sábado, 30 de agosto de 2008

Tinariwen & Carlos Santana : Amassakoul

Miguel Portas acusa política de imigração europeia de ser repressiva


O eurodeputado bloquista Miguel Portas considerou hoje que a política europeia de imigração está a ser construída "pelo telhado" e tende a funcionar como "campo de experimentação social" e "laboratório de políticas repressivas". Numa intervenção no "Fórum de Ideias Socialismo 2008", realizado no Porto e que marca a rentrée política do BE, o eurodeputado procurou respostas para a pergunta "Como estamos de Europa?" e deu particular ênfase à questão da imigração.

Considerando que a União Europeia (EU) está investir "barbaridades de dinheiro" na detenção e repatriação de imigrantes, Miguel Portas disse que esta é uma política "construída pelo telhado". No espaço da União há 224 centros europeus de detenção de imigrantes, com capacidade para 30 mil ilegais. "Primeiro trata-se da expulsão dos que chegam e depois pensa-se nos que lá estão", disse o bloquista que também criticou as quotas de imigração, rotulando-as como algo "imbecil".

Para Miguel Portas, estas são políticas na "linha de água" do respeito pelos direitos humanos, constituindo um "enorme campo de experimentação social, em que o imigrante é cobaia". Acabam por ser também "um laboratório para experimentação de políticas repressivas", afirmou, lembrando o caso do primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, que chegou a ser censurado pelo Parlamento Europeu depois de avançar com recolha de impressões digitais dos indivíduos ciganos.

"Na questão da imigração, joga-se uma questão civilizacional", sublinhou ainda o eurodeputado. Na sua intervenção, Miguel Portas alertou para a perda de peso das receitas próprias da UE nos orçamentos comunitários, com consequente aumento das compartições dos estados-membros, o que pode vir a constituir "a declaração de morte de qualquer projecto europeu pujante".

Recusando que nada haja a fazer para combater as perdas no modelo social europeu alegadamente por culpa da globalização, o eurodeputado frisou que o Parlamento Europeu a Comissão Europeia "deixaram de ser o laboratório de uma vontade comum para passarem a ser simples locais de arbitragem de interesses nacionais".

O eurodeputado bloquista considerou que numa Europa que deixou de ter os grandes económicos como "motor", "o problema da Esquerda é saber que outro pode ter. Esse motor não vejo que não possa ser outro se não o dos pobres e dos trabalhadores".

El conflicto que salió de las aulas y ganó la calle


Los alumnos tomaron 14 colegios y se movilizaron con los docentes al Ministerio de Educación. Narodowski fue interpelado en la Legislatura, donde afirmó que no se darán apoyos escolares “si los padres son propietarios”.

“Ni siquiera saben escribir bien.” Esta frase no la dijo el ministro de Educación porteño, Mariano Narodowski, sino Fátima S.: una de las 30 mil alumnas que en lo que va de este año –y mediante un comunicado de sintaxis extraña– se enteró de que dejaba de percibir la beca que el gobierno de la Ciudad otorga a los sectores estudiantiles con menos recursos. Fátima es abanderada del colegio Nicolás Avellaneda y es la punta paradójica, casi pintoresca, de un iceberg que toma dimensiones cada día más brutales: ayer, los alumnos de 14 colegios dependientes del gobierno porteño marcharon hacia el Ministerio de Educación pidiendo el reintegro de las ayudas económicas, y aseguraron que hoy decidirán cómo continuar el plan de lucha.

Ayer la calle estuvo caliente, pero en la Legislatura la temperatura subió todavía más: mientras padres y alumnos de la Escuela Superior Mariano Acosta le gritaban “mentiroso”, el ministro Mariano Narodowski ratificó la quita de los beneficios estudiantiles en favor de una “mejor redistribución del presupuesto”, y agregó que el gobierno de Mauricio Macri había decidido negar las becas a aquellos chicos cuyos “padres sean propietarios de sus casas”.

Con esta última declaración –que Narodowski negó en diálogo con Crítica de la Argentina–, el oficialismo terminó de sellar el que probablemente es el mayor desencuentro en tiempos democráticos entre el gobierno de la Ciudad y las escuelas que de él dependen. La polémica de las becas enfrentó al ministro ya no sólo con los alumnos porteños, sino con buena parte de la comunidad educativa. “No celebro la toma de un colegio, pero sí estoy convencida de que hay que revisar urgentemente el tema de las becas –opina Silvina Gvirtz, investigadora del Conicet y directora de la maestría de la Universidad de San Andrés–. Si tomás semejante medida, estás obligado a hacer un estudio caso por caso y explicar por qué quitás cada beneficio. Hay que presumir la inocencia de las personas. Pero al retirar 30 mil becas, estás presumiendo la culpabilidad de todas”.

Según datos de la Defensoría del Pueblo, el 31% de las solicitudes rechazadas por el Gobierno de la Ciudad corresponde a alumnos que declararon ingresos en sus hogares menores a 750 pesos. Estos números –tal como denunció este diario el pasado 15 de agosto– incluyen a la mayor parte de los estudiantes de las ocho Escuelas de Reingreso de la ciudad, donde cursan jóvenes embarazadas y en situación de vulnerabilidad. A esto se suma una segunda polémica: una resolución del Boletín Oficial publicada en julio notifica que hay cerca de 10 mil becas que aún no fueron otorgadas. Por todo esto, los integrantes de la Comisión de Educación de la Legislatura interpelaron ayer al ministro Narodowski, y repitieron un pedido para un nuevo encuentro el próximo lunes.

Entre tanto, la Coordinadora de Estudiantes Secundarios está decidiendo si seguirá con las tomas. “Creo que este recurso que usan los estudiantes es una manifestación más de un proceso de desinstitucionalización que hay en la Argentina –opina Guillermina Tiramonti, directora de la Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales–. No justifico las tomas, pero las ubico en contexto: a nivel social también se aplican los recursos de protesta extremos. En este país los temas que deben discutirse en el seno de las instituciones, empiezan a discutirse mediante manifestaciones de fuerza. Y en las manifestaciones de fuerza hay medición de fuerza, no argumentos”.

EN LA CALLE. Con dientes metálicos, mochilas pintadas, pancartas –“La ciudad trabaja y Macri se rasca el culo”, decía una– y hasta bolsas de dormir colgando del morral, una multitud de estudiantes caminó por Avenida de Mayo en la tarde de ayer. Si bien la inmensa mayoría eran alumnos, también había padres y docentes. “Los chicos están orgullosos de la escuela, están acá defendiendo sus derechos –aseguró Enrique Vázquez, 50 años, profesor de Historia del Colegio Nicolás Avellaneda: la única institución que hizo una maratón de 24 horas de clases (ver recuadro)–. Los chicos tienen una actitud madura, responsable y reflexiva. Lástima que las autoridades no lo ven”.

Gracias a las becas por las que reclaman los alumnos, Mariela, 16 años, cinco hermanos, alumna del colegio Mariano Moreno, hasta el 2007 podía comprarse los libros de estudio. “Con el dinero compré útiles, viajé en colectivo, saqué fotocopias y pude tener libros –explicó a Crítica de la Argentina–. No me alcanzó para mucho, pero este año no me la dieron y fue difícil conseguir los libros. Tuve que usar carpetas y útiles del año pasado, pero hubo gastos que dejé de lado. No voy a dejar de estudiar, porque quiero terminar el secundario, pero sin la beca es difícil ir a la escuela”.

Las becas, en rigor, no fueron el único reclamo de los alumnos durante la marcha del viernes. También pidieron salarios dignos para los docentes (Mauricio Macri aseguró ayer que son los mejores pagos del país, pero los números lo contradicen; boleto estudiantil a 5 centavos hasta 5º año, reparaciones edilicias y la anulación de una medida reciente que es, probablemente, la segunda decisión más antipopular del Gobierno: pedir una lista con los alumnos que toman las escuelas. “Este pedido de listas me parece definitivamente mal –opina Inés Dussel, investigadora en Educación de FLACSO–. Habría que preguntar qué pasa con los mecanismos de expresión de estos estudiantes y por qué la toma, en vez de ser una de las últimas medidas, es la primera”. Para Dussel, una respuesta probable es que en la Argentina se radicalizaron las protestas sociales. Y la escuela pública, más por suerte que por desgracia, sigue siendo parte del país.

En el Avellaneda, toma con clases

“La educación se defiende con educación”, fue el slogan de los alumnos del colegio Nicolás Avellaneda de Palermo, el único de los catorce en conflicto que resolvió, en una multitudinaria asamblea de alumnos, hacer una toma con clases. “Es para que no digan que somos unos pendejos que usamos lo de las becas para no tener clases”, sostuvieron. El resultado fue una maratón de 24 horas de clases: una especie de paro a la japonesa desde las 7.45 del miércoles a las 7.45 del jueves. Un profesor contó que se organizaron para dar clases de acuerdo con las posibilidades de cada uno. “No le queríamos hacer el juego al Gobierno de dejar a los chicos sin clases, entonces decidimos que no tenían que quedarse solos”.

TEXTOS Y PRODUCCIÓN: JOSEFINA LICITRA, TAMARA SMERLING Y CANDELARIA SCHAMUN

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Pat Metheny Live In Switzerland

Metas de Kyoto são cumpridas por 161 cidades suíças

Schaffhausen:

Os altos custos do petróleo e o debate sobre o clima levam as cidades suíças a economizar energia e a reduzir as emissões: 161 já usam um selo de sustentabilidade.

Nessas 161 cidades vivem 2,6 milhões de pessoas, um terço dos habitantes do país. A meta do governo é atingir 200 cidades (75% da população suíça) até 2010, diz Kurt Egger, diretor do Programa de Energia para os Municípios Suíços.

As chamadas "cidades da energia" (Energiestädte) assumem o compromisso de economizar energia, fomentar energias renováveis e reduzir as emissões. Quanto maior a população maior é a pressão para combater os problemas do meio ambiente, constata Egger.

Zurique, Basiléia, Berna, Lausanne e St-Gallen já aderiram ao programa. Genebra também se prepara para obter o selo azul e branco. A primeira "cidade da energia" da Suíça é Schaffhausen, no leste do país, que tem o selo desde 1991.

Esse distintivo de qualidade também é cobiçado por municípios turísticos, como Davos e Saas-Fee. Já no Tecino, região italiana da Suíça, apenas Chiasso e Mendrisio são "cidades da energia". Nos estados de Appenzell Innerrhoden e Obwalden até agora nenhuma aderiu.

Com um total de 40 programas do EnergieSuisse, o programa de eficiência energética e energias renováveis da Suíça, as emissões de CO2 no país são reduzidas 6% ao ano. O programa "Energiestadt" contribui com cerca de um quinto dessa redução. Dessa forma, as "cidades da energia" – por si só – cumprem as metas do Protocolo de Kyoto.

Não basta

"Para cumprir a meta estabelecida pelo Conselho Federal (Executivo suíço), de reduzir em 20% as emissões de gases do efeito estufa até 2020, são necessárias novas regras jurídicas", diz Egger.

O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) indiretamente confirma isso: Christian Zeyer, vice-diretor de política climática do WWF Suíça, classifica as "cidades da energia" como um "passo muito bom".

De acordo com os cenários do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), no entanto, as emissões de CO2 dos países industrializados teriam de ser reduzidas em 80% a 90% até 2050. "O selo não resolve esse problema", afirma Zeyer.

Economizar energia

A Associação Cidade da Energia Suíça lista 87 medidas que podem ser adotadas para proteger o clima, por exemplo, através da construção, do planejamento urbano, do trânsito e do consumo de energia.

Muitas das 161 prefeituras oferecem um serviço de consultoria especial aos moradores locais. Mais de 30% delas têm programas de fomento. Sem modificações nas edificações, a cidade não recebe o selo.

As prefeituras podem, por exemplo, tornar obrigatório o uso de energias renováveis em novas áreas residenciais. Isso é mais fácil de implementar na construção de novas casas do que no saneamento de antigas.

A cidade que cumpriu pelo menos a metade das medidas de redução das emissões recomendadas recebe o selo, que é controlado a cada quatro anos.

Tendo aprovado ou cumprido mais de 75% das medidas possíveis, o município recebe como distinção máxima a medalha de ouro "European Energy Award GOLD". Dez localidades suíças já receberam essa distinção.

Mais incentivos

O diretor da Associação Suíca dos Proprietários de Imóveis, Ansgar Gmür, reinvindica mais estímulos financeiros para renovações, "para que os programas atraiam os proprietários".

Também Michael Töngi, da Associação dos Locatários da Suíça alemã, considera os incentivos financeiros importantes. Mas os governos federal e estaduais devem ser os principais fomentadores, depois as prefeituras. Os custos da renovação não devem ser repassados só aos locatários, diz.

swissinfo, Geraldo Hoffmann (com agências)

Caráter pesa mais do que sexo na definição de masculinidade, diz pesquisa

Dali

O caráter é mais importante para definir a masculinidade do que atributos físicos e vida sexual, sugere uma pesquisa feita com 27 mil homens em oito países, inclusive o Brasil.

Publicada na edição desta semana da revista científica Journal of Sexual Medicine, a sondagem entrevistou homens entre 20 e 75 anos sobre os fatores que definem qualidade de vida e masculinidade. Entre os entrevistados, 16% sofriam de disfunção erétil.

Segundo os resultados, a maioria dos entrevistados (33%) considera que ser visto como um homem honrado e ter o controle da própria vida (28%) são os principais atributos da masculinidade. Em contrapartida, apenas uma minoria citou ser atraente (1%) e ter sucesso com as mulheres (1%) como fatores que definem a identidade masculina.

O estudo ressalta ainda que a percepção sobre a identidade masculina não é diferente para os homens impotentes entrevistados na pesquisa.

“As percepções dos homens sobre a masculinidade diferem de maneira significativa dos estereótipos da literatura”, diz o estudo.

“Ao contrário dos estereótipos, em todos os países analisados, atributos envolvendo respeito social foram citados com muito mais freqüência como fatores que definem a masculinidade do que aqueles apenas concentrados na sexualidade”, afirma o texto.

Brasil

No Brasil, os pesquisadores entrevistaram cerca de 5 mil homens de diferentes faixas etárias.

Entre os brasileiros entrevistados, ser visto como um homem honrado foi citado como o atributo mais importante da identidade masculina para a maioria (41%).

Além da honra, fatores como a manutenção do controle da própria vida (27%) e ter um bom trabalho (12%) também foram citados como importantes na construção da masculinidade.

No entanto, atributos mais sexuais como ser atraente (0%) e ter sucesso com as mulheres (1%) parecem ter menos importância na definição da identidade masculina, citados por uma minoria dos entrevistados.

Além do Brasil, os homens entrevistados na Espanha, México, Estados Unidos e França também definem a honra como o principal atributo da masculinidade. Já na Alemanha, Reino Unido e Itália, ter o controle da própria vida foi citado como fator mais importante.

“O conjunto de resultados dessa pesquisa ressalta a importância para os homens dos aspectos não-sexuais na construção da identidade masculina”, diz o estudo.

Qualidade de vida

Além dos fatores que contribuem para a construção da identidade masculina, o estudo também analisou a percepção dos homens sobre os atributos que definem uma boa qualidade de vida.

A maioria dos entrevistados (29%) citou “ser saudável” como o principal atributo de uma boa qualidade de vida, seguido por “harmonia na vida familiar”(26%) e “bom relacionamento com a parceira” (22%).

No entanto, aspectos mais materiais foram considerados menos importantes para a definição de uma boa qualidade de vida pelos homens entrevistados. Fatores como “vida sexual satisfatória” e “ter uma boa casa” foram citados por apenas 3% dos participantes.

Contribuição

De acordo com Julia Heiman, principal autora do estudo, os resultados podem contribuir para uma melhor compreensão acerca da opinião dos homens sobre sua própria identidade.

“Perguntar a vários homens o que engloba seu senso de masculinidade é muito útil para a mídia e para a pesquisa. Esses resultados sugerem que devemos prestar atenção e perguntar, ao invés de assumir que sabemos”, afirma Heiman.

Segundo a autora, os resultados também podem contribuir para uma melhor compreensão acerca da opinião dos homens que sofrem de impotência e ajudar os médicos a elaborar melhor suas táticas de tratamento.

Isso porque não houve diferença na percepção sobre masculinidade entre daqueles que sofriam de disfunção erétil e os que não apresentavam problemas sexuais.

“Os resultados sugerem com clareza que os médicos devem reconsiderar o conceito de que a disfunção erétil e outros problemas sexuais abalam o centro da identidade masculina”, afirma o estudo.

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

El nivel de vida determina la salud de las personas


La justicia social no es sólo una cuestión ética, sino de vida y muerte, advierte la OMS.- Cuatro de cada cinco ciudadanos carece de seguridad social en el mundo.

No existe ninguna razón biológica para que la esperanza de vida varíe hasta más de 40 años de un país a otro, o para que varíe varias decenas de años en una misma ciudad dependiendo del barrio en el que uno viva. Las condiciones sociales en las que las personas nacen, crecen, trabajan y envejecen determinan su buena o mala salud. Esta es la principal conclusión de un informe de la Organización Mundial de la Salud (OMS) presentado hoy en Ginebra tras tres años de trabajo.

"La combinación nefasta de circunstancias económicas injustas y políticas sociales pobres está matando a la gente a gran escala", ha asegurado el presidente de la Comisión de la OMS, Michael Marmot, en la presentación de la investigación, titulada Informe sobre Determinantes Sociales de la Salud. La Comisión de la OMS es una red mundial de instancias normativas, investigadores y organismos de la sociedad civil que la Organización Mundial de la Salud creó en 2005.

El informe pone de manifiesto que la esperanza de vida varía radicalmente entre los países ricos y los más pobres, y dentro de cada país viven menos los más desfavorecidos.

La esperanza de vida al nacer de las mujeres en Japón, de 86 años, duplica a la que tienen las mujeres al nacer en Zambia, que es de sólo 43 años. Si la tasa de mortalidad infantil es de 2 por 1.000 nacidos vivos en Islandia, ésta aumenta hasta más de 120 por 1.000 nacidos vivos en Mozambique. Y si el riesgo de muerte materna durante el parte o poco después de él es de sólo una por cada 17.400 mujeres en Suecia, llega hasta una de cada ocho en Afganistán.

Las diferencias también se aprecian claramente dentro de un mismo país, y así, en Bolivia la tasa de mortalidad infantil de los bebés de madres que no han cursado estudios supera los 100 por 1.000, mientras que la de los bebés de madres que tienen al menos educación secundaria es inferior a 40 por 1.000.

En Australia, la esperanza de vida de los aborígenes es de 59,4 años para los varones y 64,8 para las mujeres, edades muy inferiores a la de los australianos no aborígenes (76,6 y 82 años, respectivamente). En Glasgow (Escocia), la esperanza de vida de los varones en el barrio de Calton es de 54 años, 28 años menos que los de Lenzie, a pocos kilómetros de distancia.

Hacia el objetivo de la equidad sanitaria

Los autores del informe instan a los gobiernos, a la sociedad civil y a la OMS y a otras organizaciones a unirse para adoptar medidas encaminadas a mejorar la vida de los ciudadanos, y plantean el objetivo de lograr la equidad sanitaria "en el lapso de una generación". "Pero si continuamos como hasta ahora, no tenemos ninguna posibilidad de lograrlo", advierten.

"El desarrollo de la primera infancia determina de forma decisiva las oportunidades en la vida de una persona y la posibilidad de gozar de buena salud", indican. Unos 200 millones de niños en el mundo no se desarrollan plenamente, lo que tiene enormes consecuencias para su salud. "Una buena alimentación es fundamental y empieza en el útero materno, lo que exige que la madre se alimente correctamente".

Por otra parte, el lugar donde vive la gente afecta a su salud y a sus posibilidades de tener una vida próspera. Por ello, plantean que "para alcanzar la equidad sanitaria es esencial que haya comunidades y barrios que tengan acceso a bienes básicos, gocen de cohesión social y hayan sido concebidos para promover el bienestar físico y psicológico y protejan el medio ambiente".

En el plano laboral, "las malas condiciones de trabajo pueden hacer que el individuo se vea expuesto a toda una serie de riesgos físicos para la salud, que tienden a concentrarse en los trabajos de nivel inferior".

Los autores consideran que extender la protección social a toda la población en todo el mundo constituye un paso decisivo para alcanzar la equidad sanitaria en una generación. En la actualidad, cuatro de cada cinco personas en el mundo carece de seguridad social. Respecto a la atención sanitaria, consideran que "es un bien común, no un producto comercial", por lo que recomiendan financiar el sistema de salud "mediante impuestos o un seguro universal obligatorio".

Chocolate amargo reduz pressão em 15 dias, diz estudo


Comer algumas gramas de chocolate meio-amargo enriquecido por dia durante duas semanas pode ajudar a reduzir os riscos de doenças cardíacas, sugere um estudo publicado na edição de setembro da revista científica Journal of Nutrition.

Segundo a pesquisa, compostos conhecidos como flavonóides, presentes no cacau, principal ingrediente do chocolate, seriam os responsáveis pela ação benéfica do alimento.

Isso porque os flavonóides impulsionam o aumento da produção de óxido nítrico - uma substância química produzida pelo corpo que atua no relaxamento e dilatação das artérias.

O consumo de chocolate enriquecido com os compostos ajudaria na redução da pressão sangüínea e da resistência à insulina – fatores que contribuem para diminuir o risco de doenças cardíacas.

"Nossa descoberta sugere que uma dieta com alimentos à base de cacau ricos em flavonóides e pouco calóricos podem ter um impacto positivo nos fatores de risco das doenças cardíacas", diz o estudo.

Impacto

A pesquisa das universidades de L'Aquila, na Itália, e Tufts, em Boston, foi feita com base nas informações de 11 homens e oito mulheres que apresentavam problemas de pressão alta e resistência à insulina.

As pessoas foram divididas em dois grupos: o primeiro teve direito a comer 6 g diárias de chocolate meio-amargo diariamente durante duas semanas; o segundo, a mesma quantidade de chocolate branco.

Depois de 15 dias, os pesquisadores observaram que a pressão sangüínea dos primeiros caiu de maneira significativa, enquanto entre os segundos nenhuma mudança foi verificada.

Pesquisas anteriores já haviam indicado os benefícios do cacau enriquecido com flavonóides na redução do risco de problemas cardíacos.

No entanto, os pesquisadores ressaltam que a pesquisa atual demonstra os efeitos a curto prazo do consumo dessas substâncias na prevenção de doenças cardíacas.

Mas June Davison, especialista da British Heart Foundation (BHF), que trabalha para combater doenças cardíacas, afirmou que é preciso ter cautela com a dieta.

"É importante lembrar que o chocolate é normalmente parte do problema de saúde cardíaca, não a solução", disse.

"Todo mundo pode aproveitar um chocolate de vez em quando. No entanto, comer cinco porções de frutas e vegetais é a melhor maneira de consumir antioxidantes sem ter que se preocupar com a gordura e o açúcar do chocolate", concluiu.

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Un niño de 3 años sabe muchas cosas


Que el sol es de fuego, que la Luna queda lejos. Todavía no distingue a quién quiere embaucarlo. Pero denle tiempo, porque el niño sabe.

Por Josefina Licitra.

Sabe que hay animales que comen plantas y otros que comen carne, y que los elefantes –aunque no comen carne– son peligrosos porque pueden pisotearte sin querer: una forma de enterarte de que los buenos también son capaces de hacer daño.

Sabe que su color preferido es el rojo, que preferido es igual que favorito, y que favorito es lo que más les gusta a las personas sobre la faz de la tierra. Le enseñaron que vive en el planeta Tierra, en el país Argentina, en la calle Ramón Falcón.

Que las calles se cruzan cuando enciende el color verde y que adentro de los autos hay que usar el cinturón. Cuando pasa por su esquina, un niño de tres años es capaz de distinguir a un policía de una puta: la puta tiene tetas grandes y sonríe cuando el niño la saluda. El policía, bueno, el policía sólo hace caritas en las propagandas sobre el tránsito: sabe entonces un niño, a los tres años, que lo que dice la tele puede no ser cierto y que mirar la tele es, en última instancia, un ejercicio de fe. Uno elige en qué creer y entonces él confía en la existencia de Pucca, Kung Fu Panda, los Backyardigans y Marcelo Tinelli.

Después de confiar, pide productos. Y entiende, o al menos va entendiendo, que el precio de tener algún juguete suele ser perversamente alto: los juguetes se compran con dinero, el dinero se compra con trabajo de sus padres y el trabajo significa que ese niño, durante varias horas, a lo largo de muchos días, está sin sus papás. Así aprende el niño que la felicidad se paga. Pero aprende, antes que nada, que a veces es buen negocio pagarla.

Un niño de tres años percibe que las personas y los animales mueren. No queda claro cómo es que lo advierte porque los padres se empeñan en mentirle, pero él un día se tira al piso y grita “me morí”, y con sólo gritarlo está diciendo que él sabe, o presiente, que hay cosas que los padres le ocultan.

Sabe que el sol es de fuego, que la Luna queda lejos y que hay lugares a los que nunca se llega.

A los tres años, un niño tiene claro que no quiere ser viejito. Quiere ser grande pero no viejito, porque los viejitos se ven –el niño se encorva– así. Y nadie, ni siquiera un niño –sobre todo un niño– quiere verse así.

También sabe que hay otros niños que mueren. Una vez, por descuido, vio la imagen de una criatura ensangrentada por las bombas y sus padres apagaron la pantalla, pero ya era tarde: la imagen para siempre, en la pupila del niño.

–El nene estaba dormido –mintió la madre.
–No. Estaba muerto –dijo el niño.

Un niño a los tres años sabe decir “está muerto” aunque no sepa qué es la muerte. Como los adultos, como todos los que estamos vivos.

Hay, por otro lado, cosas que un niño, a los tres años, no sabe. No sabe decir “creo en Dios” porque ni siquiera sabe decir “Dios”.

No le contaron que en las reuniones sociales hay que deslizar que se leyó a Houellebecq. No tiene idea de cómo se hacen los bebés –y menos de por qué–, y tampoco sospecha que su mamá lloró en la ducha el día de su tercer cumpleaños: un llanto de felicidad, que no es otra cosa que la cara más amable de la desesperación.

No sabe fingir, un niño de tres años. No le sale la impostura y las mentiras se le vuelven carteles en los ojos.

Tampoco intuye que la mayor parte de las propagandas, las revistas, los programas infantiles y los espectáculos de las vacaciones de invierno lo trataron y lo tratan como si él fuera eso: un exhibidor de carteles, alguien que no sabe. Una criatura que sólo tiene cabeza para elegir –como muestra Territorio Kids: el primer blog creado por el marketing para saber qué colocarle a qué niño– si son mejores las Barbies o las Bratz, o si es preferible el batido Chocolek con gusto a vainilla o con gusto a galleta.

El niño todavía no sabe distinguir quiénes quieren embaucarlo y quiénes no.

Pero denle tiempo, porque el niño sabe mucho.

Sabe, por ejemplo, que se llama Joaquín. Y saber su nombre, a esta altura, es más importante que saberlo todo.

NOTA DO OMAR: Enbaucar: Trapacear, tapear, enganar, iludir.

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Ordem superior leva padre a suspender concurso de 'Miss Freira'


Assimina Vlahou
De Roma para a BBC Brasil

Criticado por ter proposto uma competição que pretendia eleger a freira mais bonita via internet, um padre italiano voltou atrás e suspendeu tudo.

O concurso já tinha nome, "Irmã Itália 2008", e estava marcado para começar em setembro, no blog do padre Antonio Rungi, da paróquia de Mondragone no sul do país.

Conforme a intenção do religioso, a escolha seria feita via internet e, além das freiras mais bonitas, os internautas elegeriam também os projetos de trabalho mais interessantes das irmãs.

O aspecto físico, contudo, acabou tendo maior repercussão e isso prejudicou o projeto, na avaliação do clérigo, que interrompeu tudo nesta segunda-feira.

“Estão tentando impedir minha iniciativa, isto é certo”, disse padre Rungi à BBC Brasil.

O padre lamentou o destaque excessivo ao aspecto estético, dado pela imprensa, argumentando que a idéia era apresentar as freiras mais expressivas, que tivessem uma história de vida para contar.

“Não seria uma competição de miss, com passarela e desfiles, mas um concurso de beleza global, não apenas exterior mas interior”, esclareceu.

A notícia teve destaque na imprensa nacional e internacional e o sacerdote foi chamado por seu superior, o monsenhor provincial da ordem dos passionistas de Nápoles, para dar explicações.

Brasileiras

“Ele (meu superior) ficou confuso e provavelmente foi contatado pela Santa Sé. Não entenderam que se trata de um blog. As freiras se apresentariam com áudio e vídeo e poderiam ser votadas com base na opção de vida religiosa que representam. É claro que, tendo uma bela foto, o aspecto físico também seria votado. Há algo de mal nisso?” questionou.

Segundo o padre Antonio, por causa da crise de vocações na Itália, estão vindo religiosas de outros países, mais jovens e com vitalidade. Ele disse aos jornais italianos que há freiras “muito bonitas” provenientes da África e da América Latina, “sobretudo as brasileiras”.

“Sem discriminar as outras, as brasileiras são mais alegres e joviais. Quem esteve no Brasil sabe como vivem, é um povo alegre. Elas levam esta espiritualidade da alegria às comunidades religiosas onde vão. Neste sentido, é uma beleza que se transfere em comportamentos, atitudes e felicidade pela escolha que fizeram”, disse padre Rungi à BBC Brasil.

O clérigo é conhecido também por suas atividades de divulgação da fé em situações inusitadas, como rezar o terço nas praias em meio aos banhistas de férias. Na interpretação dele o concurso seria um jeito de usar os meios de comunicação modernos para evangelizar.

“É preciso valorizar as novas linguagens, a nova mídia, para levar o bem”, justificou o sacerdote que, devido às críticas que recebeu, resolveu suspender o concurso e o próprio blog.

'Provocações'

“Suspendi porque começaram a chegar provocações em vídeos e fotos que nada tinham a ver com o argumento, enviados por pessoas que desejam deturpar a boa iniciativa, que nem era minha”.

Quem deu a idéia do concurso foram as próprias freiras, segundo o religioso. “Elas me diziam: 'porque não organizar a visibilidade dos institutos num blog, onde as freiras contariam suas experiências?'”

Nem todas as religiosas contudo vêem a idéia de forma positiva.

“Quem esté a fim de ser miss?”, disse à BBC Brasil a Irmã Natália, brasileira de Santa Catarina que vive em Roma há 3 anos. Pertencente à Ordem das Paulinas, congregação especializada em comunicações sociais, a religiosa não concorda com a proposta de votar o trabalho realizado pelas freiras.

“Todos os trabalhos são válidos, um completa o outro. Não é justo definir um melhor do que o outro, nem criticar uma vocação ou tendência ”, disse.

Para retomar o projeto, padre Antonio Rungi vai precisar da autorização das próprias religiosas e das madres superioras por escrito, além de passar pelo aval do Vaticano.

“Não estou fazendo nada de mal, é uma forma moderna de promover a imagem das freiras que não são aquelas velhas que querem nos mostrar. São diplomadas, inteligentes, preparadas e poderiam ter uma visibilidade até por sua beleza física, não vejo porque se escandalizar”, defendeu o clérigo.

O padre disse que recebeu telefonemas de freiras do Brasil e da Argentina, aprovando a iniciativa.

“Acho difícil que ele consiga criar esse concurso, se quiser mesmo divulgar o trabalho das irmãs através da eleição de miss. É meio estranho mas, quem sabe…”, avaliou a Irmã Natália.

RS eleva plantio de soja orgânica


A região Noroeste do Rio Grande do Sul deve ampliar o plantio orgânico de soja de cem hectares, na safra passada, para 200 hectares em 2008/09, conforme dados da Cooperativa Central da Agricultura Familiar (Unicooper). A área está distribuída nos municípios de Alecrim, Campina das Missões, Cândido Godói, Giruá, Porto Mauá e Santo Cristo. Um dos estímulos é o pagamento de prêmio. 'Para o mercado interno, o produtor deve cultivar soja orgânica em uma terra sem produtos químicos há pelo menos um ano, e receberá 13% a mais do que o preço comercial. Para o mercado externo, o produtor deve cultivar soja em solo sem produtos químicos há pelo menos dois anos, com ganhos de 25% à 35% a mais', disse o agrônomo Eduardo Rizzi, da empresa suíça Gebana Brasil, que comercializa soja orgânica no Brasil e no exterior. Ontem, houve reunião em Santa Rosa com a presidência da Unicooper para discutir certificação, comercialização, assistência técnica, uso de sementes e insumos. Rizzi ressaltou que a venda da colheita fica garantida por meio de contrato assinado no momento em que o agricultor integra o programa.
Hoje ocorre encontro em São Pedro do Butiá e amanhã, em Santo Cristo.

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Hotel no leste alemão cobra por "pecados ecológicos"


Hotel na pequena cidade de Zeulenroda, no leste da Alemanha, cobra pelos "pecados ecológicos" do hóspede. O dinheiro arrecadado é doado a projetos ambientais.

Um novo terminal instalado na recepção do hotel ecológico Zeulenroda, junto ao lago homônimo quase na fronteira da Alemanha com a República Tcheca, tornou-se um ponto de atração para os hóspedes.

"O interesse é grande", conta o gerente Stephan Bode. Não é de admirar, pois o aparelho oferece um serviço inédito: ele calcula o preço dos "pecados ecológicos" dos hóspedes, desde a viagem de chegada até a partida do hotel.

Conscientizar sobre o meio ambiente

A meta é cuidar o máximo do meio ambiente. Para isso, o computador informa a cada hóspede que um pernoite, incluindo todas as refeições, representa a emissão de 32 quilos de CO2 no meio ambiente.

Aí está tudo contabilizado: desde a frota de veículos do hotel, passando pela lavanderia, incluindo a vaca que produz o leite para o café-da-manhã e a produção do chinelinho de pano usado na sauna. O custo: 0,39 euro.

"É o próprio hóspede que decide se quer contribuir", explica Bode. Partindo de uma ocupação de 50% para as 307 camas, e se os hóspedes fizessem todas as refeições no hotel, poderiam ser neutralizadas desta forma 1,2 milhão de toneladas de dióxido de carbono. Com as compensações, o hotel pretende financiar um parque eólico na Índia e um projeto de reflorestamento em Uganda.

Hotel exemplar na questão ecológica

Há muitos anos, o hotel de Zeulenroda vem servindo de modelo para outros estabelecimentos. Sua cozinha só usa produtos orgânicos, na limpeza são empregados apenas produtos que não agridem o meio ambiente.

Até a impressão de cartões e folhetos é feita de forma não poluente. O hotel, que sob a direção de Bode foi eleito nos últimos três anos a melhor casa de congressos da Alemanha, planeja também a autarquia energética.

Não só o meio ambiente e os hóspedes são a preocupação da gerência. Também seus 130 funcionários. Foi contratada, por exemplo, uma médica naturalista para tratar exclusivamente do bem-estar da equipe.

A receita do êxito, segundo Bode, chama-se "qualidade integrativa da consciência", ou seja, "cada um é estimulado e exigido em um todo". Em 2002, quando Bode assumiu a gerência, a capacidade ociosa do hotel era de 75%. Com 83 funcionários, o hotel faturava 2,5 milhões de euros ao ano. Para 2008, ele projeta uma ocupação média de 50% e um faturamento de 5 milhões de euros.

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

OJOS DE BRUJO

MORTOS CONTABILIZADOS


O número é chocante e grave. Ele é pelo menos 10 vezes maior que a maioria das estimativas citadas na mídia americana, mas está, no entanto, baseado em um estudo científico de mortes Iraquianas violentas causadas pela invasão comandada pelos Estados Unidos em Março de 2003.
LEIA MAIS AQUI!
DIRETO DO BLOG DO JEAN SCHARLAU.

En Rosario votaron por el aborto

Rosário, Argentina:

El Consejo Deliberante de la ciudad santafesina de Rosario vivó anoche una jornada histórica, ya que aprobó por amplia mayoría un proyecto de declaración que apoya la despenalización y la legalización del aborto, e insta al Congreso nacional a que esta iniciativa tome estado parlamentario.

El proyecto inicial había sido presentado por la concejal Marisa Pugliani, del partido socialista, y tras moderarse en las comisiones de Salud, Derechos Humanos y Gobierno, ingresó al recinto y fue aprobada con diecisiete votos a favor y tres en contra.

A pesar de la amplia diferencia con la que ganó la posición oficialista, el debate que duró cuatro horas tuvo polémicas alocuciones que provocaron fulgor en las hinchadas de ambos bandos que se asentaron en las tribunas. Se escucharon cantos como“¡Asesina – Asesina!” y “¡Viva la Vida!”

En la sesión, hubo una clara división en el bloque del Frente para la Victoria, ya que su titular Arturo Gandolla votó a favor y sus otros dos miembros votaron en contra.

"No es cierto que la despenalización genere más abortos. En España, durante el exilio, viví de cerca la polémica y he visto morir a una compañera por una práctica clandestina", argumentó.

Estudo vê crise demográfica nos estados do leste alemão

Magdeburg, capital da Saxônia-Anhalt:

Alemanha é o país europeu onde a divisão entre regiões vencedoras e perdedoras é a mais clara, afirmam pesquisadores. Estudo prevê que população da Europa diminuirá em 52 milhões de pessoas até 2050.

Os estados da antiga Alemanha Oriental são a região de maior "crise demográfica" de todo o continente europeu, segundo avaliação de pesquisadores do Instituto Berlinense de População e Desenvolvimento. Em nenhuma outra região européia a emigração de mulheres jovens é tão elevada, afirma o estudo divulgado nesta quinta-feira (22/08), o que gera preocupação em relação às taxas futuras de natalidade.

Baixo número de nascimentos, forte envelhecimento da população e perspectiva de falta de jovens pais nas próximas gerações são os principais problemas demográficos dos estados do leste alemão, segundo o estudo. Entre 1990 (ano da reunificação) e 2006, mais de 1,7 milhão de pessoas deixaram os antigos estados comunistas em direção ao oeste da Alemanha.

Com um índice de 1,14 filho por mulher, a capital Berlim tem a menor taxa de natalidade da Alemanha. Enquanto outras capitais européias atraem pessoas com formação superior devido à concentração de grande empresas, Berlim não é sede de nenhuma das 30 empresas de capital aberto que formam o índice DAX, da Bolsa de Valores de Frankfurt.

Leste alemão

"A Alemanha é o país onde a divisão entre regiões vencedoras e perdedoras é a mais clara", afirmou o pesquisador Reiner Klingholz, durante a apresentação do estudo Futuro Demográfico da Europa. Enquanto o leste perde, as regiões da Alta Baviera, Freiburg, Stuttgart, Tübingen e Colônia estão entre as que saem ganhando com a migração interna.

A pior nota entre as regiões alemãs ficou com o estado da Saxônia-Anhalt: 4,17 numa escala de 1 a 6 (quanto mais perto de 6, pior é a nota). A região ocupa a posição de número 241 de um total de 285. As últimas colocações são ocupadas principalmente por regiões de países do leste da Europa, como Bulgária, Polônia e Romênia, e do sul da Itália.

Se fossem considerados como países, nenhum dos estados do leste da Alemanha preencheria os critérios para admissão na União Européia, afirmam os pesquisadores.

Europa

A tendência de diminuição da população verificada no leste alemão é válida também para a Europa. A população européia deverá diminuir em 52 milhões de pessoas até 2050, passando para 447 milhões. Exceções na tendência de recuo populacional são os países escandinavos, a Islândia, a Irlanda e Chipre. Também a França apresenta perspectiva de crescimento populacional, devendo tirar da Alemanha o posto de país mais populoso da Europa até 2050.

"Países que conseguem conciliar emprego e filhos para homens e mulheres estão claramente em vantagem. Hoje, isso vale para os países escandinavos, mas também para a França", disse o pesquisador Steffen Kröhnert. Ele acrescentou que, sem a imigração, não será possível manter a estabilidade populacional da Europa.

Os pesquisadores avaliaram 285 regiões, incluindo todos os 27 países da União Européia, a Islândia, a Noruega e a Suíça. Foram considerados critérios como número de crianças, renda, investimentos em educação e ciência, desemprego e nível ocupacional de idosos. As primeiras posições são ocupadas pela Islândia e pelas regiões de Estocolmo e Oslo.

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Onda da bebedeira coletiva chega à Suíça


Conhecido na Espanha como "botellón" (garrafão), o fenômeno da bebedeira coletiva de jovens e adolescentes chega à Suíça e desafia o poder público.

A polícia de Zurique quer proibir um "botellón" com quatro mil participantes. Especialistas duvidam que a proibição resolva o problema, que não é novo.


Na manhã de 19 de julho passado, os moradores dos arredores do Parque dos Bastiões, em Genebra, devem ter pensado que um tornado havia passado à noite junto ao famoso Muro dos Reformadores.

Com seu gramado, suas alamedas e escadas cobertas de garrafas vazias e fedor de urina no ar, o passeio público tinha um aspecto muito triste no dia seguinte ao primeiro botellón "organizado" (ou melhor, "convocado") na Suíça e que teve 1300 participantes.

Resultado: as autoridades decidiram fechar os portões do parque para impedir uma segunda edição, prevista para 8 de agosto. Mas uma terceira já foi convocada para o dia 22. Para dia seguinte, está programada uma bebedeira coletiva em Lausanne, no dia 29, em Zurique, e no dia 30, em Berna.

"Festejar sim, mas não desse jeito", é a reação dos poderes públicos, que tentam negociar com os organizadores. O problema é que esses encontros são convocados espontaneamente via internet e ninguém quer assumir a responsabilidade por uma limitação mínima para evitar que elas degenerem.

O essencial

"É claro que quando centenas de pessoas completamente se reúnem num parque qualquer coisa pode acontecer. Sobretudo algo ruim", afirma Yves Pedrazzini, colaborador científico do Laboratório de Sociologia Urbana da Escola Politécnica Federal de Lausanne.

Autor de numerosas obras sobre a cidade, suas tribos e violência urbana, o especialista considera que o fenômeno do botellón não é muito novo. Ele nada mais é do que uma versão atual de velhas práticas dionisíacas, vinculadas à mitologia do vinho e do álcool.

"É a versão pós-moderna da Festa dos Viticultores", resume Yves Pedrazzini. Não há qualquer pretexto folclórico, cultural, desportivo ou até religioso. Contrariamente às festas, às liquidações anuais e outros carnavais, o botellón tem a valentia de colocar as cartas na mesa. Quem vem é para beber.

E, freqüentemente, mais do que o razoável. "Vai-se ao essencial. Os rituais ancestrais desapareceram. Estamos em uma sociedade do século 21, marcada pelo consumo. E é necessário que esse consumo seja rápido, abundante, barato e segundo a moda."

Um jogo

Sem querer ser moralizador, Pedrazzini se diz preocupado com forma em que jovens de 16 anos – às vezes, até menos - bebem rápida e abundantemente.

"Há um problema de saúde pública", diz o sociólogo. "Hoje, os jovens bebem muito mais rapidamente, muito mais, e o fazem de maneira ostensiva. Embriagar-se no espaço público virou um jogo."

Um jogo simples. "No início, na Espanha, e, sobretudo em Barcelona, ele era movido pela vontade de se reapropriar de um espaço público acondicionado de maneira tão rica e tão bela, que se havia tornado intocável", explica Yves Pedrazzini.

Mas esse conteúdo reivindicatório se perdeu nos excessos do botellón. "Por outro lado, se houve uma lei proibitória, provavelmente haverá uma reação que irá se politizar. As pessoas irão porque é proibido", prevê o sociólogo.

Proibido, mas não sempre

Enquanto as autoridades da Suíça francesa se mostram perplexas, as da Suíça de língua alemã apostam na repressão para evitar os excessos.

Formalmente, está proibido aos jovens de mais de 18 anos, que têm o direito de comprar bebidas alcoólicas, entregá-las aos mais novos. Mesmo que seja difícil impor essa lei, há controles.

A cidade de Chur, capital dos Grisões, foi mais longe, ao decretar uma proibição geral do consumo de bebidas alcoólicas em público da meia-noite às 7h.

Corrida da cerveja

Antes de o botellón avançar de Genebra para outras regiões da Suíça, a corrida da cerveja (Harassenlauf), realizada legalmente no Dia 1° de Maio, em Münchenstein, no estado da Basiléia, já chamava a atenção.

Trata-se de uma corrida em que cada dupla carrega uma caixa de com 20 garrafas de meio litro cerveja a serem consumidas antes da chegada ao destino. Os que não conseguem matar a sede com tanta cerveja ainda podem consumir outras bebidas durante a corrida.

Organizada anualmente desde 1994, essa "competição" originária da Alemanha chega a reunir até três mil participantes. Portanto, a imaginação ebriosa dos norte-europeus não perde para a dos habitantes do sul da Europa.

swissinfo, Marc-André Miserez

Suecos reclamam de discriminação na oferta de acessórios eróticos

Apoteket:

Claudia Varejão Wallin
De Estocolmo para a BBC Brasil

Dois suecos apresentaram uma queixa formal de discriminação contra a empresa que detém o monopólio das farmácias no país, alegando que os acessórios eróticos à venda nas lojas são dirigidos mais às mulheres do que aos homens.

A Apoteket, estatal que detém o monopólio das farmácias na Suécia, começou a vender acessórios eróticos há poucos meses. A oferta atraiu os clientes e a empresa registrou vendas semanais de mais de mil vibradores e pênis de borracha.

No entanto, os homens argumentam que a oferta de brinquedos eróticos da Apoteket está privilegiando as mulheres e reclamam de discriminação.

O caso foi levado por dois homens ao Ombudsman de Oportunidades Iguais - autoridade responsável por questões de discriminação na Suécia.

Na queixa, consta que a seleção de produtos eróticos da Apoteket demonstra "uma visão falsa e distorcida da sexualidade, segundo a qual uma mulher que utiliza um vibrador é considerada liberada, forte e independente, ao passo que um homem que usa uma vagina de plástico inflável é visto como um ser repugnante e pervertido".

Defesa

A gerente de produtos da Apoteket, Eva Fernwall, foi obrigada a fazer uma defesa pública da sua escolha de acessórios eróticos. Em um comunicado publicado no jornal Expressen, ela argumentou que não existem muitos produtos de boa qualidade para homens no mercado.

"Se houvesse [produtos de qualidade], nada nos impediria de vendê-los", disse a gerente.

O Ombudsman anunciou de imediato o veredicto de uma das queixas apresentadas, afirmando que não se trata de um caso de discriminação contra os homens.

"Os produtos da Apoteket estão disponíveis para homens e mulheres, e, portanto, a Apoteket não está violando a lei contra a discriminação sexual", diz o veredicto.

Guerra dos sexos

Apesar da aparente perda na tentativa de reclamar contra a discriminação, a luta dos homens por igualdade na Suécia já acumula algumas vitórias.

As mulheres perderam o privilégio de contar com tarifas preferenciais em agências de relacionamento e nos salões de beleza da Suécia depois de protestos realizados pelo sexo oposto. Agora, homens e mulheres pagam o mesmo preço pelos serviços.

As manifestações masculinas derrubaram também os preços especiais oferecidos às mulheres pelas empresas de táxi. As tarifas dos chamados "taxi-tjej" (táxi-garota, em tradução literal) haviam sido criadas para incentivar as mulheres a viajarem com segurança para casa durante a noite, na saída dos bares e clubes noturnos.

Nesses mesmos bares e clubes, a idade mínima para entrada de homens e mulheres (18 anos) também passou a ser a mesma depois de protestos. Antes, os bares noturnos permitiam a entrada de mulheres mais jovens para atrair a clientela masculina, mas barravam os homens da mesma idade.

Na semana passada, os guardas de uma penitenciária realizaram um protesto contra a norma que determina que pelo menos um guarda do sexo masculino tenha que estar presente no pátio durante o horário de banho de sol dos prisioneiros - o que, segundo eles, proporciona esquemas de folga privilegiados para as mulheres.

Aproveitando a onda reivindicatória, um casal de lésbicas que tentava ter um filho através de inseminação artificial também decidiu entrar na Justiça.

Após ser submetida a três tentativas sem sucesso, uma delas exigiu que a companheira também tivesse o direito de tentar a inseminação.

No entanto, o pedido foi negado pelo juiz com o argumento que um casal heterossexual não teria a mesma oportunidade de realizar uma dupla tentativa, uma vez que homens não podem engravidar.

Desigualdade

Apesar da crescente rebelião masculina, as mulheres suecas afirmam que os homens continuam tendo mais vantagens nas questões consideradas mais fundamentais.

O movimento feminista conquistou, na Suécia, um dos maiores níveis de igualdade de gênero do mundo. No entanto, estatísticas governamentais apontam que as mulheres ganham em média 84% do salário pago aos homens.

Um estudo divulgado esta semana pelo banco sueco Länsförsäkringar Bank indica ainda que o valor da aposentadoria das mulheres é, em média, de 80% a 90% do valor pago aos aposentados do sexo masculino.

O economista Göran Normann, autor do estudo, acredita que a única maneira de criar maior igualdade entre os sexos é fazer com que os homens ofereçam algum tipo de compensação às parceiras.

"O homem deveria dar parte da sua aposentadoria à mulher", recomenda o economista.

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

A ITÁLIA DE BERLUSCONI


Leis bizarras criam 'verão das proibições' na Itália

Assimina Vlahou
De Roma para a BBC Brasil

Com maior poder e autonomia para garantir a segurança pública em suas cidades, os prefeitos italianos deram asas à imaginação aprovando normas polêmicas como a proibição de construir castelos de areia na praia, se beijar dentro de automóveis e andar de tamancos.

Algumas leis que entraram em vigor em agosto, pleno verão europeu, causaram surpresa e irritação nos italianos.

Em determinadas cidades, fica proibido circular com garrafas de vinho ou latas de cerveja na mão, andar sem camisa, soltar fogos de artifício em festas privadas – exceto aos sábados entre as 20h30 às 23h – e cortar grama nos finais de semana.

Nas turísticas Positano e Capri, usar tamancos pode dar multa de 50 euros (cerca de 120 reais), por causa do barulho que fazem.

Circular em grupos de mais de duas pessoas nos parques públicos de Novara, no norte do país, depois das 23h30 pode dar até 500 euros de multa (cerca de R$ 1,2 mil reais).

A mesma cifra pode ser cobrada de um casal que se beijar no carro na cidade de Eboli, no sul da Itália.

Autonomia

A onda de legislações bizarras se explica pelo maior poder aos prefeitos concedido pelo pacote de leis sobre segurança pública aprovada pelo governo de Silvio Berlusconi e em vigor desde o final de julho.

De acordo com a nova legislação, os mandatários municipais são encarregados de vigiar "tudo o que possa interessar à segurança e à ordem pública".

A medida está sendo vista como uma contradição do governo Berlusconi, que também instituiu um Ministério especialmente para eliminar leis desnecessárias e agilizar a burocracia italiana.

Em poucas semanas, os prefeitos exercitaram sua criatividade, conforme foi sugerido a eles pelo ministro do interior, Roberto Maroni.

Em Veneza e Assis, terra natal de São Francisco, é proibido pedir esmolas. Em Verona, os clientes de prostitutas podem ser multados em 500 euros, cerca de R$ 1,2 mil reais.

Flanelinhas, além de multados em cerca de 120 reais, também têm o dinheiro ganho apreendido pela policia.

Estão proibidas em toda a Itália as massagens profissionais nas praias. Os massagistas podem levar multa de ate R$ 1 mil euros (cerca de R$ 2,5 mil) e o tradicional top less, muito apreciado pelas italianas, é vetado no litoral de Ravenna.

O prefeito da cidade de Verona, Flavio Tosi, um dos mais ativos na promulgação de normas para garantir segurança e a "compostura", multa também quem for pego andando sem camisa ou comendo e bebendo perto de monumentos.

"É uma legislação em prol da compostura. É o povo que pede estas medidas", disse Flavio Tosi, do partido conservador e separatista Liga Norte, ao jornal La Repubblica.

Ele reivindica mais poder "para colocar na cadeia, por 24 horas, vândalos, bêbados e quem cria confusão".

Segundo Tosi, medidas do gênero são tomadas também por prefeitos da esquerda.

Confusão

Como mudam de cidade para cidade, as medidas impostas pelos prefeitos geram confusão nos italianos e nos milhões de turistas que freqüentam o país.

Em Gênova, por exemplo, é vetado circular pelas ruas com garrafas de vinho ou latas de cerveja na mão.

Em Eraclea, perto de Veneza, o prefeito decretou que é proibido fazer castelos de areia na praia. Quem colher conchas e levar areia para casa pode pegar multa de 25 a 250 euros (R$ 75 a R$ 750).

O problema de leis diferentes nas diversas cidades chamou a atenção de alguns prefeitos, que sugerem a adoção de legislações semelhantes.

"É necessário tornar mais uniformes as normas aprovadas pelas várias cidades", admitiu o prefeito de Roma, Gianni Alemanno ao jornal La Repubblica.

Prefeito australiano convida "mulheres feias" para morar na cidade

Vista de Mount Isa:

Um prefeito australiano está sendo criticado por dizer que "mulheres feias" deveriam se mudar para a cidade que administra porque podem se beneficiar com a falta de mulheres no lugar.

John Moloni disse ao jornal australiano Townsville Bulletin, na semana passada, que "com cinco homens para cada mulher, eu gostaria de sugerir que mulheres menos bonitas se deslocassem para Mount Isa".

Segundo o mais recente censo, realizado em 2006, havia apenas 819 mulheres com idades entre 20 e 24 anos na cidade, em uma população de 21.421 habitantes.

"Com muita freqüência você vê na rua uma jovem que não é tão atraente com um grande sorriso no rosto. A satisfação pode ser pela lembrança de alguma coisa que aconteceu ou pela expectativa para a próxima noite, mas de todo há um grau de felicidade", afirmou.

"Algumas mulheres, de outros lugares da Austrália, têm de vir para Mount Isa, onde a felicidade as espera. Na verdade, a beleza é apenas superficial. Não há a história do patinho feio que se transforma em um cisne?", completou.

Desde então, a prefeitura foi inundada com reclamações tanto de homens como de mulheres.

Jean Ferris, que trabalha na prefeitura de Mount Isa, disse que o "convite" do prefeito gerou alarme entre homens e mulheres.

"É um desastre", disse Ferris ao jornal Courier Mail. "Não é a visão da prefeitura e não é a minha visão. É difícil defender alguma coisa que outra pessoa disse. Nós estamos apavorados", afirmou

Mas Molony se recusou a se desculpar pelos comentários, afirmando que "estava dizendo como é a realidade" na cidade do Estado de Queensland e que é "um homem que respeita as mulheres".

"Eu acredito que nós devemos cuidar das mulheres", afirmou. "Eu recebi informações de que há cinco homens para cada mulher aqui. Se isso for realmente verdade, então talvez seja uma oportunidade para mulheres solitárias", completou.

Localizada a 1.829 km de Brisbane, Mount Isa tem uma das maiores minas subterrâneas do mundo.

A nova geopolítica da energia


Michael T. Klare - The Nation

Os estrategistas militares norte-americanos estão se preparando para as futuras guerras que certamente serão empreendidas, não por questões de ideologia ou política, mas em luta por recursos crescentemente escassos.

Enquanto a atenção diária do exército norte-americano está concentrada no Iraque e Afeganistão, os estrategistas norte-americanos olham para além destes dois conflitos com o objetivo de prever o meio em que irá ocorrer o combate global em tempos vindouros. E o mundo que eles enxergam é um no qual a luta pelos recursos vitais — mais do que a ideologia ou a política de equilíbrio de poder — domina o campo da guerra. Acreditando que os EUA devem reconfigurar suas doutrinas e forças para prevalecer em semelhante entorno, os oficiais mais veteranos deram os passos necessários para melhorar seu planejamento estratégico e capacidade de combate. Apesar de que muito pouco disto tudo chegou ao domínio público, há um bom número de indicadores-chave.

A partir de 2006, o Departamento de Defesa, em seu relatório anual “Capacidade Militar da República Popular da China”, coloca no mesmo nível a competição pelos recursos e o conflito em torno de Taiwan como a faísca que poderia desencadear uma guerra com a China. A preparação de um conflito com Taiwan permanece como “uma razão importante” na modernização militar chinesa, segundo indica a edição de 2008, mas “uma análise das aquisições recentes do exército chinês e do seu pensamento estratégico atual sugere que Pequim também está desenvolvendo outras capacidades do seu exército, para outro tipo de contingências, como, por exemplo, o controle sobre os recursos.” O relatório considera, inclusive, que os chineses estão planejando melhorar sua capacidade para “projetar seu poder” nas zonas que em obtêm matérias-primas, especialmente combustíveis fósseis, e que esses esforços podem supor uma significativa ameaça para os interesses da segurança norte-americana.

O Pentágono também está solicitando, neste ano, fundos para o estabelecimento do Africa Command (Africom), o primeiro centro de mando unificado transatlântico desde que, em 1983, o presidente Reagan criou o Central Command (Centcom) para proteger o petróleo do Golfo Pérsico. A nova organização vai concentrar seus esforços, supostamente, na ajuda humanitária e na “guerra contra o terrorismo”. Mas em uma apresentação na Universidade Nacional de Defesa, o segundo comandante do Africom, o Vice-Almirante Robert Moeller, declarou que “a África tem uma importância geoestratégica cada vez maior” para os EUA — o petróleo é um fator-chave — e que entre os desafios fundamentais para os interesses estratégicos norte-americanos na região está a “crescente influência na África” por parte da China.

A Rússia também é contemplada através da lente da competição mundial pelos recursos. Apesar de que a Rússia, diferentemente dos EUA e da China, não precisa importar petróleo nem gás natural para satisfazer suas necessidades nacionais, esse país quer dominar o transporte de energia, especialmente para a Europa, o que tem causado alarme nos oficiais veteranos da Casa Branca, que receiam uma restauração do status da Rússia como superpotência e temem que o maior controle desse país sobre a distribuição de petróleo e gás na Europa e na Ásia possa enfraquecer a influência norte-americana na região.

Em resposta à ofensiva energética russa, a administração Bush está empreendendo contramedidas. “Tenho a intenção de nomear... um coordenador especial de energia, que dedicará especialmente todo o seu tempo à região da Ásia Central e do mar Cáspio”, informou, em fevereiro, a Secretária de Estado Condoleezza Rice ao Comitê de Assuntos Exteriores do Senado. “É uma parte verdadeiramente importante da diplomacia.” Um dos principais trabalhos deste coordenador, segundo declarou Rice, será o de promover a construção de oleodutos e gasodutos que cincunvalem a Rússia, com o objetivo de diminuir o controle desse país sobre o fluxo energético regional.

Tomados em conjunto estes e outros movimentos semelhantes sugerem que houve um deslocamento da política: em um momento em que as reservas mundiais de petróleo, gás natural, urânio e minérios industriais chave —como o cobre e o cobalto— começam a diminuir e a demanda por esses mesmos recursos está disparando, as maiores potências mundiais desesperam-se por conseguir o controle sobre o que resta das reservas ainda sem explorar. Estes esforços geralmente envolvem uma intensa guerra de lances nos mercados internacionais, o que explica os preços recordes que estão alcançando todos estes produtos, mas também adotam uma forma militar, quando começam a ser feitas transferências de armamento e são organizadas missões e bases transatlânticas. Para reafirmar a vantagem dos EUA —e para contrabalançar movimentos similares da China e outros competidores pelos recursos— o Pentágono situou a competição pelos recursos no próprio centro do seu planejamento estratégico.

LEIA MAIS AQUI.

domingo, 17 de agosto de 2008

COMPROVAÇÃO CIENTÍFICA


Beber álcool torna pessoas mais atraentes

Cientistas britânicos comprovaram pela primeira vez que as pessoas depois de beberem alguns "copos" começam a achar os outros mais atraentes. O estudo, feito na Universidade de Bristol, em Inglaterra, concluiu que quem bebe acha não só as pessoas do sexo oposto mais bonitas, como até as do mesmo género.

Oitenta e quatro estudantes universitários heterossexuais serviram de amostra. Aos jovens foram dadas bebidas com sabor a limão, que continham uma dose de vodka equivalente em álcool a um copo grande de vinho. Quinze minutos depois, eram-lhes mostradas fotos de 40 estudantes dos dois sexos.

"A escala de atracção subiu aproximadamente 10%", referiu um dos investigadores, o psicólogo Marcus Munafo. O facto de o efeito surgir com uma pequena dose de álcool surpreendeu os investigadores, que consideram que o estudo pode explicar práticas como o sexo desprotegido.

Londrinos partem para a Grécia com carros movidos a óleo de cozinha


Um grupo de aventureiros parte Londres neste sábado para uma viagem a até a Grécia usando como combustível apenas óleo de cozinha usado em restaurantes e lanchonetes que encontrarem no trajeto.

O projeto Grease to Greece (Gordura para a Grécia, em tradução livre) faz parte de outro maior, o FatFinding (ou Caçadores de Gordura) e conta com 10 grupos de motoristas.

As equipes sairão do centro de Londres e seguirão até a Atenas em um percurso de 3 mil quilômetros a ser realizado durante duas semanas.

O idealizador do projeto, Andy Pag, já viajou de Londres a Timbuktu em um automóvel movido a base de chocolate e afirma que o objetivo é identificar se o uso de óleo vegetal reciclado é viável para ser utilizado como combustível em longa distância.

"A intenção é verificar se o uso do óleo é possível e praticável em viagens longas e rir um pouco no caminho", afirmou Pag.

A chegada em Atenas está prevista para o dia 27 de agosto. O time que chegar primeiro a capital irá receber um troféu das mãos do embaixador britânico na Grécia.

Combustível

Pag explica que as equipes poderão, em emergências, recorrer ao biocombustível e comprar óleo de cozinha em supermercados, caso seja necessário. No entanto, o principal combustível da viagem deverá ser óleo reciclado de restaurantes e lanchonetes encontrados no trajeto.

Segundo Pag, o principal desafio será convencer os donos dos estabelecimentos a doarem a gordura usada, já que em alguns países, há um controle duro com relação aos resíduos comerciais.

"Será difícil explicar para um dono de uma lanchonete na Croácia que queremos a gordura do estabelecimento dele", brinca um dos organizadores.

"Estamos nas mãos dos donos de lanchonetes na Europa", disse.

De acordo com Pag, não é necessário converter os motores a diesel para usar biocombustíveis. Segundo ele, a maioria dos motores comportam a mistura de óleo vegetal com combustível comum.

"As equipes não precisam converter seus motores, mas se fizerem, será mais fácil evitar o uso de combustíveis fósseis completamente durante a viagem", concluiu Pag.

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Alguien en el mundo piensa en mi

CHARLY GARCIA:

Moçambique: EUA e Inglaterra sabiam que avião de Samora Machel foi sabotado


Maputo, 15 Ago (Lusa) - O antigo ministro da Segurança de Moçambique, Sérgio Vieira, disse quinta-feira em Maputo que a Inglaterra e os Estados Unidos sabiam que o avião em que morreu o ex-Presidente moçambicano Samora Machel foi sabotado e não caiu por acidente.

Samora Machel, chefe de Estado moçambicano desde a proclamação da independência do país, em 1975, até à sua morte a 19 de Outubro de 1986, perdeu a vida quando o avião em que viajava caiu na localidade sul-africana de Mbuzini.

Uma comissão de inquérito composta por peritos de Moçambique, África do Sul e da ex-União Soviética chegou a resultados divergentes, com os especialistas moçambicanos e soviéticos a apontarem a sabotagem do aparelho como causa do acidente e a África do Sul a indicar erros de pilotagem.

Na altura, Moçambique e o Governo sul-africano, dirigido pelo regime racista do "apartheid", viviam num ambiente de permanente hostilidade, com Maputo a acusar Pretória de apoiar a guerrilha da RENAMO, hoje o maior partido da oposição moçambicana.

As autoridades sul-africanas de então acusavam, por seu lado, Maputo de albergar militantes do Congresso Nacional Africano (ANC), que lutava contra a política de discriminação na África do Sul, e hoje partido no poder neste país.

Em entrevista quinta-feira ao principal canal privado de televisão em Moçambique, a STV, Sérgio Vieira, que ocupava a pasta de Segurança no ano em que Machel morreu, reiterou a posição de que o ex-chefe de Estado moçambicano foi "assassinado" e não vítima de acidente de viação, sublinhando ainda que "os Estados Unidos e a Inglaterra sabiam do que aconteceu".

"Nas vésperas do funeral do Presidente Samora Machel, o embaixador inglês telefonou-me a informar que tinha recebido instruções de Downing Street [gabinete do Primeiro-Ministro inglês], para comunicar que a Inglaterra não faria parte de qualquer comissão de inquérito, encarregue de investigar a morte do Presidente Samora Machel. Instantes depois, o embaixador dos Estados Unidos também me telefonou a comunicar o mesmo facto", disse Sérgio Vieira.

Para Vieira, os governos norte-americanos e inglês tomaram essa posição porque sabiam que os seus peritos chegariam à conclusão de que o Tupolev em que viajava Samora Machel tinha sido sabotado e não tinha caído devido a erros de pilotagem.

"Os Estados Unidos e a Inglaterra sabiam que os seus peritos nunca aceitariam uma aldrabice, e chegariam a uma conclusão politicamente inconveniente", a de que a queda do avião tinha sido provocada pelo regime do "apartheid", que apesar de estar sob sanções internacionais, era tolerado pelo Ocidente.

Os Estados Unidos e a Inglaterra consideravam a África do Sul do tempo do "apartheid" uma espécie de tampão contra o expansionismo do comunismo da ex-União Soviética, que tinha sob sua órbita a generalidade dos países africanos, incluindo Moçambique.

Sérgio Vieira, que chefiou a missão enviada pelas autoridades moçambicanas, para trazer os corpos das vítimas do acidente a Moçambique, achou igualmente estranho que tenha sido sugerido o envolvimento da Inglaterra e dos Estados Unidos na comissão de inquérito, contra as regras da Associação Internacional do Transporte Aéreo (IATA), que "prevêem na comissão de inquérito a participação do produtor da aeronave, do país do acidente e do país das vítimas".

"O ministro [dos Negócios Estrangeiros da África do Sul] Roelof 'Pik' Botha disse-me que os Estados Unidos e a Inglaterra participariam na comissão de inquérito, e eu achei isso estranho, porque é contra as regras da IATA. Dias depois, são os embaixadores dos dois países que negam essa participação, sem que Moçambique a tenha pedido alguma vez", enfatizou Sérgio Vieira.

Sem acusar directamente o Governo sul-africano desse tempo, o ex-ministro moçambicano da Segurança recordou que o então ministro da Defesa da África do Sul, Magnus Malan, ameaçou directamente Samora Machel, nas vésperas do acidente, pelo alegado apoio deste a actos de guerrilha protagonizados no interior da África do Sul por militantes do ANC.

Sérgio Vieira considerou sem sentido a posição sul-africana de que os pilotos russos do avião do Presidente moçambicano eram inexperientes e tripulavam ébrios, como concluiu a parte sul-africana da comissão mista do inquérito.

"Os únicos vestígios de álcool encontrados nos corpos são os que resultam da decomposição após a morte e não de algum consumo (...), quanto à experiência dos pilotos, eram aquilo que em gíria de pilotagem se diz milionários do ar, com mais de 10 mil horas de voo. O único com menos horas tinha oito mil horas, e não exercia funções no 'cockpit'", sublinhou Vieira.

Segundo Sérgio Vieira, é suspeito que as autoridades sul-africanas tenham declarado o local do despenhamento do avião zona militar, nas vésperas da queda do aparelho, para depois retirarem os militares da zona, deixando alguns polícias, no momento em que a missão enviada pelo Governo moçambicano chegou à área.

Vieira acusou ainda as autoridades sul-africanas de não terem prestado socorro aos feridos, preocupando-se apenas em reconhecer o Presidente Samora Machel, que "teve morte instantânea e apresentava o crâneo amarrotado", e em recolher documentos.

"Um dos sobreviventes contou-me que os membros do exército sul-africano que estavam no local do acidente só se preocuparam em recolher documentos e em reconhecer o Presidente Samora Machel", disse na entrevista o antigo ministro moçambicano da Segurança.

Sobre uma alegada "mão interna" de membros do Governo moçambicano na conspiração com as autoridades sul-africanas para provocar a queda do aparelho, justificada pelo facto de nenhum dos principais quadros do partido no poder em Moçambique, FRELIMO, não ter integrado a comitiva presidencial que sofreu o acidente, Sérgio Vieira considerou-a "especulação", justificando depois a sua própria ausência da viagem em que acabou morrendo Samora Machel.

"O próprio Samora disse-me a mim para não viajar, porque acabava de perder a minha primeira mulher e tinha chegado havia pouco tempo de uma missão do Botsuana. Joaquim Chissano [que depois sucedeu a Samora Machel na chefia do Estado moçambicano] estava fora do país também em missão de serviço", sublinhou Sérgio Vieira, lembrando ainda que Machel desrespeitou recomendações da sua equipa de segurança para não viajar à noite de avião, devido à situação de guerra que se vivia na África Austral.

"Samora Machel tinha virtudes, mas era teimoso, atropelou várias vezes regras protocolares, incluindo recomendações para não viajar à noite de avião. Tive várias vezes ataques cardíacos, devido à sua teimosia", acrescentou Sérgio Vieira.

PMA.

Lusa/Fim

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

La primera FM del país a energía solar


Es la tercera emisora comunitaria creada por el Movimiento Campesino de la provincia para defender el derecho a la posesión de la tierra.

Es de noche y el Tucumano está allá arriba, colgado en la punta de una antena de 42 metros clavada en el monte santiagueño. No hay Luna, así que todo depende de su linterna y de su equilibrio. Abajo, varias personas se apretujan en un estudio y esperan con ansiedad contenida que la maquinaria de cables y botones funcione.“¿Y? ¿Anda?” “No, todavía no.” El Tucumano, que ahora está en tierra firme sugiere que cambien unos cables. “¿Y ahora?” “¡Anda!” Al micrófono, Margarita, de 17 años, transmite: “Muy buenas noches, aquí estamos en el paraje Las Lomitas, en una de las radios del Mocase Vía Campesina. Es la primera vez que salimos al aire, nos llamamos Paj Sachama, que significa vuelo del monte, y estamos funcionando con energía solar”. Aplausos, abrazos y Charly García de fondo que canta: “Alguien en el mundo piensa en mí”.

Una escena similar se repitió en abril de 2003 cuando se inauguró en Quimilí la primera radio comunitaria del Movimiento Campesino de Santiago del Estero (Mocase), instalada con la ayuda de los fundadores de la FM porteña La Tribu. Ernesto Lamas –uno de ellos– lo va a recordar rumbo a Las Lomitas: “Hace ocho años llegó a La Tribu un documento del Mocase en el que hacían una feroz autocrítica por no saber cómo comunicar lo que hacían, y una alternativa era armar una radio”. A principios de 2000 miembros del Mocase se reunieron con directivos de La Tribu, y después de superar algunas desconfianzas (llegaron a preguntarnos: “¿Pero ustedes no nos quieren usar, no?”, dice Lamas), el proyecto –que consiguió financiación de municipalidades andaluzas– derivó en la instalación de cinco radios. Tres ya están funcionando y son operadas, en algunos casos, por campesinos que aprendieron a leer y escribir empujados por las ganas de salir al aire. Entre ellas está la flamante Paj Sachama, allí donde la electricidad no llega pero el sol sí: es la primera radio comunitaria a energía solar en la Argentina.

TIERRA MODELO. El Mocase –hoy dividido en tres ramas– nació en 1990 ante una necesidad de los campesinos santiagueños de organizarse para defender sus tierras frente a poseedores de títulos fraguados. La rama del Mocase más numerosa es la alineada con la Vía Campesina, agrupa a unas nueve mil familias, no se organiza de manera jerárquica y promueve, además de la defensa de la tierra amparados en la posesión veinteñal, la independencia económica basada en el concepto de soberanía alimentaria: autoabastecerse.

La central de Quimilí, a 200 km al noreste de la capital provincial, es una muestra modelo de la dinámica del movimiento. Tan modelo que del Primer Mundo se vienen al culo del mundo para verla. Como este grupo de 30 españoles de Ingenieros sin Fronteras que se asombran por la fábrica de queso que se alimenta con energía solar, por la escuela de agroecología, por el proyecto de biogás con suero y bosta de chancho. Y no es moda ecológica para los campesinos no usar pesticidas ni semillas modificadas: siempre fue así. De ahí que para ellos el triunfo de la soja en el “conflicto del campo”, signifique más contaminación con glifosato (el herbicida usado para la soja prohibido en casi todo el mundo) y la pérdida de variedad de cultivos.

MONTE ADENTRO. Para llegar a Las Lomitas desde Buenos Aires hay que hacer 950 kilómetros al Norte, hasta Quimilí. Mientras se atraviesa Santiago del Estero, uno imagina que esos campos de sospechoso verde antes eran puro monte: la soja borró el desierto, pero también sus árboles achaparrados. Hace tiempo que el paisaje es otro. Desde Quimilí, el itinerario indica otros 400 kilómetros hacia el límite con Tucumán, hasta llegar a la boca del monte que todavía resiste: en San José del Boquerón se abre una huella arenosa que lleva a Las Lomitas y que con cada vuelta de neumático, se eriza en remolinos de polvo blanco.

La central del Mocase de Las Lomitas reúne a 110 familias que viven desperdigadas en unos 70 kilómetros cuadrados. Allí elaboran zapallo y zanahoria en almíbar y envasan miel. Cada quince días, se reúnen para decidir temas del movimiento, muchas veces ligados a amenazas de desalojo o a los ataques que, según consta en denuncias hechas ante Naciones Unidas, reciben de grupos paramilitares.

Pero hoy todo es distinto. Los esfuerzos están puestos en la primera transmisión de Paj Sachama. Cacho se apura a lavar los paneles solares y explica: “Una vez que la batería cargó, alcanza para cinco días. Es un sistema caro de instalar, pero después no tiene casi costo”. Cacho hizo un curso en energías alternativas y también tuvo su programa en la radio Del Monte, en Quimilí. “Lo interesante de esta radio en Las Lomitas es que le vamos a llevar información a la gente que de otro modo no se entera. Y sabemos que si estamos informados podemos defendernos.” A pocos metros, en su rancho, está Ramón. Troza un cabrito –uno de los 200 que nacieron hace poco– para el festejo de la noche y con cada hachazo del cuchillo, desafía sus setenta años: “Mi padre vivió hasta los 110. Nosotros nos curamos con las hierbas del monte, somos indígenas lule-vilela”. Ramón, que participó de varios congresos del MST en Brasil, habla con conciencia de posesión mutua: él pertenece a este lugar, por eso este lugar le pertenece.

“Pero hay muchos que no lo entienden todavía.” El que lo dice es Juan, uno de los locutores que estará a cargo de un programa de la FM de Las Lomitas. “La idea es juntar compañeros a través de la radio, si estamos solos no hacemos nada. Hace dos semanas aparecieron unos tipos en Corral Quemado que reclamaban 600 hectáreas. Nosotros los corrimos porque tenemos en claro que poseemos la tierra, y que si estos tipos vienen y plantan soja, nos matan todo y nos dejan en la miseria.”

Juan va a repetir esto cuando tenga su programa al aire. Pero ahora, frente al micrófono de la Paj Sachama, ya se formó cola: todos quieren hablar, mandar saludos, dedicar un chamamé. “Para ellos la radio es una herramienta política y para nosotros es esa magia que se genera entre personas que unas horas antes sólo tenían la idea rebelde de ocupar un espacio y que ahora pueden gestionar un medio propio sin depender de nadie”, dice Lamas antes de subirse al móvil de La Tribu, ese que a fin de año va a volver al polvo santiagueño para concretar la cuarta FM del Mocase, en el pueblo de Pinto.

A Reforma agrária só vai acontecer no país se o latifúndio estiver de acordo.

Foto de Sebastião Salgado:

Quinta-feira, 24 de julho, 13h. Depois de dois dias e meio de marcha, mais de 600 integrantes do MST chegavam à sede do INCRA, em Porto Alegre, para reivindicar o atendimento de um acordo que prevê assentar duas mil famílias no Rio Grande do Sul ainda este ano. O primeiro prazo, de assentar mil famílias até abril, não foi cumprido.

A marcha começou cedo, antes das 7h. A alvorada no ginásio da Federação dos Metalúrgicos de Canoas foi às 4h. No meio da manhã, quando entravam em Porto Alegre, os trabalhadores foram recebidos por um enorme contingente armado da Brigada Militar. Todos foram revistados, muitos colocados contra a parede, seus pertences vasculhados, mesmo que se soubesse que nada “perigoso” seria encontrado, como não foi.

LEIA MAIS AQUI.

Ex-bispo Lugo toma posse no Paraguai sob expectativa de mudança


Por Daniela Desantis

ASSUNÇÃO (Reuters) - O ex-bispo Fernando Lugo toma posse na sexta-feira como presidente do Paraguai, num fato histórico que gera a expectativa de reformas no país, o qual atravessa uma fase de crescimento, mas ainda sofre com a miséria e as desigualdades.

Lugo, de 57 anos, que até 2005 dirigia uma diocese carente, é o primeiro ex-bispo a se tornar presidente de um país. A posse, à qual devem comparecer quase cem delegações estrangeiras, marca o fim de mais de 60 anos de hegemonia política do Partido Colorado.

Dirigentes da região --como o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Hugo Chávez (Venezuela), Evo Morales (Bolívia) e Rafael Correa (Equador)-- devem assistir à posse de Lugo, cuja formação política deriva da Teologia da Libertação. Da América do Sul, os principais ausentes serão Álvaro Uribe (Colômbia) e Alan García (Peru).

Lugo chega ao Palácio de los López legitimado por 40 por cento dos votos na eleição presidencial. Sua coalizão de centro-esquerda reúne a maior parte da oposição ao Partido Colorado.

A longa transição paraguaia para o pluripartidarismo pleno começou em 1989, com a queda da ditadura de Alfredo Stroessner, que era ligado aos colorados. Nesse período, o país viveu uma série de ameaças de golpe, conflitos sociais, assassinatos políticos e escândalos de corrupção.

Apelidado de "bispo dos pobres", Lugo, que só usa roupas simples e sandálias, terá como principais desafios o combate à corrupção e à pobreza, que afeta 40 por cento dos paraguaios. No campo externo, ele promete renegociar os termos da venda de energia da usina de Itaipu para o Brasil.

"As pessoas têm muita fé, muita esperança. É bispo, todos estão certos da sua honestidade, e espera-se uma mudança no social. É um homem muito diferente do que estamos acostumados na política", disse Alba Pasmor, vendedora de eletrodomésticos e filiada ao Partido Colorado.

(Reportagem adicional de César Illiano)

Quem ganhou e quem perdeu na Geórgia


Paul Reynolds
Da BBC News

Mesmo antes de uma solução para a crise na Ossétia do Sul, o conflito entre Rússia e Geórgia mostrou que há alguns claros vencedores e perdedores e que é preciso um novo começo nas relações entre a Rússia e as potências ocidentais.

A seguir, veja quem ganhou e quem perdeu com o confronto e o que deve acontecer a partir de agora.

Os ganhadores

Rússia – O país emergiu mais forte, mostrou que é capaz de impor sua vontade sobre a Ossétia do Sul e mandou um recado claro sobre a sua disposição de reforçar sua posição mundial.

O país aceitou um acordo de cessar-fogo depois de conquistar seu objetivo – controlar a Ossétia do Sul. O acordo basicamente determina que não seja mais usada a força e que se retorne a uma situação semelhante à que havia antes do conflito.

O ministro do Exterior russo também disse que as tropas georgianas não vão "nunca mais" participar das forças de paz para a região, algo que havia sido previsto em um acordo em 1992.

Não está claro ainda se as forças russas na região vão voltar a ter o tamanho que tinham antes do confronto, ou seja, uma unidade formada por um batalhão de soldados – algo que também foi acertado no acordo de 1992. É improvável que isso ocorra. A situação deve se assemelhar mais à situação de Chipre em 1974, quando os turcos intervieram no conflito na ilha para proteger cidadãos ligados ao país. Os turcos estão em Chipre até hoje.

O primeiro-ministro Vladimir Putin – Ele confirmou sua força. Putin deu demonstrações de força durante todo o processo, especialmente quando fez acusações de que as potências ocidentais usam dois pesos e duas medidas em relação à região e que ignoram o número de mortos e feridos provocados pela tentativa de tomada de controle realizada pela Geórgia.

Sua atitude foi muito apreciada entre os russos.

Os rebeldes da Ossétia do Sul – O movimento separatista deverá exercer um grande controle sobre a região agora que os russos tomaram o território completamente.

A França e a Alemanha – Os dois países que têm se mostrado cautelosos em relação à entrada da Geórgia na Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), terão sua posição justificada. Eles acreditam que um país como a Geórgia, que ainda tem disputas envolvendo suas fronteiras, não deve ser aceito na organização.

Os perdedores

Os mortos e feridos – Obviamente, os mais afetados pelo confronto são as pessoas diretamente atingidas. Ainda não existem dados precisos, mas os números de mortos e feridos podem passar de centenas. O maior problema tem sido a falta de informação sobre o que ocorreu dentro da Ossétia do Sul. Relatos de que até 2 mil pessoas teriam sido mortas no ataque realizado pelos georgianos não puderam ser verificados de forma independente.

O presidente da Geórgia, Saakashvili – Ele tem sido apoiado pela administração Bush, mas falhou na sua tentativa de impor o controle georgiano sobre a região da Ossétia do Sul e deve pagar um preço por isso. Privadamente, alguns governos europeus têm feito críticas duras a ele por sua decisão de invadir a região, algo visto por alguns como uma atitude “inesperada e emocional”.

A verdade - Este tem sido um conflito muito difícil para determinar os fatos. Os russos não conseguiram comprovar suas alegações de que as tropas georgianas teriam cometidos atrocidades e não permitiram que repórteres nem observadores internacionais verificassem as afirmações. O governo da Geórgia também fez várias alegações que não foram comprovadas, como a afirmação de que os russos teriam tomado a cidade de Gori, o que não ocorreu.

Os governos dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha optaram por considerar a Rússia como o país agressor. Foi a Geórgia, porém, que realizou seus ataques com uma chuva de foguetes que, por natureza, atingem alvos de forma indiscriminada.

O Ocidente – Uma vez mais os países ocidentais foram pegos de surpresa. Em Washington e em Londres o presidente da Geórgia teria sido orientado a mostrar cautela. Se realmente Saakashvili agiu contra essa orientação, o país ignorou conselhos de seus principais aliados e a Rússia venceu um membro potencial da Otan.

O que acontece daqui para frente

Começo novo – O fato é que o Ocidente precisa da Rússia e a Rússia precisa do Ocidente. Os russos querem (ou vão querer cada vez mais) se integrar mais ao sistema econômico mundial e serem levados a sério no cenário diplomático.

O Ocidente precisa do apoio da Rússia nas negociações com o Irã e o Sudão, por exemplo. E possivelmente os países ocidentais terão que admitir que a Rússia tinha um bom argumento. Precisam explicar porque ajudaram Kosovo a se separar da Sérvia, mas questionaram o direito da Rússia de apoiar a Ossétia do Sul.

Apesar disso, vários países já estão falando em retaliar a Rússia. Entre as várias medidas possíveis estão o bloqueio de um novo acordo entra os russos e a União Européia, que envolve questões que vão de comércio até direitos humanos.

Outros pontos que vêm sendo discutidos são o reforço do compromisso de integrar a Geórgia e a Ucrânia à Otan e tentar retirar a Rússia da Organização Mundial do Comércio ou do G8.

Qualquer que seja o resultado dessas discussões, o que ficou claro com a relativamente pequena guerra da Ossétia é a atual situação de insatisfação entre os russos e as nações do Ocidente.