamos votar NÃO

Veja o VÍDEO:

Confira locais de votação da Consulta Popular, dia 23 de agosto, sobre o Pontal (talvez estejam faltando um ou dois locais, por barbeiragem do blogueiro):

- Escola Estadual Almirante Barroso - Rua Capitão Coelho, 95, Ilha da Pintada

- Escola Estadual Alvarenga Peixoto - Avenida Presidente Vargas, Ilha Grande dos Marinheiros

- Escola Estadual Danilo Antonio Zaffari - Rua General Marcos Kruchin, 291, Farrapos

- Lions Club P.A. Farrapos - Rua Dona Teodora, 1.156, Farrapos

- Escola Estadual José Garibaldi - Rua Dr. Caio Brandão de Mello, s/nº, Humaitá

- Escola Normal 1º de Maio - Avenida Presidente Franklin Roosevelt, 149, São Geraldo

- Colégio Marista São Pedro - Rua Alvaro Chaves, 601, Floresta

- Instituto Vicente Pallotti - Rua Tupi, 212, Passo D’Areia

- Colégio La Salle São João - Rua Honório Silveira Dias, 645, São João

- Escola Mãe de Deus - Rua Souza Reis, 132, São João

- Escola Estadual Bahia - Rua Angelito Asmuz Aiquel, 125, Bela Vista

- Escola José Cesar Mesquita - Avenida do Forte, 77, Vila Ipiranga

- Escola Dom Luis Guanella - Avenida Benno Mentz, 1.560, Vila Ipiranga

- Centro Comun.Regional Noroeste (Antigo Cecoflor) - Rua Irene Capponi Santiago, 290, Cristo Redentor

- Escola Estadual Ana Neri - Rua Joaquim Silveira, 730, São Sebastião

- Escola Municipal Décio Martins Costa - Rua Cristóvao Jacques, 488, Sarandi

- Escola Municipal Liberato Salzano - Rua Xavier de Carvalho, 274, Sarandi

- Escola Estadual Itamarati - Avenida Francisco Rodolfo Simch, 617, Sarandi

- Escola Municipal Presidente João Belchior Marques Goulart - Rua João Luiz Pufal,100, Sarandi

- Vida Centro Humanístico - Av.Baltazar de Oliveira Garcia, 2.132, Rubem Berta

- Escola Municipal Presidente Vargas - Rua Ana Aurora do Amaral Lisboa, 60, Passo das Pedras

- Escola Estadual Japão - Rua Enrico Caruso, 444, Jardim Itu Sabará

- Escola Estadual Profª Gema Angelina Belia - Avenida Antonio de Carvalho, 495, Agronomia

- Escola Estadual Rubem Berta - Rua Saturnino de Brito, 1.400 , Vila Jardim

- Escola Estadual Fernando Gomes - Rua Frederico Guilherme Gaelzer, 168, Jardim do Salso

- Escola Estadual Antão de Farias - Rua Bom Jesus, 505, Bom Jesus

- Escola Estadual Monsenhor Leopoldo Hoff - Rua Moema, 255, Chácara das Pedras

- Escola Estadual Professor Alcides Cunha - Rua Hélio Pimpão, 52, Protásio Alves

- Escola Estadual Padre Balduíno Rambo - Rua Humberto de Campos, 130, Partenon

- Escola Estadual Madre Maria Selima - Rua Tenente Ary Tarragô, 130, Aparício Borges

- Conselho Tutelar Microrregião 4 - Rua Manoel Vitorino, 10, Partenon

- Escola Estadual Jerônimo de Albuquerque - Rua Juarez da Távora, 550, Vila João Pessoa

- Escola Estadual Dr. Martins Costa Junior - Rua Dona Firmina, 1.377, São José

- Escola Municipal Padre Ângelo Costa - Rua Primeiro de Março, 300, São José

- Escola Estadual Prof. Edgar Luiz Schneider - Av.Elias Cirne Lima, 100, Partenon

- Colégio Marista Champagnat - Avenida Bento Gonçalves, 4.314, Partenon

- Escola Elpidio Paes - Rua Inhanduí, 432, Cristal

- Escola Estadual Prof.Afonso Guerreiro Lima - Rua Banco Inglês, 300, Santa Tereza

- Escola Estadual Santa Rita de Cássia - Rua Silveiro, 1.640, Menino Deus

- Escola Estadual Dom Pedro I - Rua Pedro Boticário, 654, Partenon

- Escola Fundamental Monsenhor Leopoldo Neis - Est. dos Battilanas, 140, Cascata

- Colégio Municipal Emílio Meyer - Avenida Niterói, 472, Medianeira

- Escola Estadual Brigadeiro Silva Pais - Rua Professor Clemente Pinto, 555, Medianeira

- Escola Municipal José Loureiro da Silva - Av. Capivari, 1.999, Cristal

- Escola Estadual Jardim Vila Nova - Rua Fernando Pessoa, s/nº, Vila Nova

- Escola Estadual Paulina Moresco - Rua Thome Antonio de Souza, s/nº, Aberta dos Morros

- Escola Estadual Ceará - Avenida Arnaldo Bohrer, 98, Teresópolis

- Escola Estadual Padre Reus - Av. Otto Niemeyer, 650, Tristeza

- Escola Adventista de Porto Alegre - Avenida Otto Niemeyer, 2.124, Tristeza

- Escola Estadual Nações Unidas - Rua Manoel do Carmo, 100, Nonoai

- Escola Estadual Clotilde Cachapuz Medeiros - Rua Arachanes, 242, Espírito Santo

- Centro Comunitário Parque Madepinho - Rua Arroio Grande, 50, Cavalhada

- Colégio Estadual Cônego Paulo de Nadal - Avenida Cavalhada, 4.357, Cavalhada

- Escola Estadual Alberto Torres - Av. Rodrigues da Fonseca, 1.666, Vila Nova

- Escola Estadual Dr. Pacheco Prates - Praça Nossa Senhora de Belém, s/nº, Belém Velho

- Escola Estadual Oscar Coelho de Souza - Estrada do Varejão, 372, Lami

- Escola Estadual Monte Líbano - Rua Lemuria, 10, Ipanema

- Escola Estadual Professore Langendonck - Rua Jacunda, 365, Guarujá

- Escola Estadual Custódio de Mello - Rua D - Vila dos Sargentos, 220, Serraria

- Escola Estadual Dr. José Loureiro da Silva - Est. Retiro da Ponta Grossa, 3.541, Ponta Grossa

- Escola Municipal Prof. Anísio Teixeira - Rua Francisco Mattos Terres, 40, Hípica

- Escola Estadual Evarista Flores da Cunha - Praça Inácio Antônio da Silva , s/nº, Belém Novo

- Escola Municipal Prof. Larry José Ribeiro Alves - Av. Economista Nilo Wulff, s/nº, Restinga

- Escola Municipal Lidovino Fanton - Rua Manoel Faria da Rosa Primo, 940, Restinga

- Escola Municipal Vereador Carlos Pessoa de Brum - Rua da Abolição, s/nº, Restinga Velha

- Escola Municipal Dolores Alcaraz Caldas - Rua Carlos Niederauer Hofmeister, 85, Restinga

- Salão Paroquial Igreja Nossa Sra.da Pompeia - Rua Barros Cassal, 220, Floresta

- Paço Municipal da Prefeitura de Porto Alegre - Praça Montevideo, 10, Centro

- Escola Estadual Estado do Rio Grande do Sul - Rua Washington Luis, 980, Centro

- Colégio Estadual Inácio Montanha - Av. João Pessoa, 2.125, Azenha

- Escola Estadual Duque de Caxias - Rua Gen. Caldwell, 1.175, Menino Deus

- Instituto Estadual de Educação General Flores da Cunha - Avenida Osvaldo Aranha, 527, Bom Fim

- Colégio Estadual Florinda Tubino Sampaio - Av. Montenegro, 269, Petrópolis

- IPA - Rua Rua Coronel Joaquim Pedro Salgado, 80, Rio Branco

- Smam - Av. Carlos Gomes, 2.120, Petrópolis

- Colégio Estadual Piratini - Rua Eudoro Berlink, 632, Auxiliadora

- Escola Estadual Desiderio Torquato Finamor - Avenida Bento Gonçalves, 7.500, São José

- Escola Estadual Maria Cristina Chika - Est. João de O. Remião, 6.505, Parada 16, Lomba do Pinheiro

- Escola Municipal Heitor Villa Lobos - Rua Santos Dias da Silva, s/nº, Lomba do Pinheiro

- Escola Municipal Afonso Guerreiro Lima - Rua Guaíba, 203, parada 11, Lomba do Pinheiro

- Escola Municipal São Pedro - Beco da Taquara, s/nº, Lomba do Pinheiro

- Escola Estadual Santa Rosa - Avenida Bernardino de Oliveira Paim, 665, Rubem Berta

- Instituto de Educação São Francisco - Av. Baltazar de Oliveira Garcia, 4.879, Rubem Berta

- Escola Estadual Ministro Poty Medeiros - Rua Vicente Celestino , 120, Rubem Berta

- Escola Estadual Professora Luiza Teixeira Lauffer - Rua Nossa Senhora de Fátima, 201, Rubem Berta

- Escola Municipal Chico Mendes - Rua Gentil Amancio Clemente, s/nº, Petrópolis

- Escola Estadual David Canabarro - Rua Lydia Moschetti, 200, Petrópolis

- Escola Estadual Mariz e Barros - Av. Ely Correa Prado, 915, Petrópolis

terça-feira, 18 de agosto de 2009

51% trocariam noite de sexo por uma ótima noite de sono

Gauguin, "Menina Dormindo":

Surpresa | 51% trocariam noite de sexo por uma ótima noite de sono

Uma pesquisa da Westin Hotels & Resorts com 12,500 viajantes de vários países diz que 51% preferem uma ótima noite de sono a uma noite de sexo. A rede hoteleira divulgou o estudo ontem durante um evento no Times Square, em Nova Iorque.

18/08 Blue Bus

Lunáticos


Por Rodrigo Fresán

Desde Barcelona, para Página/12

UNO Hace ya un tiempo, Enrique Vila-Matas –desde unas columnas en el Diario 16 posteriormente reunidas en un libro cuyo título es toda una declaración de intenciones– se propuso y consiguió dinamitar todo ese asunto de las efemérides. Para acabar con los números redondos se llamó el volumen recopilatorio y –con los recientes fuegos artificiales por los 40 años de la llegada del hombre a la Luna– volví a comprender el fastidio del escritor español. Volví a comprender también que no hay nada más efímero que cualquiera de esas noticias/aniversario. Repasado repisado y a otra cosa. La misma circularidad del número contribuye, enseguida, a precipitarla barranca abajo hasta la redondez del próximo lustro, década, cincuentenario, siglo o milenio. Y, ahí, volver a encender y soplar las velas.

DOS Escribo esto en agosto, mes que en España equivale a algo así como un febrero argentino, pero no exactamente. Agosto es el mes en que el teléfono deja de sonar, casi no llegan e-mails pidiendo o proponiendo cosas raras y todos miran de reojo –sobre todo en este agosto crítico y de crisis– el lado oscuro de septiembre desde sus órbitas más o menos prolijas, preguntándose qué habrá (si habrá algo) esperando allí: vida inteligente, soluciones mágicas, algún milagro, la posibilidad de instalarse en otra parte, lejos.

Y yo me prometí para agosto –y voy cumpliendo– volver a leer las cuatro novelas y coda-nouvelle de la saga de Harry “Rabbit” Angstrom firmadas por John Updike. Son aún mucho mejor de lo que las recordaba (me pregunto si a esta altura, fracasadas todas esas campañas para incentivar la lectura en quienes no leen, no sería mucho mejor y más productivo promover la relectura entre los que sí leen) y había olvidado por completo que la segunda de ellas transcurre, en parte, durante los días y noches del gran alunizaje. En Rabbit Redux –de 1971, traducida como El regreso de Conejo– leo: “Se la pasan mencionando a Colón, pero se trata de lo exactamente opuesto: Colón voló a ciegas y chocó contra algo, mientras que estos tipos saben perfectamente hacia dónde van y es rumbo a una enorme y redonda nada”. Antes o después, alguien comenta excitado que los astronautas han dejado atrás la zona de influencia de la Tierra y que se encuentran a miles de millas de distancia y de altura.

“Qué suerte que tienen”, piensa Angstrom.

TRES Angstrom se escribe tan parecido a Armstrong y hace unas semanas, mientras releía al primero, volvía a ver el segundo. Un anciano conmemorativo –el equivalente para la NASA de lo que es Di Stéfano para el Real Madrid, a quien se saca y se exhibe en cada festejo– recordando lo inolvidable. Su rostro parecía polvoriento y lleno de cráteres y reflejaba y refractaba la luz ajena de los reflectores de un estudio de televisión. Uno de esos estudios donde –juran los conspirativos– se filmó el falso alunizaje de 1969. Armstrong volvió a referirse a la famosa frase-slogan (la del pequeño paso, la del gran salto), pero Updike prefirió, como epígrafe para una de las partes de su novela, una que ya nadie recuerda y que, seguro, no fue memorizada y ensayada para la gran ocasión. “Es diferente, pero es muy lindo aquí afuera”, dijo Armstrong.

CUATRO Y lo de la Luna eclipsó un poco pero no del todo otros cumpleaños 40. Los crímenes más alucinados que alunizados de Charlie Manson y su familia, los tres días de paz y amor de Woodstock y –también se lo menciona en Rabbit Redux– lo de Ted Kennedy y Mary Jo Kopechne cayendo por un puente de la isla de Chappaquidick. Y me pregunto si el joven senador no iba mirando a la Luna mientras manejaba y se distrajo. Aquí y ahora, tanto tiempo después, los políticos españoles miran al frente, pero al vacío. Los periodistas han manifestado su preocupación y furia por la nueva moda de los próceres del PP y del PSOE. Grabar tapes en sus respectivas torres de control y distribuirlos por noticieros y redacciones, evitando así no sólo las preguntas molestas sino, también, las todavía más molestas repreguntas. Algunos, incluso, se permiten la cínica osadía de mover su cabeza y sonreír y fijar la vista en diferentes puntos de la pequeña nada. Como si se dirigieran a éste o aquélla. Parecen lunáticos.

CINCO Lo que me lleva al nuevo video de Shakira. Lo vi por primera vez hoy –la canción, de una rara fealdad, cantada en ese extraño idioma conocido como shakirés o shakírico, se titula “Loba”– y todavía estoy temblando. Mucho. ¿Qué le ha pasado a esta chica? ¿Qué le sucede? ¿De dónde proviene esa necesidad espasmódica de meter y sacar panza, de jadear, de meterse el dedo en la boca y de retorcerse sobre sí misma como una poseída? En la Edad Media, seguro, Shakira habría sido quemada viva o elevada a los altares. Y, en “Loba”, va de aburguesada esposa que se convierte en disco-odalisca-licántropa cuando se mete en su vestidor luego de haber contemplado la Luna, o algo así. Lo de antes: a mí me da miedo esta mujer y me pregunto si el suyo es el nuevo signo de “lo sexy”, si lo que ahora hace aullar a los jóvenes es ver a una mujer que, en cualquier momento, va a desarmarse víctima de su propia fuerza centrífuga. O tal vez lo que sucede es que Shakira está entrenando para ser la primera mujer en la Luna.

SEIS Diez años antes de que los norteamericanos la pisaran, los soviéticos ya habían fotografiado el lado oscuro de la Luna. Era igual de lindo, pero no muy diferente al lado iluminado y –viendo las fotos en la revista dominical de El País– leo que entonces Pasolini suspiró: “La Luna ha sido consumida”. El asunto es quién volverá a cocinarla y servirla. El buen Obama –quien de candidato que prometía mucho pasó a ser un presidente que promete demasiado– ha puesto sus ojos en ella. Ya saben: el cierre de Guantánamo, la apertura del sistema sanitario y, para rematar, aquello que sólo prometen los más románticos: la Luna, volver a la Luna. Pero –Houston, tenemos demasiados problemas– los números de la NASA no cierran. Y ya están los que argumentan que mejor –cuando haya dinero– seguir de largo hasta Marte. Pero, por ahora, ida y vuelta a la estación espacial y cambio y fuera. Tampoco es que haya demasiado apuro porque, parece, vamos a llegar tarde. Martin Rees –jefe de la Academia de Ciencias Británicas– ya anunció que nuestras posibilidades de colonizar otro planeta antes de que acabemos del todo con éste no superan el 50 por ciento. Así que aquí estamos, dando pequeños pasos hacia delante y grandes saltos hacia atrás, rumbo a una enorme y redonda nada, hombres lobos del hombre, lanzando grititos y contorsionándonos bajo la Luna como Shakira.

Falta menos para el primer aniversario de nuestro final.

La Tierra ha sido consumida.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Em Washington, 95% das notas de dólar contêm cocaína


Cerca de 95% das cédulas de dólar que circulam na capital dos Estados Unidos, Washington, apresentam traços de cocaína, segundo estudo realizado pela Universidade de Massachusetts.

O número representa um aumento de 20% em relação a 2007, e supera o de outras grandes cidades americanas como Boston, Baltimore e Detroit, onde a média de notas contaminadas com a droga foi de 90%.

A pesquisa analisou cédulas em mais de 30 cidades em cinco países. No Brasil, a avaliação de dez notas concluiu que 80% delas tinham traços de cocaína.

Além dos Estados Unidos, o Brasil só foi superado pelo Canadá, com uma média de 85% de cédulas contaminadas.

A China e o Japão foram os que apresentaram o menor nível de cocaína no dinheiro em circulação.

Crise econômica e estresse

Segundo os cientistas, as cédulas ficam com restos de cocaína quando são usadas como "canudo" para inalar a droga ou mesmo quando notas limpas são guardadas com outras contaminadas.

O principal autor da pesquisa, Yuegang Zuo, disse que, de maneira geral, aumentou o número de cédulas com traços da droga.

"Não sabemos com certeza por que houve esse aparente aumento, mas ele pode estar relacionado à atual crise econômica mundial, que fez com que mais pessoas estressadas recorressem à cocaína", afirmou.

Nos Estados Unidos, as notas mais "limpas" vieram de Salt Lake City, no Estado do Utah, onde a maioria da população é formada por mórmons.

De acordo com Zuo, cada nota analisada continha entre 0,006 microgramas e 1,240 microgramas de cocaína (o equivalente a entre menos do que um grão de areia e 50 grãos de areia, respectivamente).

Segundo o cientista, a quantidade é tão pequena que as pessoas não devem enfrentar problemas legais ou de saúde se manusearem essas cédulas.

BBC

SANTA ROSA - V

SOJA:

CORREIO DO POVO
PORTO ALEGRE, DOMINGO, 16 DE AGOSTO DE 2009

Filha lembra a prisão de agrimensor

Filha de um prisioneiro alemão, D.V.E. nasceu e mora em Santa Rosa. Ela lembra, emocionada, do dia em que seu pai foi preso. 'Eu estava em casa com a minha mãe e mais três irmãos, quando os informantes e policiais entraram na nossa residência. Recolheram armas que meu pai guardava, devido à sua profissão. Ele era agrimensor e trabalhava na mata fechada demarcando em extensões de terra. Eles entraram e revistaram tudo. Acabaram recolhendo uma máquina fotográfica, bíblias, livros e papéis de parede com dizeres em língua alemã. Meu pai não estava em casa e quando chegou soube do que aconteceu. Resolveu ir até a delegacia em busca de explicações. Acabou preso e levado à Colônia Penal Agrícola.'
A descendente de alemães diz que nem todos eram radicais. Ela lembra que no dia em que houve ataques a residências, pessoas que foram convidadas pelos policiais para invadir e depredar as casas esconderam-se para não participar dos atos de violência. Segundo D.V.E., no início da década de 1940, alguns dos imigrantes presos em Santa Rosa era encaminhados a Porto Alegre, onde teriam sido vítimas de torturas. 'Hoje ocupo parte do meu tempo lendo sobre a importância que tivemos para o desenvolvimento da região', conclui.

SANTA ROSA - IV

Portal em Homenagem à Xuxa:

CORREIO DO POVO
PORTO ALEGRE, DOMINGO, 16 DE AGOSTO DE 2009

O ataque ao supermercado 14 de Julho

Dois episódios, em especial, marcaram a memória daqueles que viveram os tempos de repressão em Santa Rosa. No dia 23 de abril de 1942, além da pichação das casas de famílias alemãs com a cruz suástica, houve passeatas, invasões, depredações em estabelecimentos comerciais e residências e centenas de prisões arbitrárias, segundo o relato de Saul Dante Liberalli. 'O que que ficava bem claro é que para que ocorressem todos esses fatos era preciso a conivência, a iniciativa, e o apoio das autoridades locais', diz a historiadora Tereza Christensen.
Em depoimento à historiadora, a proprietária do supermercado 14 de Julho afirmou que a noite de 22 de agosto de 1942 foi a mais marcante de toda a sua vida. Joana Fehlauer contou que a pessoas apedrejavam as residências e estabelecimentos aos gritos de 'fora' e 'inimigos'. Júlio e Joana Fehlauer, junto com os quatro filhos, foram buscar refúgio na residência do vizinho Luiz Zenni, onde ficaram escondidos por longos e intermináveis 14 dias.
A violência foi tamanha que, ao voltarem para casa, não encontraram 'pedra sobe pedra’'. Tereza Christensen conta em seu livro que naquela noite de agosto de 1942 mais de mil pessoas e um caminhão de pedras passavam pelas ruas, depredando residencias de alemães e italianos. Há relatos de que a esposa do proprietário de um dos estabelecimentos foi violentada.

SANTA ROSA - III

Foto meramente ilustrativa:

CORREIO DO POVO
PORTO ALEGRE, DOMINGO, 16 DE AGOSTO DE 2009

O testemunho de Saul Liberalli

O oficial reformado do Exército Saul Dante Liberalli, 79 anos, era criança na época da 2ª Guerra Mundial, mas afirma 'que nunca esquecerá 'da brutalidade que Santa Rosa viveu na década de 1940'. Ele conta que a curiosidade e a indignação o levaram várias vezes para a frente do presídio onde estavam confinados os imigrantes alemães. 'Em Santa Rosa era terminantemente proibido falar outra língua, no início da década de 1940. Havia placas espalhadas na cidade com a proibição', lembra. Ele diz que as ações eram comandadas pela Brigada Militar, Polícia Civil e informantes e que, além de alemães, japoneses e italianos sofriam com as perseguições.
O aposentado afirma que a situação dos imigrantes que se encontravam no Presídio era lamentável. 'Era impressionante a precariedade do local. Além do frio, eram muitas pessoas na mesma cela, o contágio da gripe era algo muito fácil de ocorrer. Mas eles não ficavam muito tempo por lá, até pelo fato de o espaço ser pequeno. Na medida em que eles iam prendendo, iam soltando os mais antigos. Imagine você morar em um país, onde você só sabe falar uma língua. De repente, os imigrantes vêm ao Brasil e são proibidos de falar a única língua que sabiam, caso contrário seriam presos. É uma tamanha brutalidade', observa.
O descendente de italianos recorda que na época ninguém podia ter rádio em casa. 'Sobre esta proibição tenho dois fatos guardados na memória: um caminhão cheio de rádios, sendo despejados no pátio da Delegacia de Polícia, onde hoje se encontra uma agência dos Correios, e outra ocasião em que policiais entraram em minha casa, e queriam levar o único aparelho de rádio que tínhamos. Minha mãe não deixou. Disse que se levassem o rádio era para levar toda a família. Eles acabaram não levando nada.'
Saul Liberalli lembra também da estátua de Cristóvão Colombo, uma doação da colônia italiana ao governo do Estado. 'Era a segunda estátua de Colombo na América. Arrancaram a placa de homenagem, fixada na escultura, e no pescoço, colocara cartazes ofensivos'. O episódio ocorreu em 23 de abril de 1942, dia do aniversário de Adolf Hitler.
O oficial reformado do Exército relata ainda que que livros e bíblias na língua alemã foram queimados. 'Era uma fogueira de livros.' Na Praça Berlim, uma águia em homenagem aos poetas alemães também foi alvo de depredação. 'Quebraram a asa da águia, e tempos depois, ela sumiu. Deve ter sido derretida, pois era de ferro.' Saul enfatiza que não existia alemães fanáticos em Santa Rosa. Conforme o descendente de italianos, a situação só foi amenizada em novembro de 1942, com a chegada do 1º Regimento de Cavalaria Transportado, uma unidade do Exército.

Nota do Blog: Ancestrais deste blogueiro foram obrigados a fugir da região às pressas, rumo à Argentina, onde se estabeleceram. Crime cometido: só sabiam falar o idioma alemão.

SANTA ROSA - II

Bansky's "Maid in London":

CORREIO DO POVO
PORTO ALEGRE, DOMINGO, 16 DE AGOSTO DE 2009

Escola foi transformada em presídio

FELIPE DORNELES
fdorneles@correiodopovo.com.br

A cidade de Santa Rosa, na região Noroeste do Estado, guarda na memória histórias de perseguição e sofrimento durante a 2ª Guerra Mundial. Imigrantes que se instalaram na região, principalmente alemães, foram vítimas da repressão praticada pela polícia política brasileira. Centenas deles foram presos e alguns morreram na Colônia Penal Agrícola, transformada em uma espécie de campo de concentração. O fato está registrado em livros e na lembrança de quem testemunhou as perseguições.
Teresa Christensen, historiadora de Santa Rosa, conta que os primeiros alemães presos foram levados para três celas no porão da antiga sede da prefeitura. 'Mas tinha pouco espaço e, como ali era o Centro da cidade, não podiam torturar os imigrantes, pois se ouviriam os gritos. Então foi estruturado um presídio em local mais afastado, hoje a Vila Agrícola, no Bairro Planalto', explica a pesquisadora.
Em 1920, o governo do Estado criou a Escola Técnica Agrícola de Santa Rosa, com o objetivo de incentivar novas culturas e preparar jovens para as lidas no campo. Devido a problemas financeiros, o estabelecimento de ensino funcionou apenas três anos. Abandonados e com maquinários ao relento, os dois prédios construídos para a escola, um sobrado de madeira e um galpão onde eram ministradas aulas práticas passaram a ser uma prisão.
Teresa revela que a história guarda, desse tempo difícil, as grandes arbitrariedades que tinham como palco a Colônia Penal Agrícola. 'Conta-se que alguns colonos alemães e de outras etnias que mal falavam o português, eram levados ao Presídio da Agrícola e obrigados a assinar um documento de venda das colônias que possuíam e logo após eram degolados. Dizem os mais velhos que as paredes do galpão de madeira eram todas marcadas por mãos sujas de sangue', relata.
Segundo a historiadora, todos eram obrigados a falar português e as escolas confessionais, mantidas pelas comunidades, tiveram que mudar radicalmente. Professores foram demitidos, livros confiscados e escolas fechadas. Muitos espiões e denunciantes rondavam as casas de famílias para ver se estavam falando alemão e principalmente, se ouviam rádio. Teresa acrescenta que o fato de falar neste ou em outro idioma, era considerado crime contra a Pátria e as punições eram a cadeia e a tortura. Casas eram invadidas e os objetos dos moradores confiscados. As igrejas evangélicas e católicas também sofreram ataques. Padres e pastores eram presos e desrespeitados em plena celebração religiosa quando oravam em língua alemã..
No livro 'Santa Rosa: Histórias e Memórias', Tereza Christensen, com base em depoimentos de uma comerciante alemã, já falecida, narra o episódio do ataque ao mercado 14 de Julho. O fato ocorreu no dia 22 de agosto de 1942, após um comício no qual autoridades teriam instigado a população a invadir casas de alemães e italianos.

SANTA ROSA - I


Rio Grande do Sul teve campos de concentração

ROBERTO TAVARES
rtavares@correiodopovo.com.br

A existência, em território brasileiro, de campos de concentração ou de internamento, onde foram confinados centenas de imigrantes alemães, italianos e japoneses durante a 2ª Guerra Mundial (1939-1945) raramente é referida nos livros. O professor da PUCRS e da Ufgrs René Gertz, doutor em História, afirma que esses locais existiram do Pará ao Rio Grande do Sul. Em solo gaúcho houve confinamentos na Colônia Penal Agrícola Daltro Filho, em Charqueadas, e em Santa Rosa, na região Noroeste do Estado. Ele cita pronunciamento feito na Assembleia Legislativa do RS, em 1948, pelo deputado Alcides Flores Soares Júnior, da UDN. O parlamentar exigiu o pagamento de indenização aos alemães presos e denunciou tortura, sevícia e mortes no campo de Santa Rosa.
Gertz cujos avós eram russos, fez doutorado em Berlim e apaixonou-se pela história dos alemães no Brasil em 1975, quando decidiu elaborar uma tese sobre a Aliança Nacional Libertadora. Ele lembra que foi aconselhado pelo o médico e escritor Dyonélio Machado, militante comunista, a não fazer a pesquisa, pois o trabalho 'traria muita incomodação'. Depois de conversar com o professor Hélgio Trindade, o historiador decidiu estudar o Integralismo e os estudos resultaram na publicação dos livros 'O Fascismo no Sul do Brasil', 'O Perigo Alemão' e 'O Aviador e o Carroceiro'. O professor observa que nos locais de internamento não havia a mesma violência dos campos nazistas e que os italianos foram poupados, pois sua participação na guerra nunca foi considerada pelos gaúchos. A Colônia Penal Agrícola Daltro Filho, onde hoje está instalada a Pasc, foi construída como presídio comum, mas a partir de 1942 virou campo de internamento para cidadãos comuns sem nenhuma atividade política.
Foram recolhidos à Colônia Penal mais de cem alemães e três japoneses. Gertz conta que houve relato da morte de um alemão, mas o inquérito policial concluiu que o falecimento do prisioneiro teve causas naturais. O deputado Flores Soares, afirmou na época, durante discussão com outros políticos, que presenciara em Santa Rosa as práticas denunciadas. O caso, segundo o historiador, foi retratado também na Revista Vida Policial, da série 1942/1943 e numa brochura publicada em 18 de maio de 1948. Em Santa Rosa, o repórter Felipe Dorneles entrevistou uma historiadora e moradores que confirmam a repressão a imigrantes.

CORREIO DO POVO, 16 DE AGOSTO DE 2009.